Detalhe

Ensino superior privado reforça críticas ao Novo Fies após aval do Senado

09/11/2017 | Por: Reuters | 1075
Foto: Agência Brasil

A aprovação pelo Senado Federal da medida provisória com novas regras para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) a partir de 2018 desagradou representantes do setor de ensino superior privado, que alertam para dificuldades no preenchimento das 310 mil vagas ofertadas.

“Uma proposta que recebeu 278 emendas não pode ser boa, mas tudo indica que vai ser sancionada (pelo presidente Michel Temer) da forma como foi aprovada pelo Congresso Nacional”, afirmou à Reuters o diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), Sólon Caldas.

A MP divide o programa em três faixas, das quais apenas uma será financiada com recursos da União, ofertando 100 mil vagas com juro real zero para estudantes com renda familiar per capita mensal de até três salários mínimos.

As demais se destinarão a alunos com renda familiar per capita mensal de até cinco salários mínimos, tendo como fonte de financiamento bancos regionais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste e fundos constitucionais para a categoria 2, e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) na modalidade 3.

Embora o juro real seja zero na Faixa 1, Caldas criticou o fato de o financiamento ser corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que pode variar mais ou menos que a taxa de juro fixa de 6,5 por cento ao ano cobrada na versão anterior do Fies.

No caso das outras duas, o diretor executivo da Abmes lembra que, como o risco recai sobre os bancos, a tendência é de uma análise de crédito mais restritiva. “Os alunos que mais precisam não vão conseguir preencher os requisitos”, explicou Caldas.

A MP também prevê o Fundo Garantidor do Fies (FG-Fies) para minimizar riscos, de adesão obrigatória pelas instituições de ensino que participam do programa. O texto determina aporte de 3 bilhões de reais pela União e contribuição inicial de 13 por cento das instituições de ensino, podendo ser elevada a até 25 por cento, a depender da inadimplência dos alunos de cada instituição. Na versão anterior, esse percentual era de 6,25 por cento.

A Associação Nacional das Universidades Particulares (Anup) considera “injusto” responsabilizar as instituições pelo risco de inadimplência, uma vez que elas “não são responsáveis pela análise de crédito, tampouco fazem a cobrança dos alunos”.

Outro ponto questionado pela Anup é a definição prévia do valor a ser pago pelo aluno durante toda a duração do curso, o que vê como impraticável.

“A prática proposta fará com que as instituições de ensino superior levem prejuízo na aplicação das mensalidades ou trabalhem com margem de segurança desnecessária”, disse a Anup.

O Novo Fies ainda cria o Programa Especial de Regularização do Fies, para que alunos inadimplentes com parcelas vencidas até 30 de abril de 2017 possam fazer o pagamento quitando 20 por cento do saldo em cinco vezes e o restante em até 175 parcelas, informa o Ministério de Educação.

Conforme o MEC, as mudanças são necessárias para garantir a sustentabilidade do Fies, que atingiu inadimplência de 46,4 por cento, gerando ônus fiscal de 32 bilhões de reais em 2016.

Caldas argumenta, no entanto, que esse percentual de inadimplência leva em conta apenas os contratos em fase de amortização.

Desde sua criação em 1999, o Fies tem 2,3 milhões de contratos ativos, dos quais 336 mil estão em amortização, de acordo com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Reforma do Fies é aprovada pelo Senado Federal

O Senado aprovou a medida provisória (MP) que reformula o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Sem alterações em relação ao texto que já havia recebido aval na Câmara dos Deputados, o texto segue para sanção presidencial.

Câmara aprova MP que muda regras do Fies

A MP 785 foi aprovada na Câmara dos Deputados e seguiu para tramitação no Senado Federal, onde precisa ser votada até 17 de novembro.

Durante a votação, foram feitas alterações no texto original, como a retirada da possibilidade de instituições participantes do Proies oferecerem bolsas para educação na modalidade a distância e a exclusão da possibilidade de o estudante trabalhador usar recursos do FGTS para amortizar ou quitar empréstimos do Fies.

Comissão especial da MP da reforma do Fies aprova relatório em votação simbólica

A Comissão Mista da Medida Provisória 785 – da reforma do Fies – aprovou o relatório do deputado Alex Canziani (PTB-PR) sobre as mudanças propostas pelo governo no programa de financiamento estudantil. Todos os destaques apresentados na comissão foram rejeitados.

Legislação

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 785, DE 06 DE JULHO DE 2017

Altera a Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001, a Lei Complementar nº 129, de 8 de janeiro de 2009, a Medida Provisória nº 2.156-5, de 24 de agosto de 2001, a Medida Provisória nº 2.157-5, de 24 de agosto de 2001, a Lei nº 7.827, de 27 de setembro de 1989, a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, a Lei nº 8.958, de 20 de dezembro de 1994, e dá outras providências. 


Notícias

Governo lança Novo Fies, com 310 mil vagas

O Novo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) foi sancionado pelo presidente Michel Temer

Mais de 85% já renovaram contratos do Fies; prazo termina quinta-feira

O prazo para renovação do Fies já foi estendido duas vezes e, de acordo com o Ministério da Educação (MEC), não haverá mais prorrogação

Termina nesta segunda-feira o prazo para aditamento do Fies

Até o final da tarde desta quinta-feira, 16, já haviam concluído o aditamento 1.005.547 alunos, o que corresponde a cerca de 78% de 1,28 milhão de contratos previstos para este semestre

Número de estudantes que deixaram universidades em 2016 chega a 30% das matrículas

Estado de Minas: O diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, atribui boa parte das desistências ao cenário econômico e às mudanças nas políticas federais de bolsa e financiamento estudantil

Instituições e alunos temem mudanças aprovadas para o Fies

O Popular: O diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), Sólon Caldas, discorda das mudanças

Reforma do Fies é aprovada pelo Senado Federal

O novo Fies será dividido em três modalidades e terá o risco de inadimplência dividido com universidades e bancos

Editorial: O novo Fies

Estadão: Desde que foi editado, em julho deste ano, o texto original da MP recebeu 278 emendas, das quais mais de 40 foram apresentadas por deputados vinculados a entidades como a ABMES