Detalhe

Crédito para educação é destravado no Congresso

19/10/2016 | Por: Valor Econômico | 820
Alan Marques;/Folhapress As instituições de ensino superior pedem que o pagamento das parcelas em atraso do Fies seja feito até o próximo mês. "Esperamos que os repasses e recompras sejam efetuados até novembro, com reajuste", disse Janguiê Diniz, presidente da Associação Brasile

Após cinco tentativas frustradas por falta de quórum, a base do governo se mobilizou e deputados e senadores finalmente compareceram ao Congresso Nacional para aprovar o projeto que liberou crédito suplementar de R$ 1,1 bilhão para o Ministério da Educação. Com a aprovação, as faculdades começarão a receber recursos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) em, no máximo, uma semana, segundo o ministro da Educação, Mendonça Filho, que esteve no Congresso para acompanhar de perto a votação.

Do montante, R$ 702,5 milhões serão destinados a destravar a renovação de contratos do Fies, que poderão ser feitos de forma retroativa.

Os pagamentos estavam atrasados desde julho e quase dois milhões de estudantes que dependem do Fies estavam sob risco de não conseguir concluir o ano letivo e garantir a matrícula do ano que vem. 

Os parlamentares precisavam aprovar o projeto que autoriza o repasse para a quitação de uma dívida com a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, agentes financeiros do programa estudantil. No âmbito do MEC, a suplementação de outros R$ 400 milhões garantirá a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). 

Questionado sobre quando o dinheiro começará a pingar na conta das universidades, Mendonça Filho afirmou: "Imediatamente. O que nós vamos aguardar é tão somente o processo burocrático e a sanção do presidente [...]. É coisa de curtíssimo prazo, de uma semana no máximo." Como Temer está em viagem oficial ao Japão, Mendonça Filho disse que conversará com o presidente em exercício, deputado Rodrigo Maia (DEM­RJ), presidente da Câmara, para que sancione a lei que liberou o crédito "tão logo chegue ao Palácio do Planalto". Segundo ele, "a parte burocrática" necessária para a liberação "está sendo adiantada".

No entanto, o prazo de uma semana informado pelo ministro não deve ser cumprido ao pé da letra. Isso porque os alunos levam entre 15 e 30 dias para conseguir renovar seus financiamentos estudantis, uma vez que o processo demanda cadastramento no site do MEC, envio de documentação para bancos, entre outros.

As instituições de ensino superior pedem que o pagamento das parcelas em atraso do Fies seja feito até o próximo mês. "Esperamos que os repasses e recompras sejam efetuados até novembro, com reajuste", disse Janguiê Diniz, presidente da Associação Brasileira das Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), que acompanhou pessoalmente a votação no Congresso. Segundo Janguiê, muitas faculdades não estão pagando o salários de professores e funcionários devido ao atraso de quatro meses do Fies. Normalmente, as renovações dos financiamentos estudantis são feitas em julho e agosto. 

O diretor ­executivo do Semesp, sindicato do setor, Rodrigo Capelato, destacou que a mudança no calendário de pagamentos das parcelas do Fies é extremamente importante porque as faculdades, principalmente de menor porte, estão com problemas de fluxo de caixa. "Depois de uma longa espera e de votações que não atingiram quórum, a decisão de hoje foi uma grande vitória para o setor de ensino superior e para os alunos de todo o Brasil", disse Capelato.

Há duas semanas, após ver frustrada a tentativa de votação em uma sessão do Congresso que se arrastou pela madrugada, o governo chegou a vislumbrar a edição de uma medida provisória para autorizar o repasse. Mas o Palácio do Planalto demonstrou temor em encampar a operação e incorrer em ilegalidades similares às que embasaram o impeachment da expresidente Dilma Rousseff. O presidente do Congresso Nacional, o senador Renan Calheiros (PMDB­AL) chegou a ir a público defender a MP, mas recuou junto com o governo. Ontem, demonstrou disposição para encerrar a polêmica: marcou sessão para as 11h e anunciou que, se necessário, levaria os trabalhos até a madrugada, mas que o projeto do Fies seria votado impreterivelmente. Após a manutenção de três vetos presidenciais, Renan inverteu "de ofício" a pauta, sem consultar o plenário, para apreciar a proposta de imediato. Na votação em si, não houve surpresa: como a proposta era consenso entre todos os parlamentares, foi aprovada simbolicamente. 

Em relação aos vetos, o Congresso confirmou a decisão presidencial de barrar o reajuste dos salários dos defensores públicos federais. "O projeto contempla, para anos seguintes, percentuais muito superiores aos demais reajustes praticados para o conjunto dos servidores públicos", justificou Temer em seu veto. Outro veto mantido reajustava os salários de diversas carreiras, como a de servidores da Superintendência da Zona Franca de Manaus. Trechos que criavam cargos de provimento efetivo em diversos órgãos federais foram vetados por Temer. 


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Liberação de recursos ao Fies permitirá renovações de contratos do 2º semestre de 2016

O Congresso Nacional aprovou terça-feira, 18, o projeto de Lei n º 08 (PLN 08/2016) que libera recursos suplementares de R$ 702,4 milhões ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). O texto aprovado foi sancionado horas depois pelo presidente interino da República, Rodrigo Maia.

Legislação

LEI Nº 13.349, DE 18 DE OUTUBRO DE 2016

Abre ao Orçamento Fiscal da União, em favor do Ministério da Educação e de Operações Oficiais de Crédito, crédito suplementar no valor de R$ 1.103.400.627,00, para reforço de dotações constantes da Lei Orçamentária vigente.


Notícias

Sancionada lei que libera recursos para o Fies e Enem

A Lei Nº 13.349/2016 foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (19). A sanção ocorreu poucas horas depois de ser aprovada pelo Congresso Nacional

Sancionada lei que libera recursos para o Fies e Enem

A Lei Nº 13.349/2016 foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (19). A sanção ocorreu poucas horas depois de ser aprovada pelo Congresso Nacional

Fies recebe crédito extra e abre inscrições para renovar contrato

em entrevista para o Bom Dia Brasil, o presidente da ABMES, Janguiê Diniz, comemorou, mas disse que espera receber os atrasados com correção monetária

Fies recebe crédito extra e abre inscrições para renovar contrato

em entrevista para o Bom Dia Brasil, o presidente da ABMES, Janguiê Diniz, comemorou, mas disse que espera receber os atrasados com correção monetária

Maia sanciona projeto que libera crédito para o Fies

"Espero que o governo acelere a liberação, porque o prejuízo já é grande para as instituições. Muitas recorreram a empréstimos em bancos e estão pagando juros”, disse Janguiê Diniz, presidente da ABMES

Maia sanciona projeto que libera crédito para o Fies

"Espero que o governo acelere a liberação, porque o prejuízo já é grande para as instituições. Muitas recorreram a empréstimos em bancos e estão pagando juros”, disse Janguiê Diniz, presidente da ABMES

Congresso aprova recursos para o Fies; texto é sancionado pela Presidência

O presidente da ABMES, Janguiê Diniz, afirma que a decisão do Congresso representou um alívio, mas que mesmo assim haverá perdas para instituições

Congresso aprova recursos para o Fies; texto é sancionado pela Presidência

O presidente da ABMES, Janguiê Diniz, afirma que a decisão do Congresso representou um alívio, mas que mesmo assim haverá perdas para instituições