Detalhe

Após MEC anunciar suspensão de novos cursos de Medicina, CRF-SP quer barrar graduações de Farmácia

22/11/2017 | Por: Estadão | 852

Cinco dias após o Ministério da Educação (MEC) anunciar que vai suspender por cinco anos a abertura de cursos de Medicina no País, o Conselho Regional de Farmácia de São Paulo (CRF-SP) disse que pedirá ao governo federal a interrupção na criação de novas graduações em Farmácia no Estado.

A entidade informou nesta quarta-feira, 22, que enviará na próxima semana um ofício ao MEC solicitando a implementação de uma medida semelhante à que foi sugerida pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, ao presidente Michel Temer. 

A estratégia relativa aos cursos de Medicina foi adotada após forte pressão de entidades de classe, contrárias ao expressivo aumento das vagas em graduações da área nos últimos anos, sobretudo depois da Lei do Mais Médicos. A medida deverá ser formalizada em dezembro, com a publicação de um decreto. .

Em nota, o CRF-SP argumenta que no Brasil são abertos anualmente mais de 130 mil vagas de graduação em Farmácia, "quantidade já considerada exagerada" pelos especialistas. 

"Além disso muitos cursos funcionam de forma precária e não têm a qualidade necessária para a formação de um profissional de saúde. Se não bastasse a grave situação em que se encontra a formação presencial, o MEC autorizou este ano a abertura de 528 mil vagas de cursos na área de saúde em formato exclusivamente à distância, dessas vagas, 36.269 são para a área de Farmácia", justifica a entidade.

O CRF-SP pretende também pedir ao MEC a suspensão de outros cursos na área de Saúde. Entre as áreas de atuação do Conselho, estão acupuntura, homeopatia, resíduos e gestão ambiental, pesquisa clínica, saúde pública, entre outros. 

Segundo o presidente do CRF-SP, Pedro Eduardo Menegasso, o curso de Farmácia tem "problemas com a qualidade na formação de profissionais". Menegasso critica ainda a "falta de isonomia do MEC" ao autorizar somente a suspensão de novas turmas de graduação de Medicina por cinco anos no País, excluindo da medida a interrupção da criação de cursos de Farmácia. 

"É absurda a falta de isonomia do MEC quando se compara o tratamento dispensado pelo órgão aos cursos de Medicina e Farmácia, sendo que ambos formam profissionais de saúde que se responsabilizam por vidas humanas. É inaceitável que o MEC continue autorizando o funcionamento de cursos de Farmácia sem qualidade e ainda liberando cursos com formação exclusivamente à distância. Tomaremos todas as medidas necessárias para impedir que absurdos como esses continuem a ocorrer", diz Menegasso. 

Procurado, o MEC não se manifestou até as 11h30.

Medicina. Nos últimos meses, pelo menos quatro encontros foram realizados entre MEC e associações de classe para discutir a suspensão dos cursos de Medicina no País. 

"A expansão de vagas de forma desordenada pode colocar em risco a qualidade de ensino", disse Mendonça Filho. "Para aumento de escolas, é preciso haver a infraestrutura necessária e um corpo docente com formação adequada."

A suspensão sugerida pelo ministro, no entanto, deverá preservar dois editais que estão em andamento. A estimativa é de que pelo menos 35 escolas deverão ser formadas. 

De um total de 2.305 vagas previstas em todo o País, 710 em 11 cursos foram liberadas para início das atividades em agosto, em 11 cidades de Paraná, Rio Grande do Sul, Rio e São Paulo. 

Essa abertura se arrastava desde 2014, após uma série de ações judiciais e representação do Tribunal de Contas da União (TCU) - que suspendeu edital em 2015, sob alegação de irregularidade na seleção. 

À época, o ministério defendeu os novos cursos, dizendo que havia demanda para criar vagas em cidades do interior e em mais regiões do Brasil, incluindo Norte, Nordeste e Centro-Oeste. 


