Detalhe

Menos da metade dos contratos do Fies foram firmados este ano

29/11/2018 | Por: CNT Jornal | 452

Levantamento realizado pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) apontou que apenas ¼ dos contratos de financiamento estudantil (Fies) foram firmados este ano.

Com o estudo, alguns dos principais problemas que afetaram o programa foram a crise econômica e o corte de recursos e restruturações feitas no Fies. O levantamento ainda aponta que mesmo com a promessa de incluir 310 mil novos alunos em 2018, apenas 80,3 mil contratos foram efetivados, número equivalente a cerva de 26% da meta.

O relatório aponta que nem as 100 mil vagas da modalidade governamental, com juros zero, conseguiram ser preenchidas, sobretudo ao alto grau de exigência das regras.

Com relação a modalidade P-Fies, que funciona com recursos de fundos constitucionais e de desenvolvimento, além de bancos privados, apenas 500 contratos foram efetivados.

O Fies foi criado em 1999 e no ano de 2010 teve grande aderência quando os juros caíram para 3,4% a.a. Em 2015 medidas mudaram o programa e desde então, os financiamentos estão cada vez mais diminuindo.

Confira a matéria na íntegra:


Conteúdo Relacionado

Áudios

Áudio: Novo Fies - entenda na prática a operacionalização financeira definida pela Caixa (Debate)

Data:04/07/2018

Descrição:

Áudio com o debate ocrrido durante o Seminário ABMES | Novo Fies - entenda na prática a operacionalização financeira definida pela Caixa, realizado em 3 de julho, na sede da Associação. 

Download

Notícias

Setor de ensino superior apresentará propostas para resgatar Fies

CNT Jornal: Matéria destaca dados apresentados pela ABMES apontando que, em 2018, o Fies registrou seu pior desempenho desde 2010

Coluna

Educação Superior Comentada | A nova face do Fies

Ano 5 - Nº 27 - 23 de agosto de 2017

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, faz uma avaliação das modificações ocorridas na nova regulamentação do Fies e que impactarão diretamente as instituições de ensino. Entre os destaques, ele menciona o crescimento de encargos tanto para as IES quanto para os estudantes