Detalhe

Grupo com diploma universitário cresceu 30% nos últimos quatro anos

25/06/2018 | Por: O Globo | 882
Foto: Guito Moreto / O Globo

O grupo de pessoas com ensino superior cresceu 30%, para 22.935 milhões, quando se compara o primeiro trimestre de 2014 ao mesmo período deste ano. Passou do quarto para o terceiro maior grupo entre os níveis educacionais. Mas a entrada de jovens nas universidades poderia ter sido maior, avaliam representantes das universidades, se as famílias não tivessem perdido renda e o governo não tivesse reduzido os recursos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), a partir de 2015.

Segundo especialistas, há dois efeitos a médio prazo. Primeiro, quando a economia reaquecer, haverá um novo apagão de mão de obra. Segundo, como o financiamento viabilizado pelo governo federal foi o que impulsionou a entrada de mais jovens nas faculdades no começo da década, a maior parte de baixa renda, há uma tendência de aumento da desigualdade — pois, quanto maior a formação educacional, maior o retorno financeiro do profissional.

- São os filhos de classes mais abastadas que podem fazer a educação básica em escolas particulares, de melhor qualidade, e, por isso, ficam com as vagas nas universidades públicas, de maior qualidade - resume Paulo Sardinha, presidente da ABRH-RJ.

Segundo a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), o pico de contratos do Fies foi atingido em 2014, com 732 mil alunos. No entanto, somando-se o número de contratos fechados de 2015, quando o programa deixou de financiar 100% do valor do curso, até 2017, tem-se um montante inferior: 665 mil em três anos.

- Com a crise, estamos mais longe de cumprir a meta do Plano Nacional de Educação, que é ter, em 2024, 33% dos jovens entre 18 e 24 anos na faculdade. Para isso, é preciso que essa taxa de entrada cresça 8% ao ano. Mas, entre 2010 e 2016, a média anual ficou em 4% — diz Sólon Caldas, diretor executivo da ABMES.

Rodrigo Capelato, diretor executivo do Sindicato das Entidades Mantenedoras do Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp), afirma que, entre os jovens, prevalece o desânimo:

- Fizemos uma pesquisa com alunos da classe C, que saíram do ensino médio. Eles dizem que vão postergar a entrada na faculdade. Até os que tinham trabalho não queriam se comprometer com dívida, com medo do desemprego.

 

 


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Conheça o novo Fies

Com regras simplificadas, o novo Fies garantirá pouco mais de 300 mil vagas nas IES privadas em 2018.

Legislação

RESOLUÇÃO FNDE Nº 23, DE 05 DE JUNHO DE 2018

Altera a Resolução nº 18, de 30 de janeiro de 2018, que dispõe sobre a definição do percentual de financiamento dos contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).


RESOLUÇÃO FNDE Nº 22, DE 05 DE JUNHO DE 2018

Dispõe sobre o valor semestral máximo e mínimo de financiamento no âmbito do Fundo de Financiamento Estudantil – Fies, a partir do 2º semestre de 2018.


RESOLUÇÃO FNDE Nº 24, DE 05 DE JUNHO DE 2018

Dispõe sobre os parâmetros e critérios a serem aplicados na cobrança administrativa e renegociação da parcela não financiada no âmbito do Fundo de Financiamento Estudantil – Fies.


Notícias

Novo Fies não emplaca e MEC tenta atrair bancos

Brasil Escola: Modalidade recém-criada teve apenas 800 contratos firmados no primeiro semestre. ABMES aponta falhas no Fies

Cursos de engenharia terão novas diretrizes curriculares em julho

As diretrizes serão válidas para todos os cursos de engenharia. Elas servem de parâmetro para os currículos de cada uma das instituições de ensino

Principal aposta para alavancar Fies só teve 800 vagas preenchidas em 2018

UOL: Portal repercute matéria do Estadão afirmando que 210 mil das 300 mil vagas serão oferecidas por meio de financiamentos realizados por bancos, enquanto 100 mil terão financiamento direto do governo. Novos contratos podem ser efetuados até 25 de junho

MEC publica novas regras para o Fies do segundo semestre

O dispositivo legal define todas as etapas necessárias para que instituições de ensino superior participem do programa

Educação superior no Ceará cresce duas vezes mais do que a média nacional

Levantamento também constatou tendência de crescimento da modalidade a distância e áreas do conhecimento com o maior número de matrículas

Um ano após MEC mudar regra, polos de ensino a distância aumentam 133%

Estadão: segundo especialistas, crescimento no número de cursos facilita acesso ao ensino superior, mas há a preocupação com queda na qualidade e também com falta de fiscalização

Cursos a distância crescem 127% em um ano

Jornal da Band: o vice-presidente da ABMES, Celso Niskier, fala sobre o resultado da pesquisa "Um ano do Decreto EAD - O impacto da educação a distância na expansão do ensino superior brasileiro"

Pesquisa revela que metade das crianças até 5 anos estão fora da escola em Minas Gerais

Pnad Contínua ainda mostra que praticamente 20% dos jovens com idade de 15 a 29 não conseguem nem estudar nem trabalhar

Concluir o ensino superior triplica a renda, mostra IBGE

Diplomados ganharam R$ 5.110, contra R$ 1.727 daqueles com nível médio

Estudantes de carreiras clássicas, com até 25 anos, predominam na graduação presencial

O estudo Educação superior em Minas Gerais: contexto e perspectivas, mostra que engenharia e TI são as áreas que mais absorvem alunos