Detalhe

Reitores e coordenadores de cursos de medicina se reúnem no Inep para conhecer a Anasem

13/09/2016 | Por: Inep | 866

Cerca de 250 reitores de instituições de ensino superior e coordenadores de curso de graduação em medicina se reuniram nesta terça feira, 13, no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) para conhecer detalhes da Avaliação Nacional Seriada dos Estudantes de Medicina (Anasem). O exame foi previsto na Lei 12.871, de 22 de outubro de 2013, que instituiu o Programa Mais Médicos, e será aplicado pela primeira vez em 9 de novembro de 2016, inicialmente a estudantes do 2º ano dos cursos de medicina.

Na abertura do evento, a presidente do Inep, Maria Inês Fini, destacou que o formato final da Avaliação que será aplicada este ano traz algumas evoluções em relação à primeira proposta instituída em 1º abril pelo Ministério da Educação (MEC). "A Anasem foi concebida a princípio como um instrumento único, integrado ao Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos no Exterior, o Revalida. Porém, o MEC e o Inep decidiram rever essa decisão e, em 25 de agosto, foi publicada uma Portaria determinando que a Anasem seja somente um instrumento articulado ao Revalida, mas independente tanto em seus objetivos quanto na sua aplicação e metodologia", explicou.

Maria Inês enfatizou ainda que os resultados da avaliação poderão servir de referencial de qualidade do ensino médico e se constituir em modalidade única ou complementar aos processos de seleção para Residência Médica. "Isso também representa uma evolução em relação à primeira versão da Portaria que criou o Anasem, uma vez que não fica mais obrigatório que os resultados da avaliação sejam utilizados para subsidiar processos de seleção em residência médica", afirmou a presidente do Inep.

Ela também esclareceu que outra modificação importante é a determinação de que a responsabilidade pela inscrição na Anasem compete às Instituições de Ensino Superior - IES. "Na primeira versão da Portaria, publicada em abril, cabia aos estudantes habilitados fazer esse procedimento. Porém, a participação na Avaliação é um componente curricular obrigatório para a obtenção dos diplomas dos cursos de medicina", declarou Maria Inês.

Anasem 2016 – O processo de formação dos estudantes é o foco da nova Avaliação para estudantes de medicina. Serão considerados os conhecimentos, as habilidades e as atitudes desenvolvidas durante a graduação, tendo como referência as Diretrizes Curriculares Nacionais desses cursos. Para sua gestão, o Inep, responsável pela avaliação, constituirá um Comitê Técnico de Avaliação da Formação Médica.

As provas da primeira edição da Anasem serão realizadas das 13h às 19h (horário de Brasília), no dia 9 de novembro, nas próprias instituições onde o curso é oferecido. Haverá 60 questões de múltipla escolha e três itens discursivos. As inscrições devem ser realizadas pelas IES de 15 a 20 de setembro, no portal do Inep.


Conteúdo Relacionado

Áudios

Áudio: Em entrevista à rádio Estadão, Gabriel Mario Rodrigues comenta o programa Mais Médicos

Data:09/07/2013

Descrição:Em entrevista à Rádio Estadão, Gabriel Mario Rodrigues, presidente da ABMES fala sobre o programa Mais Médicos, que acrescenta dois anos na formação médica e torna obrigatória a prestação de serviços no Sistema Único de Saúde (SUS).

Download

Legislação

PORTARIA NORMATIVA Nº 15, DE 22 DE JULHO DE 2013

Fica instituída a Política Nacional de Expansão das Escolas Médicas das Instituições Federais de Educação Superior - IFES, com respaldo no Art. 2º, I da Medida Provisória nº 621, de 8 de julho de 2013, no âmbito do Programa Mais Médicos, com os seguintes objetivos:


PORTARIA INEP Nº 483, DE 08 DE SETEMBRO DE 2016

Dispõe sobre a Avaliação Nacional Seriada dos Estudantes de Medicina (Anasem) 2016.


Notícias

Vagas de medicina aumentam após Mais Médicos, mas efeito é incerto

Folha de S.Paulo: Em entrevista o diretor da ABMES, Sólon Caldas, comenta sobre a expansão do programa Mais Médicos

Cursos de Medicina não podem ser mais criados no Brasil; qual é o verdadeiro motivo?

Quero Bolsa: Sólon Caldas, diretor-executivo da ABMES, não existem justificativas plausíveis para a aprovação da portaria, visto que o único a ser prejudicado futuramente é a própria população brasileira

Abertura de faculdades no interior de Minas Gerais gera empregos

O Tempo: O levantamento de 2014 considerou municípios de até 50 mil habitantes com unidades privadas de até 3.000 alunos. No entanto, na avaliação do diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, a proporção ainda é atual.

Governo suspende criação de novos cursos de medicina. Quem perde: só as faculdades ou a sociedade?

Gazeta do Povo: para a ABMES, a portaria do MEC, como está, pode levar a uma defasagem de até duas décadas para que novas instituições se vejam habilitadas a colocar profissionais no mercado

Suspensão de criação de cursos de medicina tem sido alvo de críticas

A Tarde: Para a ABMES, a medida do MEC não possui justificativas plausíveis que respaldem a decisão, segue na contramão das necessidades brasileiras, além de possuir equívocos legais e ignorar aspectos relevantes da regulamentação da educação superior

MEC quer proibir novos cursos de medicina. Mas o Brasil tem mais médicos do que precisa?

Órgão justifica decisão a partir da necessidade de diagnosticar e melhorar a qualidade dos cursos existentes; país ainda diploma menos profissionais do que europeus

Projeto define regras mais rígidas para formação médica

A avaliação dos cursos de graduação terá visita obrigatória de comissão de especialistas, com periodicidade trienal

TCU permite criação de 2.460 vagas para cursos de medicina

Ampliação das vagas é parte do programa Mais Médicos. Para ministro Vital do Rêgo, é urgente a implantação de ações que visem a suprir a carência de médicos em muitos municípios do Brasil