Detalhe

Pesquisa aponta que falta de dinheiro trava acesso ao ensino superior

26/04/2017 | Por: Folha de Londrina | 1733
Anderson Coelho/12-4-2017 Número restrito de vagas nas universidades públicas reduz ainda mais a possibilidade de ingresso na graduação

A dificuldade financeira é o principal entrave para que alunos do ensino médio não deem continuidade aos estudos. É o que aponta pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes). Do total de estudantes entrevistados em quatro capitais do País, 70% afirmaram que não seguiram para a graduação porque não teriam condições de pagar as mensalidades de uma instituição particular. Outros 23% justificaram que não foram aprovados em uma universidade pública. Um total de 1,2 mil pessoas (entre pais, alunos do ensino médio e egressos) foram ouvidos em São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Porto Alegre. 

Para o diretor executivo da Abmes, Sólon Caldas, o resultado apenas confirma a dificuldade dos estudantes de ingressarem no ensino superior. Embora mais de 90% dos pais e alunos considerem importante fazer uma graduação, 62% dos pais responderam que adiariam os planos caso os filhos não conquistassem uma vaga em uma instituição pública. 

"Também ficou bastante evidente que o aluno acha importante cursar o ensino superior para conseguir um bom emprego e para atender uma exigência do mercado. De novo a questão financeira. No Brasil há uma inversão na educação superior, onde, normalmente, os melhores alunos do ensino médio particular vão para as universidades públicas e os alunos que precisam trabalhar para estudar é que vão para as instituições particulares e dependem do apoio do governo para poder bancar esse investimento", destacou. 

A falta de vagas nas universidades públicas reduz ainda mais a possibilidade de ingresso na graduação. De acordo com dados do último Censo da Educação Superior divulgado pelo Ministério da Educação, dos cerca de 8 milhões de estudantes matriculados em 2015, 6 milhões estavam em universidades particulares. Apenas 1,9 milhão frequentava as instituições públicas. "Há o limitador de vagas nas universidades públicas e há o limitador de recursos que o governo precisaria dispor para poder arcar com a abertura de novos campi, com a estrutura física necessária. Por conta disso, o investimento sairia muitas vezes maior do que o financiamento estudantil", ressaltou Caldas. 

A desigualdade na disputa pelas poucas vagas ofertadas nas universidades públicas exige muita persistência dos estudantes. Luana Ribeiro, de 21 anos, busca a aprovação no curso de Medicina. Ela sempre estudou na rede pública e contou que alguns conteúdos foram vistos pela primeira vez no cursinho pré-vestibular. A concorrência assusta, mas Luana disse estar confiante na vaga em uma universidade pública, já que, para ela, o financiamento está longe de ser um facilitador. "Não pensei em fazer particular. Mesmo com algum tipo de bolsa, ainda assim ficaria muito caro. As mensalidades custam entre R$ 6 mil e R$ 7 mil. Nem fui atrás porque fico pensando em como seria pagar tudo isso depois", considerou. "O governo deveria aumentar o repasse de verbas para as universidades públicas. Os cursos poderiam aumentar as vagas e mais gente teria acesso", completou. 

FINANCIAMENTO 
O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) informou que o número de contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) saltou de 76.155 (em 2010) para 109.524 (em 2017). No entanto, o auge ocorreu em 2014 com a assinatura de 732.681 contratos. 

Em nota, o Ministério da Educação ressaltou que não havia recursos suficientes para a oferta de vagas do Fies para o segundo semestre do ano passado. Ainda assim, foram criadas 75 mil novas vagas. Alterações no programa geraram economia para o governo federal e 150 mil novas vagas para o financiamento estudantil foram abertas no primeiro semestre deste ano. Após "rombos" identificados pelo Tribunal de Contas da União na utilização dos recursos, o Ministério da Fazenda deve concluir um estudo sobre o programa para que possa ser feito um projeto de reestruturação do Fies. Neste ano, a previsão orçamentária para custear os contratos é de R$ 21 bilhões. 


Conteúdo Relacionado

Notícias

Comissão de Educação vai discutir se ricos devem pagar por universidades públicas

O debate começa às 10 horas, no plenário 10, e estará aberto ao público por meio do canal e-democracia, no portal de internet da Câmara dos Deputados

Pesquisa ABMES: Levantamento revela que 70% dos jovens estão fora da faculdade por falta de dinheiro

Matéria veiculada no SBT Brasil cita que apenas 18% dos jovens brasileiros em idade universitária estão matriculados em cursos superiores

Pesquisa ABMES: Principais entraves para o acesso à Educação Superior ainda são aspectos financeiros

Estudo "Processo Decisório no Acesso à Educação Superior" revelou que, sem ingressar nas instituições públicas ou conseguir financiamento estudantil, jovens adiam o sonho da faculdade

Pesquisa ABMES: 76% dos jovens adiariam faculdade por falta de dinheiro ou bolsa

Sete em cada dez alunos do Ensino Médio gostariam de ingressar no Ensino Superior, mostra pesquisa. Assunto foi abordado em matéria do Jornal Estadão

Pesquisa ABMES: Fator financeiro ainda é a principal barreira para o acesso ao Ensino Superior

Sem conseguir ingressar nas instituições públicas; ter acesso ao financiamento estudantil ou emprego para arcar com a mensalidade, pais e alunos adiam sonho da faculdade