Detalhe

Educação a distância divide profissionais da área da saúde, estudantes e parlamentares

13/12/2017 | Por: Agência Câmara Notícias | 891
Acervo/Câmara dos Deputados

O Projeto de Lei 5414/2016, de autoria do deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação para proibir a educação a distância nos cursos de formação da área da saúde. E foi para debater o projeto e suas implicações que o relator da proposta, deputado Átila Lira (PSB-PI), pediu a realização de uma audiência pública.

O debate demonstrou uma forte polarização envolvendo a educação a distância (EAD) para a formação na área da saúde. De um lado, entidades de classe como o Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), o Conselho Nacional de Saúde (CNS) e o Fórum dos Conselhos Federais da Área de Saúde (FCFAS) se manifestaram fortemente contrários a educação a distância. De outro, instituições de ensino superior e de estudantes de educação a distância e o MEC.

O Secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do MEC, Henrique Sartori, que é professor de EAD, afirma que todos os cursos são criteriosamente avaliados. Só este ano, foram mais de 250 visitas a instituições de ensino superior. Ele defende a aprovação do substitutivo apresentado pelo relator, que prevê a educação a distância mas respeitando os limites dos componentes curriculares presenciais estabelecidos pelas diretrizes curriculares nacionais de cada curso, conforme prevê a regulamentação. O substitutivo também estabelece que essas diretrizes curriculares serão revistas no prazo máximo de 730 dias, a partir da entrada em vigor da lei. Sartori afirmou que o substitutivo traz um “ambiente justo, equânime e equilibrado para a educação a distância na área da saúde”.

Para a Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), a proposta do substitutivo é boa e coerente com o novo marco regulatório da EAD no Brasil, regido pela Portaria Normativa nº 11, de 2017 e pelo Decreto 9.057, de 2017. O diretor Luciano Sathler lembrou que mais da metade dos cursos de formação de professores hoje no país são a distância e afirmou que “precisamos dar um salto no nosso jeito de ser escola", quando defendeu a EAD.

Verônica Miranda, aluna a distância do curso de Enfermagem em Taguatinga Sul (DF) há três anos e meio, fez questão de desmistificar a ideia de que os alunos a distância só estudam pelo computador. “As aulas teóricas são 30 a 40% em EAD. Eu aprendo tudo no meu polo. Três vezes por semana, eu estou na faculdade, com o professor tutor que me acompanha”, explicou. E garantiu que, ao terminar o curso, já estará com uma vaga assegurada como gestora em um pronto-socorro. Apesar de defender a EAD, Verônica reconhece que a fiscalização desses cursos ainda deixa a desejar.

O Conselho Nacional de Saúde, que já havia se manifestado contra a educação a distância nos cursos da área da saúde, reafirmou essa posição durante a audiência pública. O mesmo fez o Fórum dos Conselhos Federais da Área da Saúde (FCFAS), que reúne 14 entidades de classe. “Educação a distância é moderno mas não significa que é adequado para a formação em saúde”, afirmou Ivone Martini, que coordena o Fórum. Ela argumenta que hoje, os cursos trabalham com formação de competências e de habilidades e que “educação a distância é enviar material de estudo ou link” para o aluno. Ivone enfatizou: “não sei como alguém pode formar uma pessoa para a saúde a distância”.

Para a representante do Conselho Federal de Enfermagem, Dorisdaia Carvalho, “a presença é o coração dos cursos de saúde” e, por esta razão, eles devem ter um tratamento diferenciado para garantir qualidade no atendimento à população. Por essa razão, o conselho tem se manifestado contra a EAD nos cursos da saúde. “Temos um duro debate a travar”, afirmou.

Entre os deputados que participaram da audiência pública, a divergência de opiniões também é grande. Para o deputado Mandetta (DEM-MS), que é médico, “curso de enfermagem a distância é um escárnio”. Ele afirmou que o país está fazendo uma fábrica de diplomas que não serve para quase nada. “Estamos negligenciando o cuidado e a ética”, disse.

O autor do substitutivo, deputado Átila Lira, vem trabalhando numa solução de consenso para aprovar o substitutivo. Ele estuda até mesmo a possibilidade de redução de 730 dias para seis meses o prazo para reavaliação das diretrizes curriculares nacionais dos cursos da área de saúde, previsto no substitutivo.

Veja aqui como foi a audiência pública.

Convidados:

Henrique Sartori - Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior – Seres/MEC

Luciano Sathler Rosa Guimarães - Diretor da Associação Brasileira de Educação a Distância – ABED

Dorisdaia Carvalho de Humerez - Conselheira Federal do Conselho Federal de Enfermagem – COFEN

Bruno Coimbra - Assessor da Associação Brasileira das Mantenedoras de Ensino Superior - ABMES

Ronald Ferreira dos Santos - Presidente do Conselho Nacional de Saúde- CNS

Raulino Tramontin - Consultor Educacional da Associação Nacional dos Centros Universitários - ANACEU

Ivone Martini - Coordenadora do Fórum dos Conselhos Federais da Área de Saúde - FCFAS

Elizabeth Guedes - Vice-Presidente da Associação Nacional das Universidades Particulares – ANUP

Ricardo Holz - Presidente da Associação Brasileira dos Estudantes de Educação a Distância - ABE/EAD

Verônica Prazo Miranda - Estudante de Enfermagem EAD - Faculdade Anhanguera


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Novo marco regulatório da educação superior - educação a distância

Entenda mais sobre a Portaria Normativa nº 11, de 20 de junho de 2017, que estabeleceu normas para o credenciamento de instituições e a oferta de cursos superiores a distância, em conformidade com o Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017.

Notícias

O EAD nas graduações de saúde

Ensino Superior a distância tem crescido e pode ser um forte instrumento para o desenvolvimento do país

Polos de EAD quase dobram após nova regra do MEC

No 2º semestre de 2017, total de cadastrados subiu 85%, saltando de 7,1 mil para 13,2 mil. Alunos de fora dos grandes centros foram beneficiados

Projeto pede suspensão de portaria que regulamenta cursos a distância

O Projeto de Decreto Legislativo 733/17 foi apresentado pelo deputado Orlando Silva (PCdoB-SP)

Ministério vai formar 250 mil agentes comunitários em técnicos de enfermagem

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, destacou que serão investidos R$ 1,25 bilhão na formação dos agentes

Comissão de Educação aprova substitutivo ao PL 5.414/2016

O texto é favorável à educação superior brasileira ao assegurar que a discussão será conduzida pelo Conselho Nacional de Educação

ABMES defende EAD na área da saúde em audiência pública na Câmara dos Deputados

Debate aconteceu um dia antes da votação do PL 5414/2016 na Comissão de Educação

Educação debate cursos a distância na área de saúde

O debate foi pedido pelo deputado Átila Lira (PSB-PI), relator da proposta na comissão

MEC libera polos de educação a distância

Valor Econômico: Segundo Sólon Caldas não haverá uma abertura desenfreada de polos. As instituições vão analisar a viabilidade e demanda devido ao cenário econômico atual