Detalhe

Ensino superior volta a crescer no país, mas só na modalidade a distância

20/09/2018 | Por: Folha de S.Paulo | 282
Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

O número de alunos matriculados no ensino superior aumentou 3% em 2017, após estagnação no ano anterior. O crescimento, no entanto, só ocorreu na modalidade a distância. Com isso, o setor ainda não retomou o ritmo anterior à crise econômica.

Entre 2007 e 2014, o total de matrículas em faculdades e universidades nas duas modalidades crescia, em média, 6% ao ano.

Os dados são do Censo da Educação Superior de 2017, divulgado pelo MEC (Ministério da Educação) nesta quinta-feira (20).

No ano passado, o país tinha 8,3 milhões de alunos em cursos de nível superior (presencial e a distância), contra 8,05 milhões em 2016. 

O número total de ingressantes (novos alunos) teve um crescimento de 8% em relação a 2016, foram 3,2 milhões a mais.

O aumento, porém, foi puxado pelos cursos à distância, em que o número de matrículas cresceu 17,6% de 2016 para 2017, maior alta desde 2008. O total de ingressantes na modalidade também disparou, com 27% de crescimento —enquanto nos cursos presenciais, o acréscimo foi apenas de 0,5%.

A modalidade a distância tem registrado expansão nos últimos anos e já representa 21,2% do total de alunos —em 2007, era apenas 7%. 

O número de matriculados na rede privada também voltou a crescer em 2017, após queda de 0,2% registrada no ano anterior, na esteira da crise econômica, desemprego e enxugamento do Fies (programa de Financiamento Estudantil), promovido nos governos Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB). 

O total de alunos das instituições particulares, que concentram 75% do total de matrículas no ensino superior, passou de 6,05 milhões para 6,2 milhões —um aumento de 3%.

Outro índice que teve leve aumento neste levantamento foi o da quantidade de alunos que se formaram. De 1,16 milhão de concluintes em 2016 para 1,19 milhão em 2017, considerando as modalidades presencial e a distância.


Conteúdo Relacionado

Áudios

Áudio: Número de alunos que ingressam no Ensino Superior tem alta de 8% em 2017

Data:20/09/2018

Descrição:

CBN: Em entrevista à CBN o diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior, Sólon Caldas, afirma que os cursos a distância são mais baratos e atraem um perfil diferente de alunos

Download

Notícias

Mais universitários na rede privada

Correio da Paraíba:Em entrevista ao Correio da Paraíba, Sólon Caldas, o diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior (ABMES), comenta o cenário do crescimento da modalidade EAD

Estado ganha mais polos de educação a distância

Gazeta Online: Em entrevista, o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, explica que o aumento expressivo do ensino a distância é uma tendência mundial

Número de alunos que ingressam no Ensino Superior tem alta de 8% em 2017

CBN: Em entrevista à CBN o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, afirma que os cursos a distância são mais baratos e atraem um perfil diferente de alunos

Crise impulsiona matrículas em cursos do ensino a distância

Estadão: Matéria aponta que, em 2017, a EAD passou a atender 21,2% dos graduandos do país. O texto traz fala do diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, afirmando que esse crescimento apenas posterga o problema de expansão do ensino superior

Fies tem redução de 12% e deixa de beneficiar 155 mil alunos em um ano

Dados são do Censo da Educação Superior divulgados pelo governo nesta quinta-feira

Direito, pedagogia e administração são cursos mais procurados

Juntos, respondem por 27,4% das matrículas no ensino superior

Aumento das matrículas na graduação a distância é o maior desde 2008, aponta censo

G1: Dados do Censo da Educação Superior 2017 divulgados nesta quinta-feira (20) mostram que, entre 2016 e 2017, o número de alunos de EAD cresceu 17,6%

#ABMESINFORMA

04/11/2016

Sugestões - Sistema de Coleta do Censo 2017

ABMES encaminha para conhecimento de todos comunicado do Inep sobre a discussão do novo sistema de coleta de dados do Censo – Censup 2017. As contribuições podem ser enviadas até o dia 11 de novembro