Detalhe

ABMES apresenta análise sobre Avaliação da Educação Superior em Seminário Internacional do Inep

31/10/2017 | Por: ABMES | 1322
ABMES

Para debater os desafios e os caminhos rumo ao aprimoramento da avaliação da educação superior no Brasil, o diretor-presidente da ABMES, Janguiê Diniz, participou nesta terça-feira (31), do Seminário Internacional “Avaliação da Educação Superior: características e perspectivas”, promovido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC), em Brasília/DF.

Na oportunidade, Diniz destacou que a Associação elaborou uma análise detalhada com os pontos positivos, negativos e sugestões para aprimoramento e aperfeiçoamento do sistema nacional de avaliação. O objetivo é contribuir para o debate com o Ministério da Educação (MEC) e com os órgãos envolvidos – Inep, Seres (Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior), SESu (Secretaria de Educação Superior) e CNE (Conselho Nacional de Educação).

Com a proposta de gerar uma reflexão crítica sobre o tema em diferentes frentes – as avaliações in loco de cursos de graduação e Instituições de Educação Superior (IES), o Exame Nacional de Avaliação de Desempenho de Estudantes (Enade) e os Indicadores de Qualidade da Educação Superior –, o seminário contou com aproximadamente 500 convidados, dentre agentes de educação superior e pesquisadores nacionais e internacionais, associações e gestores públicos e privados.

Durante a mesa redonda com o tema “O Papel do Enade e dos Indicadores na Indução da Qualidade na Educação Superior”, Janguiê Diniz reforçou que a Lei do Sinaes foi um ganho imenso para a educação superior brasileira, destacando a finalidade da avaliação das IES de melhorar a educação superior e servir de ferramenta de gestão.

“Não podemos negar o avanço que tivemos nestes últimos 13 anos desde a criação da legislação. As IES particulares não têm medo de serem avaliadas, e acreditamos que seja fundamental para induzir a qualidade. Mas reforço que a instrumentalização deve ser o resultado de um conjunto de modalidades avaliativas, nunca de resultados isolados. Não pode ser considerado um instrumento de controle e punição, mas de transformação e melhoria”, destacou.

Em resumo, Diniz apontou alguns pontos que precisam ser aprimorados nos processos de avaliação, frisando que é preciso o reconhecimento da diversidade, o respeito à regionalidade e à identidade de cada instituição, com a devida importância da avaliação in loco. Além disso, afirmou que a exposição de resultados isolados dos indicadores tem prejudicado as IES particulares, sem trazer melhorias para o setor, e propôs que a divulgação seja realizada em conjunto.

Paulo Barone, secretário da SESu, também participante do evento, reconheceu que ainda há muitos aspectos a serem melhorados no processo de avaliação das IES, considerando que os indicadores atuais não conseguem valorizar a produção acadêmica. Para ele, embora o Brasil tenha um sistema pesado e de alto custo, avaliação regulatória mínima não consegue fazer diferenciação da avaliação de alta performance, e não conseguimos alcançar uma melhora generalizada. Ele também apontou as falhas geradas a partir da não inclusão e envolvimento nas consequências dos resultados dos alunos no Enade.

Na mesma mesa redonda, o secretário da Seres, Henrique Sartori apontou também que o processo avaliativo precisa de instrumentos que melhorem o comprometimento dos alunos com o Enade e com sua formação. “A auto avaliação das IES precisa ser melhor aproveitada. Tem havido um foco excessivo nos resultados do Enade”, complementou. Para ele, a regulação precisa de indicadores diversificados e específicos para suas decisões de modo a cumprir o disposto na Lei do Sinaes, que define que a avaliação deve ser o referencial básico.

Nesta mesma linha, e destacando que os indicadores de avaliação precisam ser aprimorados, Antônio Carbonari, conselheiro do CNE, observou que as medidas e os caminhos da avaliação não estão eficientes, e geram o chamado “custo MEC”. "O sistema é custoso, sem que isso represente em qualidade. Mas isso acaba recaindo sobre os alunos", destacou. 


Conteúdo Relacionado

Legislação

PORTARIA MEC Nº 315, DE 04 DE ABRIL DE 2018

Dispõe sobre os procedimentos de supervisão e monitoramento de instituições de educação superior integrantes do sistema federal de ensino e de cursos superiores de graduação e de pós-graduação lato sensu, nas modalidades presencial e a distância.

 


Notícias

Prorrogadas, inscrições do Fies para o segundo semestre podem ser feitas até terça-feira, 24

Poderão ser financiados os cursos de graduação com conceito maior ou igual a três no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) ofertados pelas instituições de ensino superior participantes do Fies

Seminário internacional discute avaliação de cursos e instituições

Outros destaques da programação são as mesas redondas Avaliação em larga escala na educação superior no Brasil

Análise do diretor presidente da ABMES sobre o papel do Enade

O tema será abordado durante o seminário do Inep, em Brasília/DF. Diniz participará de Mesa Redonda 4 - O papel do Enade e dos Indicadores na Indução da Qualidade na Educação Superior

Inep promove Seminário Internacional de Avaliação da Educação Superior em 30 e 31 de outubro

O evento científico faz parte de um ciclo de três seminários internacionais em comemoração aos 80 anos de fundação da autarquia