Detalhe

Rio anuncia retorno de 100% dos alunos às aulas presenciais a partir do dia 18

08/10/2021 | Por: CNN Brasil | 176
Foto: CNN Brasil

A Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou nesta quinta-feira (7) o cronograma de retorno pleno às aulas presenciais na capital fluminense, sem a necessidade de rodízio ou do distanciamento social entre os alunos.

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação (SME), a volta será feita em duas etapas, com parte dos estudantes retornando no próximo 18 e outra no dia 25. As escolas, no entanto, terão que oferecer a opção do ensino híbrido para quem não quiser estudar presencialmente.

O calendário municipal de ensino do Rio contempla desde o retorno de creches até os alunos do EJA, programa de educação para jovens e adultos. O uso de máscaras permanecerá obrigatório, com exceção das crianças de até 3 anos. Já o distanciamento entre as cadeiras não será mais necessário.

“É obrigatório o uso de máscara durante o deslocamento e dentro da Unidade Escolar durante todo o período de permanência, com exceção dos momentos de alimentação e hidratação”, enfatiza um trecho do protocolo sanitário da Prefeitura.

Para o secretário municipal de educação, Renan Ferreirinha, o retorno às aulas foi viabilizado pela vacinação contra o novo coronavírus. De acordo com ele, todos os professores estão imunizados com as duas doses. Ferreirinha também detalhou à CNN, nesta sexta-feira (8), as medidas adotadas pela prefeitura para a retomada das atividades presenciais.

“Nós já distribuímos máscaras para todos os nossos profissionais de educação, máscaras PFF2 e álcool em gel. Nós temos todos os nossos profissionais já imunizados, ou seja, com a segunda dose. Tudo para fazer as nossas unidades funcionarem da melhor forma possível, seguindo o protocolo sanitário. Estamos preparados para o retorno 100% presencial”, disse Ferreirinha.

Na cidade do Rio de Janeiro, as escolas municipais ficaram pelo menos 11 meses sem aulas presenciais. O retorno das atividades nos colégios para os alunos aconteceu, gradativamente, no fim de fevereiro. Cerca de 39 mil professores na rede e mais 14 mil trabalhadores, como secretárias e merendeiras, atuam na rede de ensino da capital fluminense.

Em nota, o sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) contestou a decisão. No comunicado divulgado nesta sexta-feira (8), o grupo destacou que “mantém a posição contrária ao retorno integral das aulas presenciais e de defesa do funcionamento de forma híbrida, com rodízio entre os alunos”.


Conteúdo Relacionado

Notícias

Aulas presenciais voltam a ser obrigatórias para 100% dos alunos em SP a partir de segunda-feira

Atualmente, presença é facultativa. Segundo gestão estadual, na próxima semana, só poderão ficar em casa os estudantes que apresentarem justificativa médica. Sindicado dos professores diz ser contra e afirma que escolas não têm condições de cumprir protocolos

Indefinição nas públicas e modelo híbrido nas particulares: a volta às aulas presenciais no ensino superior

Gazeta do Povo: Em entrevista, o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, comenta a decisão do governo de liberar a volta às aulas presenciais

'Educação tem que ser a última a fechar e a primeira a abrir'

CBN : Em entrevista, Sólon Caldas, diretor executivo da ABMES, defende a retomada das aulas presenciais

Câmara aprova urgência em projeto de lei que torna educação presencial essencial

Texto causou racha entre secretários de educação. Os que são contra dizem que é uma obrigatoriedade que não considera características locais. Rossieli Soares, de SP, diz que projeto "merece todo o apoio"

MEC terá plataforma para ajudar planejamento da volta às aulas

Painel vai monitorar reinício das atividades no ensino básico

Projeto suspende decisão do MEC sobre retorno das aulas presenciais nas universidades

Portaria prevê início do calendário em março nas instituições de ensino superior