Detalhe

O Ministério da Educação estuda como flexibilizar o ensino superior privado

05/10/2019 | Por: O Sul | 429
Foto: Reprodução/ O Sul

O MEC (Ministério da Educação) estuda alternativas para flexibilizar a regulamentação das instituições privadas de ensino superior. Há cerca de um mês, ele criou uma proposta de decreto abrandando um leque de regras como exigir apenas uma análise documental, sem avaliação da qualidade dos cursos, para processos de credenciamento de novas instituições.

No entanto, esse projeto demandaria grandes mudanças regulatórias, o que fez o MEC colocá-lo em banho-maria. O documento chegou a circular entre representantes de grandes companhias do setor, segundo uma fonte. Logo após esse recuo, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, passou a oferecer, em diversas declarações públicas, a possibilidade de universidades particulares formalizarem uma iniciativa de autorregulação.

Rapidamente, as entidades que representam as instituições privadas abraçaram a ideia e já iniciaram grupos de trabalho para apresentar propostas ao MEC. Um dos pilares é a criação de agências independentes de “acreditação”, entidades autônomas já utilizadas nos Estados Unidos e na Europa. Porém, nessas regiões, tais agências são responsáveis apenas por questões envolvendo a qualidade do ensino, e não sobre a regulação, papel que continua sob responsabilidade do Estado.

Em discursos, Weintraub tem sinalizado carta branca para que todas as etapas regulatórias sejam realizadas sem ação estatal. O Semesp, sindicato do setor, defende que essas agências de acreditação tenham poder sobre temas referentes à qualidade dos cursos e também à regulação.

“O MEC fez um chamamento e nós vamos atender. Estamos analisando como isso pode ser feito, vamos procurar especialistas porque é algo novo no Brasil”, afirmou Hermes Figueiredo, presidente do Semesp.

“Vamos ver com o MEC o que podemos incluir na autorregulação: se apenas os indicadores de qualidade ou se será possível estender para as normas de regulação”, disse Sólon Caldas, diretor-executivo da ABMES, Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior. Ambos citam que os processos regulatórios são muito burocráticos, cujos prazos de credenciamento levam anos.

No entanto, segundo fontes, há certo ceticismo sobre a flexibilização no ensino superior tão alardeada pelo ministro. Isso porque passar o bastão para as agências de acreditação demandaria uma mudança brusca na legislação e esvaziaria a Seres, secretaria responsável pela regulamentação de ensino superior do MEC.

O presidente do Semesp admite que o MEC perderia poder ao passar a responsabilidade para as agências acreditadoras, mas que essas seriam obrigadas a prestar contas ao MEC. “O ministro possui um discurso para o público externo que não é retransmitido aos servidores da pasta”, observou uma fonte. Entre técnicos do MEC, há incerteza sobre qual a real proposta de Weintraub em razão dos dois movimentos em direção a uma política de desregulamentação.

Segundo o consultor Maurício Garcia há diversas empresas de acreditação nos EUA, mas elas só emitem certificados sobre a qualificação dos cursos superiores. O selo de acreditação mais procurado é o Title Four, que possibilita às instituições concederem financiamento estudantil. “Os Estados americanos são responsáveis pela regulação e em alguns casos é até mais complicado que no Brasil. O Departamento de Educação, espécie de MEC dos EUA, é quem regula as agências”, explicou Garcia.

Segundo uma fonte, o desejo de replicar o modelo americano já vem desde a gestão de Ricardo Vélez Rodríguez, antecessor de Weintraub no comando do MEC. O diretor-executivo do Semesp pontua que a mudança é um projeto de longo prazo – dificilmente ocorreria numa gestão de governo. “Mas precisa haver um primeiro passo”, disse. Na visão de uma fonte, esse é um processo de no mínimo oito ou dez anos.

A proposta de decreto na qual o MEC vinha trabalhando previa que o CNE (Conselho Nacional de Educação) perderia algumas atribuições para agilizar o trâmite burocrático, principalmente na abertura de cursos, cabendo a ele papel apenas recursivo.

No fim de 2017, o então ministro Mendonça Filho publicou o decreto 9.235, documento que abriu espaço para, entre outros desdobramentos, a expansão dos cursos a distância. Segundo uma fonte, a ideia inicial do MEC era aprofundar as desregulamentações criadas há três anos.


Conteúdo Relacionado

Legislação

RETIFICAÇÃO PORTARIA MEC Nº 501, DE 25 DE MAIO DE 2018

Estabelece o regulamento do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - Enade 2018.


