Detalhe

Setor de educação reforça pleitos por mais financiamento do governo

20/07/2016 | Por: Reuters Brasil | 912

SÃO PAULO (Reuters) - O setor de ensino superior privado está reforçando ações para garantir mais recursos ao financiamento de estudantes junto ao governo federal, de olho na formatação de novas regras para o programa Fies a partir do próximo ano que estão sendo preparadas em um ambiente de restrição orçamentária.

A Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) divulgou nesta quarta-feira pesquisa com 1.000 pessoas de 18 a 30 anos em que espera usar como munição para convencer o governo federal a investir mais em educação.

A pesquisa, a primeira de uma série que a entidade está preparando sobre o setor, afirma que mais de 50 por cento dos jovens não têm condições de arcar com mensalidades e que 91 por cento esperam que o governo aumente recursos do fundo de financiamento estudantil, o Fies.

"Vamos encaminhar os resultados da pesquisa para o presidente (interino Michel Temer), para o Ministério da Educação e parlamentares de todo o Brasil", afirmou o presidente da Abmes, Janguiê Diniz, também presidente da Ser Educacional. "O governo não pode restringir ou cortar orçamento na área educacional, que é o motor do desenvolvimento do país", acrescentou.

A pesquisa foi divulgada depois que Temer anunciou em meados de junho abertura de 75 mil vagas para o Fies no segundo semestre, após oferta de 250 mil na primeira metade do ano, das quais 115 mil não foram preenchidas.

Segundo a pesquisa da Abmes, realizada em parceria com o Instituto MDA, de Minas Gerais, cerca de 30 por cento dos entrevistados gostariam de cursar Medicina, Direito ou Engenharias, enquanto a prioridade de alocação de recursos do Fies é para vagas de medicina e engenharias.

"Tem quantidade significativa de jovens que não está conseguindo financiamento para estudar o que quer", disse Diniz.

Segundo ele, as 75 mil vagas anunciadas pelo governo para o segundo semestre não são suficientes para as necessidades da população e para ajudar o país a cumprir as metas do Plano Nacional de Educação.

Um dos objetivos do PNE, em que o financiamento federal é tido como importante alavanca, é elevar a taxa bruta de matrícula no ensino superior até 2024 para 50 por cento da população de 18 a 24 anos. "Se tiver 200 mil vagas de Fies por ano, em 2024 vamos atingir apenas 23 por cento", disse Diniz, acrescentando que apenas 17 por cento dos jovens do país estão cursando universidade atualmente.

Na semana passada, o ministro da Educação, Mendonça Filho, afirmou que o governo Temer tem interesse em ampliar a oferta de vagas do Fies em 2017 e que a formatação do programa para o próximo ano está sendo discutida junto a bancos e instituições financeiras privadas para garantir sua sustentabilidade no médio e longo prazo.

Chamado pelo ministro de "Fies Turbo", o plano teria como objetivo oferecer pelo menos 220 mil vagas de Fies em 2017.


Conteúdo Relacionado

Áudios

Áudio: Mais da metade dos jovens depende de programas do governo para cursar universidade

Data:20/07/2016

Descrição:

Diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, concede entrevista à CBN sobre pesquisa que revela que 17% da população que deveria estar na universidade na faixa etária de 18 a 24 anos consegue entrar em um curso superior

Download

Áudio: Entrevista do presidente da ABMES, Janguiê Diniz

Data:22/07/2016

Descrição:

Em entrevista Janguiê Diniz, Presidente da ABMES, diz sobre a pesquisa em que metade dos jovens com ensino médio querem fazer faculdade, mas não tem como pagar as mensalidades.

Download

Notícias

Faculdades questionam viabilidade do Fies

Pesquisa da ABMES com 1 mil pessoas entre 18 e 30 anos e ensino médio completo mostra que 78,9% dos jovens têm interesse em ingressar no ensino superior, mas 50,5% disseram não ter condições para pagar

Metade dos jovens depende de programas do governo para cursar universidade

Para diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, programa de financiamento estudantil beneficia mais o país, em última instância, do que instituições privadas de ensino

63,2% dos jovens aprovam nota mínima como exigência para o Fies

Os jovens que estão fora das universidades e ainda têm interesse em ingressar no ensino superior aprovam a maior rigidez de regras para o acesso ao Fies, como a exigência de nota mínima de 450 pontos no Enem. Segundo pesquisa encomendada pela Abmes, 63,2% acha que a nota mínima deve permanecer e 17,8% disse que ela deve aumentar

Mais de 50% dos jovens que querem cursar faculdade dependem do governo

Mais da metade dos jovens brasileiros que querem cursar o nível superior no país não tem dinheiro para pagar por sua formação e, portanto, contam com programas sociais de incentivo a educação superior do governo, como o Fies e o ProUni