Conteúdo Relacionado

Notícias

Bolsonaro desautoriza futuro ministro

Mandetta afirmou que os médicos formados no país poderão passar por um exame de qualificação, nos moldes do aplicado a advogados pela OAB, e citou como exemplo uma nova certificação cinco anos depois da formatura

Proibição de novos cursos de medicina trará enormes prejuízos à saúde e à educação superior no Brasil

Na contramão das metas do próprio governo em relação ao número de médicos no país, proibição de abertura de novos cursos de medicina não possui justificativas concretas e prejudica população

Artigo - Sistema educacional brasileiro: uma análise crítica

Diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, fala sobre a sustentabilidade do sistema educacional brasileiro e a necessidade de se cobrar no ensino superior mensalidades nas IES federais

MEC confirma que vai proibir criação de cursos de Medicina por 5 anos

A proposta ainda está em elaboração e visa a sustentabilidade da política de formação médica no Brasil, preservando a qualidade do ensino, já que o Brasil é referência na formação médica

Ministério da Educação autoriza a instalação de 29 faculdades de medicina

A informação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) em 8 de dezembro e, agora, as localidades que poderão oferecer as escolas médicas terão de demonstrar aptidão para receber essa estrutura

MEC quer proibir novos cursos de medicina. Mas o Brasil tem mais médicos do que precisa?

Órgão justifica decisão a partir da necessidade de diagnosticar e melhorar a qualidade dos cursos existentes; país ainda diploma menos profissionais do que europeus

Por que o governo pretende barrar novos cursos de medicina por 5 anos

Nexo: Para Sólon Caldas, da ABMES, o congelamento por mais cinco anos deve agravar a situação de falta de profissionais no interior do país

Após suspender novos cursos de medicina, MEC nega ação em outras graduações

"Não há risco de que outros cursos sofram ou tenham que se submeter a medida semelhante", disse Mendonça Filho

Projeto prevê que Conselho Federal avalie cursos de Medicina

É o que estabelece um projeto (PLS 312/2015), de autoria do senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)

Apesar de veto a novos cursos por 5 anos, MEC mantém liberação de 1,5 mil vagas para medicina no país

G1: Em nota, a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) disse que a medida é um retrocesso

Proibição de novos cursos de Medicina é retrocesso, afirma ABMES

Suspender por mais cinco anos a liberação de novas graduações na área levaria a 10 anos de entraves para a formação de médicos no Brasil

Proposta suspende criação de cursos de medicina por cinco anos

Correio Braziliense: A ABMES declarou que considera a decisão um retrocesso, que compromete sobremaneira o desenvolvimento do país e o atendimento à população naquilo que é um direito humano fundamental, o direito à saúde

Associações criticam decisão sobre curso de medicina e cobram base técnica

UOL: O Fórum enviou ofício ao MEC, pedindo que "pondere a possibilidade" de não levar à frente a medida, diante da "necessidade de formação de profissionais na área"

Governo federal vai suspender a abertura de novos cursos de medicina, diz MEC

G1: Em nota, a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) disse que a medida é um retrocesso

Governo vai suspender por 5 anos criação de cursos de Medicina no País

Estadão: Não vejo sentido em impedir a abertura de novos cursos, sob a justificativa de que os que temos são ruins, disse Sólon Caldas, diretor executivo da ABMES

Temer proibirá abertura de novos cursos de medicina

O decreto para a adoção da medida já está na mesa do presidente, que deve assiná-lo até o fim do ano

Proposta do governo limita desconto no Fies para médicos e professores

O assunto foi abordado nessa terça-feira (5), em audiência pública da Comissão Mista que analisa a Medida Provisória 785/2017

Projeto define regras mais rígidas para formação médica

A avaliação dos cursos de graduação terá visita obrigatória de comissão de especialistas, com periodicidade trienal

MEC seleciona mantenedoras de instituições para implantação de curso de medicina

O documento é voltado para as mantenedoras de instituições de educação superior do sistema federal de ensino

MEC assegura compromisso com reforço à formação de médicos

Ministro Mendonça Filho informou que será divulgada em setembro lista dos municípios selecionados para receber cursos de medicina