Detalhe

O Enem vai mudar

16/11/2018 | Por: Veja | 1591
Foto: Cristiano Mariz/Veja

Doutora em ciências, fundadora e ex-professora da Faculdade de Educação da Unicamp, a paulista Maria Inês Fini, de 70 anos, é também a “mãe do Enem”. Nos vinte anos de aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio, que abre as portas para o ensino superior, ela participou da idealização e coordenação de oito provas, três delas como presidente do órgão responsável, o Inep, ligado ao Ministério da Educação. Com esse extenso currículo, Maria Inês era um nome pouco conhecido do grande público até o novo presidente ser eleito e ela se ver no olho do furacão: foi criticada por Jair Bolsonaro por “incluir ideologia e politicagem” no teste. “É preciso mudar”, bradou ele, demolindo as chances de ela assumir o MEC, como chegou a ser cogitado. Mudança é exatamente o que Maria Inês tem em mente para o Enem, mas sem a interferência indevida do governo. Nesta entrevista a VEJA em seu gabinete, em Brasília, ela adianta pontos de um projeto que deixará para o exame de 2020 e analisa o contexto que abriu caminho para os ataques de que foi alvo.

Já é público que o Enem vai mudar, mas pais e alunos estão ansiosos para saber como. O que a senhora pode adiantar sobre a nova prova? Primeiro, a carga sobre o aluno vai diminuir porque a filosofia da prova será outra. O Enem de hoje é bem elaborado, mas essencialmente conteudista, fincado em um modelo enciclopédico de escola. Os estudantes precisam saber tudo de todas as áreas com profundidade, ainda que um vá seguir a carreira de médico e outro opte por sociologia ou economia. No novo exame, haverá uma primeira etapa igual para todos, só que ela não exigirá um mergulho tão repleto em detalhes, nomes e decorebas. Testará, isto sim, a capacidade do aluno de combinar vários conhecimentos para chegar a uma resposta. Que não se confunda isso com superficialidade: a prova será interdisciplinar porque é assim que o mundo caminha.

Só para ficar claro, não haverá mais prova específica de química ou física? Com essa divisão por áreas, não. Mas química e física, assim como história, geografia, português, tudo será cobrado em questões que englobem conceitos presentes nessas disciplinas.

Como garantir que o novo Enem não ficará mais raso? Ele cobrará alta capacidade de raciocínio: em vez de uma questão de física para avaliar o conhecimento de cinética, por exemplo, a ideia é perguntar ao aluno como esse capítulo da física pode ajudar a resolver problemas ambientais. E, adianto aqui, o desenho do exame que deixarei para a próxima gestão terá ainda uma segunda etapa, esta sim bem mais específica. Quem quiser cursar engenharia fará apenas a prova de ciências da natureza; quem mirar história ou geografia será avaliado nas ciências humanas. Atualmente são 180 questões. Planejo enxugar para pouco mais da metade disso. O plano é que entre em vigor em 2020.

A troca de governo não representa um risco para esse projeto? O presidente eleito e seu ministro da Educação podem pensar de maneira diferente, claro, mas esse novo Enem é fruto de um debate maior, sobre o propósito da escola e como torná-la mais atraente e moderna, que vem se desenrolando há duas décadas entre educadores, instituições e a sociedade de modo geral. Ele é reflexo da nova base nacional comum curricular e pertence ao mesmo pacote de mudanças do ensino médio, que será reformado para ficar mais flexível e adaptado aos interesses de cada aluno. Na semana passada, foram aprovadas diretrizes que já preveem caminhos distintos para o jovem dentro do sistema educacional. A reforma deve ser aprovada até o fim do ano, se tudo der certo. Minha expectativa é que o novo Enem seja referendado em seguida.

O último Enem foi bombardeado por críticas, inclusive do presidente eleito Jair Bolsonaro. As mudanças que a senhora sinaliza têm alguma relação com isso? De jeito nenhum. Elas estão sendo pensadas há tempos, justamente para que a prova seja menos massacrante e converse com um ensino médio mais voltado para o século XXI — uma era em que capacidades so­cioemo­cionais, como tolerância, compreensão sobre a diversidade e o trabalho em equipe, precisam ser mais do que nunca desenvolvidas.

Bolsonaro afirmou que vai querer ler todo Enem antes de ser aplicado. É uma tradição presidencial? Até onde eu sei, nunca nenhum presidente, nem mesmo ministro, manifestou esse desejo. As mudanças em curso — o novo ensino médio, a base curricular — darão uma lufada de modernidade às escolas. Os ajustes passam pelo Conselho Nacional de Educação, um órgão respeitado, no qual nunca se ouviu falar da intervenção de um presidente em decisão alguma. Espero que o rito seja mantido.

A senhora vê algum mérito nas críticas ao último Enem? Honestamente, nenhum. Acho que as críticas são resultado de uma leitura ora superficial, ora preconceituosa da prova. Elas tratam o jovem como se ele precisasse ser mantido em uma redoma e subestimam sua capacidade de discernimento. Vejo a agressividade dessas reações como mais uma manifestação do clima de torcida de futebol que infelizmente se instalou no país. Parece que a campanha eleitoral não terminou.