EDITAL INEP/MEC Nº 40, DE 19 DE JUNHO DE 2018

Este Edital dispõe sobre as diretrizes, os procedimentos e os prazos do Enade 2018, a serem cumpridos pelas Instituições de Educação Superior (IES) e pelos estudantes habilitados a essa edição do Exame


Notícias

MEC estuda punição a aluno que tiver nota baixa no Enade

Estadão: Em entrevista, o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, comenta sobre o Enade

Ministério da educação estuda punir aluno que tirar nota baixa no Enade

IstoÉ: Em entrevista, o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, defende a inserção da nota do Enade no histórico escolar do aluno

Ministro afirma que estudantes com baixo desempenho no Enade 'não deveriam se formar'

G1: Em nota, o diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, comenta sobre o perfil dos estudantes e a metodologia do Enade

Enade aponta baixo desempenho de cursos em Minas

Estado de Minas: Em nota, o diretor presidente da ABMES Celso Niskier, comenta sobre a diferença de desempenho entre alunos concluintes

Só 3% dos cursos superiores particulares têm nota máxima em avaliação; federais têm 29%

Zero Hora: Em nota, o diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, comenta sobre o os resultados do Enade

Apenas 5,5% dos cursos avaliados no Enade 2018 tiveram nota máxima

Correio Braziliense: Em nota, o diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, comenta sobre a metodologia do ENADE

Enade: cursos de graduação na área de Administração Pública tiveram pior resultado entre os analisados em 2018

O Globo: Em nota, o diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, comenta sobre o desempenho das faculdades particulares no Enade

Só 3% dos cursos superiores particulares têm nota máxima em avaliação; federais têm 29%

Folha de S.Paulo: Em nota, o diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, comenta sobre o desempenho dos alunos no Enade

Inep oferece curso para profissionais de instituições de educação superior envolvidos no exame

As aulas são divididas em sete módulos, disponíveis em plataforma digital

Inep detalha como são calculados os Indicadores de Qualidade da Educação Superior

A portaria estabelece como será o cálculo dos indicadores e como as instituições de educação superior poderão se manifestar sobre a base de dados usada para os cálculos e, posteriormente, sobre a divulgação de resultados

Aberto prazo para verificação de acesso ao Sistema Enade pelas instituições

A prova do Enade 2019 será aplicada em 24 de novembro em todo o país

Publicado edital com regras e cronograma do Enade 2019

Deverão ser inscritos no exame os estudantes ingressantes e concluintes dos cursos que fazem parte das áreas avaliadas em 2019

Enade 2019: confira quais serão os cursos avaliados e data do exame

Prova será aplicada em 24 de novembro para avaliar 29 cursos de formação superior

Aplicativo do Inep auxilia avaliação in loco dos cursos de graduação e Instituições de Educação Superior

Por meio da ferramenta, Procuradores Institucionais e integrantes do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (BASis) têm acesso facilitado aos instrumentos que orientam a avaliação

Estudantes não dispensados têm prazo até dia 22 para recursos

O Inep está enviando mensagens eletrônicas, para todos os estudantes que têm direito à interposição de recursos

Comissão Técnica de Acompanhamento da Avaliação (CTAA) promove sua 136ª reunião ordinária

A reunião é a última instância de revisão dos relatórios de avaliação impugnados pelas Instituições de Educação Superior

Inep apresenta nova gestão em cerimônia de posse

Evento contou com a participação do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, e de outras autoridades ligadas à educação

Marcus Vinícius Carvalho Rodrigues é nomeado presidente do Inep

Professor participou da transição desde dezembro de 2018 e desde o início de janeiro atua no instituto na montagem de sua equipe

Ministro empossa secretários de Educação Superior e Básica como conselheiros do CNE

Ricardo Vélez Rodríguez deu posse a Mauro Luiz Rabelo, na Câmara de Educação Superior, e à Tânia Leme de Almeida, na Câmara de Educação Básica

Inep capacitará responsáveis pelo preenchimento do Censo da Educação Superior 2018

Treinamento a distância será realizado por meio da plataforma Moodle

Publicados relatórios de alunos em situação regular no Enade

A solicitação de dispensa de prova por parte do estudante deve ser feita, exclusivamente, pelo Sistema Enade

Coluna

Educação Superior Comentada | A edição 2018 do Enade

A Coluna Educação Superior Comentada desta semana fala sobre a regulamentação para a edição 2018 do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), que tem como objetivo aferir anualmente o desempenho dos estudantes, mediante a adoção de ciclo trienal, de modo que em cada ano do ciclo, um grupo de cursos seja submetido ao processo de realização do exame

Educação Superior Comentada| A edição 2019 do Enade

Na edição desta semana, Gustavo Fagundes fala sobre os principais pontos da Portaria nº 828/2019 que traz a regulamentação inicial da edição do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) de 2019. O especialista ressalta as novidades implementadas pelo texto e destaca que serão publicadas em breve as portarias que delimitam os conteúdos de formação geral e específico e o edital com prazos e procedimentos essenciais para a realização do exame

Educação Superior Comentada| Prazos e procedimentos do Enade 2019

Na edição desta semana, Gustavo Fagundes apresenta as principais informações trazidas pelo Edital n° 43/2019, que torna públicas as diretrizes, procedimentos, prazos e demais aspectos relativos à realização do Enade 2019. O objetivo do especialista é complementar a edição n° 13 de sua coluna, que também tratou sobre o Exame, para que não restem dúvidas acerca dos aspectos essenciais do Enade 2019

Educação Superior Comentada| Necessidade de reflexão acerca do Enade

Na edição desta semana, Gustavo Fagundes convida todos para uma reflexão sobre alguns aspectos do Enade. Segundo o especialista, compreendendo a relevância do exame, seu objetivo é estimular o debate sobre as premissas que orientam a sua aplicação, de forma a assegurar a evolução desse procedimento avaliativo, garantindo a efetividade do atingimento de seus objetivos e a produção de dados confiáveis que permitam o aprimoramento das políticas públicas para a educação superior