Detalhe

Governo lança Novo Fies, com 310 mil vagas

07/12/2017 | Por: O Globo | 741

Cinco meses depois de anunciado, o Novo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) foi sancionado pelo presidente Michel Temer. Lançado nesta quinta-feira, o programa terá 310 mil vagas, sendo 100 mil a juro zero para estudantes com renda familiar mensal de até três salários mínimos. Estes pagarão o débito com o governo diretamente do salário, em uma espécie de crédito consignado.

O Fies passou por uma reestruturação. No ano passado, o prejuízo foi de R$ 32 bilhões. O MEC, que alfinetou a gestão de Dilma Rousseff, na qual Temer era vice-presidente, admite que o programa tinha risco de acabar. Em julho, quando a inadimplência no Fies era de cerca de 45%, o governo havia feito cerimônia para anunciar que enviaria ao Congresso uma medida provisória sobre o tema. Ela foi aprovada no mês passado.

Na modalidade para estudantes com renda familiar mensal de até três salários mínimos, com 100 mil vagas a juro zero — portanto, somente corrigida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) —, o aluno começará a pagar as prestações de até 10% de sua renda mensal, diretamente do salário.

Processo semelhante já ocorre com o FGTS, que é retirado da folha de pagamento automaticamente. Se antes a carência para o começo da quitação da dívida era de 18 meses após a formatura, a partir de agora, para o início do pagamento, basta ao aluno formado conseguir o primeiro emprego formal.

O Palácio do Planalto chegou a consultar a Receita Federal para um possível abatimento da dívida estudantil do imposto de renda, a exemplo do que acontece na Austrália, mas as conversas não evoluíram. A verba para essa faixa virá do Tesouro Nacional. As universidades particulares terão risco de crédito.

O programa, que abrirá inscrições no ano que vem, terá como fontes de recursos os fundos constitucionais regionais, e será ofertado a alunos com renda familiar mensal de até cinco salários mínimos. São exigidos no mínimo 450 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os bancos terão risco de crédito.

60 mil vagas serão ofertada para o a faixa III do, com taxa de juros variável, também para estudantes com renda familiar por mês de até cinco salários mínimos. Desta vez, os recursos virão do BNDES e dos fundos de desenvolvimento regionais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste. 


Conteúdo Relacionado

Eventos

ABMES Regional - RS| Nova Regulamentação da EAD e o novo Fies - o que muda para as IES

17/10/2017

Hora:9h às 12h (seminário) / 9h às 15h (atendimento Seres/MEC)

Notícias

Cresce concorrência no crédito estudantil

Grandes bancos esperam por um aumento expressivo na demanda por esse tipo de financiamento

Primeira reunião do Comitê Gestor do Fies discute a política de oferta de financiamento

O Novo Fies determina que, a partir do próximo ano, o financiamento vai garantir 310 mil vagas e terá três modalidades de contrato

Temer sanciona nova lei do Fies com dois vetos

A sanção, agora publicada no Diário Oficial da União (DOU), havia sido anunciada nesta quinta-feira, 7, em cerimônia no Palácio do Planalto

ABMES debate mudanças no Fies com setor da educação superior cearense

Evento promovido pelo Sinepe-CE contou com a presença de representantes das IES da capital e municípios circunvizinhos

Sólon Caldas: MP 785 - o fim do Fies e do sonho da educação superior

Folha de S.Paulo | Em artigo, o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, fala sobre as alterações no Fundo de Financiamento Estudantil

Desistências e desligamentos aumentam nas universidades brasileiras

Número de vagas ociosas cresce 36% em cinco anos. Alunos desistentes ou desligados pela instituição comandam alta na evasão, que coincide com incertezas nos programas de crédito

Ensino superior privado reforça críticas ao Novo Fies após aval do Senado

Reuters: Embora o juro real seja zero na Faixa 1, Caldas criticou o fato de o financiamento ser corrigido pelo INPC, que pode variar mais ou menos que a taxa de juro fixa de 6,5 por cento ao ano cobrada na versão anterior do Fies

Reforma do Fies é aprovada pelo Senado Federal

O novo Fies será dividido em três modalidades e terá o risco de inadimplência dividido com universidades e bancos