Detalhe

Universidades públicas tiveram queda de 18,8% no número de concluintes

18/02/2022 | Por: Folha de S.Paulo | 1403

Já no primeiro ano da pandemia de Covid-19, as universidades públicas do país tiveram queda de 18,8% no número de estudantes que conseguiram concluir a graduação. Elas também tiveram redução de 5,8% de ingressantes em 2020.

Os dados são do Censo da Educação Superior, divulgados pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) nesta sexta-feira (18). Excepcionalmente, em razão da pandemia, as informações para a pesquisa foram coletadas com as instituições de ensino até o fim de junho de 2021 para que os resultados pudessem refletir as alterações ocorridas no primeiro ano da crise sanitária.

Segundo especialistas e entidades do ensino superior, a queda de concluintes é explicada em parte pelo atraso no ano letivo em algumas instituições, que só conseguiram terminar o ano acadêmico de 2020 no ano seguinte. No entanto, dizem que a redução também já reflete a evasão escolar.

Esse é o segundo ano consecutivo em que as universidades públicas registram diminuição de alunos que conseguem concluir os cursos. Em 2020, elas tiveram 204.174 concluintes, uma redução de 18,8% em relação a 2019, quando foram 251.374. Em 2018, essas instituições formaram 259.302.

Já as faculdades particulares tiveram aumento de 7,6% no número de concluintes em 2020.
O aumento, no entanto, é puxado pelos cursos a distância. Entre aqueles que cursavam graduação presencial na rede privada, houve queda de 0,5% em relação ao ano anterior.

"A redução de concluintes pode ter ocorrido pela mudança dos calendários das universidades, que atrasou a colação de grau daqueles que estavam no último ano. Mas isso só explica parte do problema. As dificuldades econômicas do país forçaram muitos alunos a abandonar os cursos", diz Soraya Smaili, que foi reitora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) até 2021 e hoje coordena o Instituto Sou Ciência.

Desde 2019, as universidades federais sofrem redução para o Pnaes (Programa Nacional de Assistência Estudantil), que reúne recursos para bolsas estudantis, auxílio moradia, transporte, alimentação. O governo Jair Bolsonaro (PL) vem reduzindo os valores do programa, que perdeu 18,3% do orçamento entre 2019 e 2021 —sem contar a correção da inflação.

"Em 2019, 70% dos alunos da rede federal vinham de famílias com renda de até 1,5 salário mínimo, ou seja, jovens que precisam de auxílio financeiro para estudar. Mas o recurso para essas ações foi minguando. Muitos podem ter abandonado a universidade pública porque precisaram trabalhar, sustentar a família", diz Smaili.

Além da queda de concluintes, as universidades públicas tiveram redução de ingressantes pelo terceiro ano consecutivo. Em 2020, elas receberam 527.006 novos alunos, uma queda de 5,8% em relação a 2019, quando foram 559.293. Desde 2017, a queda acumulada é de 10,7% no número de ingressantes.

Nesse mesmo período, a rede privada teve aumento de 22,8% de ingressantes. Apenas entre 2019 e 2020, o aumento foi de 5,3%. O crescimento, no entanto, se deve aos cursos na modalidade a distância, que tiveram aumento de 25,7% de novos alunos.

Já os cursos presenciais das faculdades privadas tiveram queda de 15,6% no número de ingressantes.

Em 2020, pela primeira vez, as graduações a distância receberam mais alunos novos do que os presenciais, somando tanto os ingressantes na rede pública quanto na privada. Segundo o censo, dos mais de 3,7 milhões que entraram no ensino superior, 53,4% escolheram cursos a distância.

As matrículas nessa modalidade passaram de 2,5 milhões em 2019 para 3,1 milhões em 2020.

A modalidade a distância vem crescendo de forma acelerada desde 2010. Nesse período, o número de novos alunos aumentou 428,2%. Enquanto os cursos presenciais, tiveram queda de 13,9% nesse intervalo de dez anos.

"Havia uma previsão de que a modalidade EAD ia ultrapassar o presencial até 2023, mas a pandemia acelerou essa mudança. Acredito que muitos estudantes decidiram mudar para o modelo a distância com a imposição do ensino remoto na pandemia, mas também por terem conhecido a qualidade dos cursos", disse Celso Niskier, presidente da Abmes (Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior).

Para ele, o crescimento deve ter sido ainda maior em 2021 e a tendência é que se mantenha nos próximos anos. "O encolhimento do Fies e a crise econômica empurrou muita gente para o EAD, porque é uma alternativa com melhor custo benefício. O grande desafio para as instituições agora é garantir que a qualidade desses cursos seja, no mínimo, igual a dos presenciais."


Conteúdo Relacionado

Notícias

Paulo Chanan publica análise dos números do Censo da Educação Superior 2020

Para explicar melhor alguns cenários apontados no Censo da Educação Superior 2020, Paulo Chanan elaborou o estudo “Comentários aos Primeiros Números do Censo da Educação Superior Brasileira – 2020”

Ensino superior: pela 1ª vez, matrículas em EAD superam presenciais

Entre as formações, graduação de pedagogia tem a maior procura

Com pandemia, ingresso no ensino a distância supera modelo presencial

Censo da educação feito pelo Inep mostrou mudança inédita em 2020, quando mais de 2 milhões de universitários ingressaram na modalidade virtual no Brasil

Censo: matrículas em cursos superiores de EAD superam presenciais

Ensino remoto ultrapassou presencial pela primeira vez, diz Inep