Detalhe

Quem são os egressos do Ensino Superior ?

01/02/2017 | Por: Linha Direta | 3124
Agência Brasil

O perfil dos egressos da Educação Superior no Brasil entre os anos de 2015 e 2016 acaba de ser traçado em recente estudo realizado pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) em parceria com a Educa Insights, considerando informações do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), do Censo da Educação Superior 2015 e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), além de trazer dados inéditos coletados em pesquisa primária.

De acordo com o levantamento, a maioria dos egressos do País vêm da classe B2C. Oriundos de escolas públicas, têm mais de 25 anos de idade e são solteiros. Em sua maior parte (78%), eles são os primeiros formados na família. Além disso, a pesquisa identificou que, se até 2014 os egressos eram, em sua maioria, do sexo feminino (59%), nos últimos dois anos essa taxa passou para 50%.

Já no que se refere à média do período de conclusão, de 2010 a 2015, apenas 42% dos ingressantes finalizaram seus cursos. O dado foi considerado pela ABMES como um fator preocupante, ao indicar o número elevado (58%) de alunos que estão demorando mais que o tempo médio de conclusão do curso ou, simplesmente, abandonando a graduação.

Ao comparar a taxa de retenção entre as instituições de Educação Superior pública e privada, o estudo apontou que 18% ingressam em IES pública, enquanto 82%, em IES privada. Já do total de concluintes, 20% egressaram de IES pública, enquanto 80% de IES particular. Ao dividir o País por regiões, 49% dos concluintes do Ensino Superior se concentram na Região Sudeste. A menor porcentagem (7%) é da Região Norte. Apesar disso, a pesquisa aponta que as regiões com maior taxa de penetração – número de matrículas totais de 2015 dividido pela população de 18 a 24 anos – estão no Centro-­Oeste e Sul do País (42% cada). O Sudeste ocupa o terceiro lugar no ranking, com 38% da taxa de penetração.

Ainda foi realizada a comparação dos perfis dos alunos concluintes e dos não concluintes em 2015 e 2016. Dos alunos concluintes, 66% pagam a própria mensalidade; 32% vão para a IES de carro ou moto própria; 70% saem do local de trabalho e vão para a IES; e 25% ingressam no Ensino Superior logo após concluírem o Ensino Médio. Segundo o levantamento, na média, 70% dos concluintes já estagiavam ou trabalhavam quando prestaram o Enade.

Dos não concluintes, 59% pagam a pró­ pria mensalidade; 20% vão para a IES de carro ou moto própria; 67% saem do local de trabalho e vão para a IES; e 37% ingressaram no Ensino Superior logo após concluírem o Ensino Médio.

Em outra análise, o estudo apontou também que, dos alunos concluintes, 75% levaram mais de um ano para iniciar uma graduação. Essa porcentagem diminui entre aqueles que estão nos períodos iniciais, atingindo uma taxa de 63%. Segundo a ABMES, “esse dado pode ser explicado pela tomada de decisão do curso e instituição de ensino de forma mais madura pelo aluno que levou mais tempo para ingressar no Ensino Superior”.

O FIES NA FORMAÇÃO DE NÍVEL SUPERIOR

No que se refere ao programa social do governo federal, o Fies, segundo a pesquisa, os novos contratos do Financiamento passaram a ter uma expansão mais agressiva a partir de 2012. Em 2015, quase 22% dos alunos egressos estavam no programa. Segundo a ABMES, esses alunos ingressaram por meio do Fies em 2012, ano com aumento significativo do número de vagas em relação a 2011, e começaram a concluir seus cursos há dois anos. Em 2010, o Fies contava com 76 mil novos contratos e aumentou de forma agressiva, chegando, no seu auge, a ofertar 731 mil novos contratos em 2014. Porém, a crise no País e as mudanças no Financiamento foram responsáveis pela queda do número de contratos em 2015, montante que foi reduzido para 315 mil. Ainda de acordo com a ABMES, estima-se que, para os próximos anos, a representatividade do Fies aumente no volume de concluintes, dada a larga expansão que o programa teve entre 2012 e 2014.

VALE A PENA FAZER UM CURSO SUPERIOR?

No estudo realizado pela ABMES e a Educa Insights, aponta-se que finalizar o Ensino Superior traz real benefício ao estudante. Um desses ganhos, por exemplo, está relacionado à possibilidade de um melhor salário. De acordo com o levantamento, pessoas com nível superior completo chegam a ganhar de dois a cinco salários-mínimos, podendo o formado ganhar até mesmo mais que cinco salários-mínimos. De acordo com o diretor-presidente da ABMES, Janguiê Diniz, esse é o primeiro de uma série de estudos que a Associação irá realizar durante todo o ano de 2017 para oferecer informações que auxiliem o setor educacional no entendimento das principais necessidades do Ensino Superior brasileiro. A medida faz parte das ações estratégicas da Associação para o desenvolvimento da Educação Superior particular e, consequentemente, da melhoria da educação brasileira.


Conteúdo Relacionado

Notícias

Student Loans in Brazil: Investment or Expenditure?

Artigo assinado pelo vice-presidente da ABMES, Celso Niskier, juntamente com o diretor executivo, Sólon Caldas, e com a consulta internacional da Associação, Lioudmila Batourina, publicado em 13 de maio no site internacional "Inside Higher ED"

Para além das fronteiras

Internacionalização é foco da ABMES com o lançamento da 1ª Delegação ABMES Internacional - Russia Experience

Os efeitos das reformas governamentais na Educação Superior

Entenda como as alterações trabalhista, tributária e previdenciária impactarão o setor

Novos horizontes para o ensino superior

CBESP 10 provoca mantenedores e gestores a construir no agora a educação do futuro

Avaliação da Educação Superior

Revista Linha Direta: Análise do MEC mostra limitações em indicadores de qualidade

Novas diretrizes para o curso de direito

Propostas foram apresentadas em encontro organizado pela ABMES

O reconhecimento da informação

Premição valoriza a imprensa no incentivo à temática da educação brasileira na mídia

O reconhecimento da informação

Premição valoriza a imprensa no incentivo à temática da educação brasileira na mídia

Estudante de universidade pública custa 89% a mais que aluno Fies

A conclusão é resultado de levantamento realizado pela ABMES em parceria com a Educa Insights

Dúvidas sobre qualidade fazem aluno trocar faculdade pública por particular

Aprovados em vestibulares concorridos, como o da Uerj, não concluem ingresso por medo de encontrar estruturas precárias e corte de recursos

Celebrando consquitas

Em dia de confraternização, ABMES e Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular falaram sobre ações estratégicas para o avanço da educação no País

Aluno na universidade pública custa 90% mais do que no Fies

Notícia veiculada pela revista Veja aborda o levantamento feito pela ABMES que traça um paralelo dos gastos por aluno na educação pública superior com os investidos per capita no Fundo de Financiamento Estudantil

Aumenta número de alunos mais jovens no ensino superior

Segundo Sólon Caldas, diretor-executivo da ABMES, o que motivou essa inversão no perfil da idade dos alunos calouros foi o Fies, o programa de financiamento estudantil do governo federal

ABMES: Atitudes a favor da Educação Superior

Em entrevista à Linha Direta, o presidente da ABMES e secretário- executivo do Fórum, Janguiê Diniz, comentou sobre a nova sede e fez um balanço sobre as atividades da Associação ao longo de 2016

Alívio para para o ensino superior

Em entrevista à Linha Direta, o diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, comentou sobre a aprovação Projeto de Lei garante que recursos da União cheguem ao Fies