Detalhe

Crise econômica reduz abrangência do financiamento estudantil

11/05/2017 | Por: TV Senado | 116

Em entrevista, o diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior, Sólon Caldas, comenta a crise no sistema de financiamento estudantil, que em 2016 custou R$ 32,2 bilhões para o Tesouro Nacional. Com a crise econômica, o custo do programa fez o Fies encolher. 

"O Fies e o ProUni são dois programas bem sucedidos que o Governo Federal apostou, investiu, e que proporcionaram aos jovens de baixa renda ter acesso ao ensino superior, o que até então não se tinha. O financiamento estudantil é um modelo diferente do ProUni por que ele não trata de bolsas 100% pagas pelos governo, e sim da contratação por parte do aluno de um recurso que ele vai ter de devolver posteriomente à sua formação", explicou Caldas. 


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Crise econômica reduz abrangência do financiamento estudantil

No programa Agenda Econômica (TV Senado), o diretor executivo da ABMES, Sólon Hormidas Caldas, fala sobre a crise no sistema de financiamento estudantil.

Notícias

Fies 2017/1 encerra inscrições para vagas remanescentes hoje (22)

Este prazo é específico para quem já está matriculado em instituição de ensino particulares

Em audiência no Senado, Mendonça Filho diz que vai reformular o Fies

O ministro participou de audiência pública no Senado e fez um balanço do primeiro ano de gestão do governo Temer

MEC deve divulgar novo Fies até o fim de maio

No entanto, os estudos em torno do programa universitário ainda não foram finalizados e dependem de aval do Ministério da Fazenda

MEC prorroga para 31 de maio prazo para aditamentos de contratos do Fies

Informação foi publicada na Portaria nº 244 no Diário Oficial da União desta sexta-feira

Fies: prazo para renovação dos contratos termina no próximo domingo

Instituições privadas de ensino superior tem até o dia 30 de abril para inserir os dados dos estudantes no Sistema Informatizado do programa (SisFies)