Detalhe

Mapa do Ensino Superior no Brasil mostra queda nas matrículas em licenciaturas

08/11/2017 | Por: Câmara Notícias | 1319

O diretor-executivo do Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp), Rodrigo Capelato, disse aos deputados da Comissão de Educação da Câmara nesta quarta-feira (8) que o Brasil corre o risco de ter um "apagão" de professores em um futuro próximo por causa da concentração de matrículas em cursos de bacharelado. Ele também criticou a falta de estímulos para a busca por cursos de graduação tecnológica como acontece em países mais desenvolvidos. 

Capelato fez sua apresentação com base nas informações do último Mapa do Ensino Superior no Brasil, estudo elaborado pela Semesp, que cita dados de 2015. Ele adiantou que os números de 2016 mostram estagnação dessa faixa educacional devido às crises econômica e do financiamento estudantil.

Hoje, cerca de 18,5% dos jovens entre 18 e 24 anos estão no ensino superior, quando a meta do Plano Nacional de Educação é de 33% até 2024. Países como Chile e Argentina já alcançam este percentual.

Em relação à falta de professores, Capelato explicou que 40% das matrículas estão concentradas nos cursos de Direito, Administração, Engenharia Civil e Enfermagem. Entre 2010 e 2016, os bacharelados cresceram 28%, enquanto as licenciaturas tiveram uma queda de 5%. Rodrigo Capelato sugeriu mudanças nos currículos:

"Sei que isso é bastante polêmico, mas não seria o caso de rever a obrigatoriedade de se exigir mais um ano de licenciatura da pessoa que fez um bacharelado na área de química, ou na área de história, de física; para ela poder lecionar na educação básica?”, indagou.

O deputado Átila Lira (PSB-PI) concorda com a necessidade de mudar a legislação: "Há sistemáticas que poderiam ser alteradas para aproveitar os bacharéis nas áreas de matemática, de física, de química. E através de uma formação complementar, em serviço, eles seriam habilitados para lecionar essas matérias."

Graduação Tecnológica
A situação dos cursos de graduação tecnológica, segundo Rodrigo Capelato, também é ruim porque eles respondem por apenas 8,5% do total de matrículas.

"São cursos com duração um pouco menor que os bacharelados. Eles têm de 2 a 3 anos e são muito focados para o mercado de trabalho. Nos Estados Unidos, por exemplo, metade das matrículas são em community colleges, semelhantes às nossas graduações tecnológicas. Na Alemanha, 40% das matrículas são nos cursos técnicos de nível superior. Na Coreia, 35% vão para junior colleges, faculdades com cursos de 2 a 3 anos. Não dá para a gente fazer expansão do ensino superior só com os tradicionais bacharelados", argumentou.

O Mapa do Semesp mostra que os trabalhadores com ensino superior têm mais resistência em épocas de crise e melhores salários. Entre 2014 e 2015, os postos de trabalho para esse contingente subiram 1,5%, enquanto o total de vagas para os trabalhadores com ensino fundamental caiu 3%.

O Brasil tem cerca de 6,6 milhões de estudantes de ensino superior em cursos presenciais e 1 milhão e meio em cursos à distância.


Conteúdo Relacionado

Legislação

RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 2, DE 01 DE JULHO DE 2015

Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada.


RETIFICAÇÃO SÚMULA DO PARECER Nº 10, DE 24 DE MAIO DE 2017

Onde se lê:"Câmara de Educação Superior ", leia-se: "Conselho Pleno ".


Notícias

Conselho adia prazo para adaptar cursos de formação de professor

Regra previa aumentar de 3 para 4 anos duração de licenciaturas; escolas terão mais um ano para fazer as mudanças

Pride and Prejudice. Five Myths About Brazilian Private Higher Education

Artigo assinado pelo vice-presidente da ABMES, Celso Niskier, e pela consulta internacional da Associação, Lioudmila Batourina, publicado no site internacional "Brazil Monitor" em 14 de maio de 2018

Os reflexos da crise nas faculdades particulares

Correio Braziliense: "Os alunos são um público cada vez mais exigente que não aceitará pagar para não ter algo satisfatório", observa Solon Caldas

Concluir o ensino superior triplica a renda, mostra IBGE

Diplomados ganharam R$ 5.110, contra R$ 1.727 daqueles com nível médio

Pibid e Residência Pedagógica incluem instituições privadas com fins lucrativos

Para participar do Pibid e do Residência Pedagógica, as IES privadas com fins lucrativos precisam ter ao menos um curso de licenciatura vinculado ao Programa Universidade para Todos

Regulamentação do Sistema Nacional de Educação está pronta para análise da Comissão de Educação

Sistema prevê ações coordenadas da União, estados e municípios a fim de cumprir metas e estratégias da educação de qualidade

Artigo - Sistema educacional brasileiro: uma análise crítica

Diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, fala sobre a sustentabilidade do sistema educacional brasileiro e a necessidade de se cobrar no ensino superior mensalidades nas IES federais

Desistências e desligamentos aumentam nas universidades brasileiras

Número de vagas ociosas cresce 36% em cinco anos. Alunos desistentes ou desligados pela instituição comandam alta na evasão, que coincide com incertezas nos programas de crédito

Número de estudantes que deixaram universidades em 2016 chega a 30% das matrículas

Estado de Minas: O diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, atribui boa parte das desistências ao cenário econômico e às mudanças nas políticas federais de bolsa e financiamento estudantil

Governo adia ampliação de cursos que formam professores

Esse atraso gerou críticas porque retarda o início de uma das principais ferramentas pensadas para aprimorar a formação docente

Professora alerta para apagão na formação de profissionais de ensino

A avaliação é da diretora da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep) Amábile Pacios

Diretrizes curriculares para licenciaturas: adiadas para julho de 2018

A pedido da Secretaria de Educação Básica do MEC, Conselho Nacional prorroga prazo de entrada em vigor do documento que remodela a formação docente

Conferência Nacional de Educação cobrará cumprimento do PNE

Em entrevista à Agência Brasil, a vice-presidente da ABMES, Carmen Silva destacou que existem metas no PNE a serem atingidas e que, sem a presença maciça do ensino superior particular, não poderão ser cumpridas

Presidente Dilma sanciona Plano Nacional de Educação sem vetos

A Lei 13.005/2014, publicada no Diário Oficial da União no último dia 26, estabelece metas e estratégias para o segmento educacional até o ano de 2020. As metas vão desde a educação infantil até o ensino superior, passam pela gestão e pelo financiamento do setor e pela formação dos profissionais

Coluna

Educação Superior Comentada | Os cursos de formação pedagógica para graduados não licenciados

A Coluna Educação Superior Comentada desta semana fala sobre programas genericamente chamados de cursos de complementação pedagógica que, segundo Gustavo Fagundes, têm o objetivo de ofertar aos portadores de diplomas de curso superior formados com sólida base de conhecimentos em suas respectivas áreas de estudos a habilitação para exercício do magistério

Educação Superior Comentada | Os cursos de segunda licenciatura

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, trata sobre a Resolução n °2/2015, do CNE, que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial e continuada de profissionais para a educação básica. Ele analisa, em especial, os cursos de segunda licenciatura e sua regulamentação. "É fundamental que a valorização dos profissionais do magistério saia, definitivamente, do papel e se transforme em política pública efetiva, no interesse das gerações vindouras"