Uma das questões que geraram mais polêmica neste Enem trazia no enunciado o pajubá, dialeto LGBT. Muita gente se queixou de que era uma referência dispensável. Isso a fez refletir? Refleti e cheguei à mesma conclusão de antes, quando eu mesma aprovei a questão: não tem absolutamente nada de errado nela. O objetivo da pergunta era avaliar se o aluno conhecia a definição de dialeto. Poderia ter citado outro exemplo, claro, mas por que não este? Por que, afinal, soou tão ofensivo? Não ouvi nenhum argumento racional que me fizesse mudar de ideia sobre o tema.

Muita gente se queixou do fato de Eduardo Galeano, escritor uruguaio identificado com o pensamento de esquerda, ter aparecido em duas questões. Não seria o caso de variar a fonte? Não concordo. As duas referências faziam sentido e por isso estavam lá, bem como citações a outros tantos autores, como Graciliano Ramos, Clarice Lispector e Guimarães Rosa. Acho que o Enem acabou virando uma oportunidade para certas pessoas buscarem estrelismo na mídia. E o tiroteio não foi dirigido apenas contra a prova, não. Eu fui pessoalmente muito agredida.

O historiador Marco Antonio Villa gravou um vídeo chamando a senhora de “a tirana do Inep”. Chegou a conversar com ele sobre isso? Não. Acho que o Villa lançou pedras tendo como base unicamente seu conjunto próprio de referências, como se não existissem outras maneiras de olhar para o mundo.

O filósofo Olavo de Carvalho, cuja obra é elogiada por Bolsonaro, disse que a senhora não tem estatura para estar à frente de um órgão como o Inep. Também silenciou sobre isso? O que dizer? Olavo foi desrespeitoso, calunioso e tem uma agenda própria para a educação.

A senhora chegou a ser cotada para assumir o Ministério da Educação, certo? Eu vi a notícia circular, mas ninguém ligado ao presidente eleito jamais me telefonou. Apesar dos boa­tos, certas pessoas falaram que eu tinha aprovado o Enem desse jeito justamente para provocar Bolsonaro. E olhe que a prova estava pronta desde maio, muito antes da eleição.

Até o ministro da Educação, Ros­sieli Soares, criticou o exame. Por quê? Isso eu prefiro não comentar.

Qual é sua posição sobre o movimento Escola sem Partido, que influenciou um projeto de lei em trâmite na Câmara dos Deputados prevendo medidas para coibir a “doutrinação” em sala de aula? A iniciativa parte de uma preocupação legítima, mas resvala para um radicalismo perigoso que pode substituir o que o movimento alega ser um pensamento único de esquerda por um pensamento único de direita — termos, aliás, já muito desgastados. O remédio que o Escola sem Partido propõe, sugerindo até enquadrar o professor doutrinador na Lei de Abuso de Autoridade, pode ser de dosagem tão alta que vire veneno. Daí já surgiu a ideia estapafúrdia de o aluno gravar as aulas. E prender o professor, que coisa é essa? O projeto em trâmite, do modo como está posto, traz embutido o risco de controle do pensamento. E o objetivo da educação deve ser exatamente o oposto: estimular o livre pensar.

O proselitismo é um problema essencial da educação brasileira? Ele existe, mas está longe de ser a maior questão a ser enfrentada no Brasil, país onde 93% dos estudantes se formam na escola sem conhecimento adequado de matemática e o preparo dos professores ainda tem muito, muito mesmo que melhorar. Do jeito que o assunto está sendo tratado, meu medo é que essa discussão acabe se transformando em um problema gigante. Agora, ela precisa ser encarada. A escola existe para melhorar a compreensão que crianças e adolescentes têm do mundo. Para isso, faz uso do saber acumulado ao longo dos séculos nos escaninhos das ciências, das artes e da filosofia. O primado da escola formal é o conhecimento — e ele deve ser respeitado em sua forma mais ampla. O aluno tem o direito de interagir com a diversidade de ideias.

As teses do educador Paulo Freire (1921-1997) vêm sendo fuziladas. O presidente eleito Bolsonaro falou em usar um lança-chamas para incinerar sua influência no ensino. O que a senhora pensa disso? Paulo Freire trouxe a ideia de que um adulto seria alfabetizado de forma mais eficiente se fossem levados em consideração a cultura e o contexto das camadas excluídas da população. E ele foi efetivo, marcou época, fez história. Muita gente que o demoniza não sabe o que realizou e usa argumentos rasos para derrubá-lo: como essa turma pode achar que educar usando as palavras do mundo ao qual uma pessoa pertence, como Freire pregava, será a semente de uma revolução? Tenho medo dessa ignorância ativa e dinâmica. A educação brasileira não tem tempo a perder com isso.


Conteúdo Relacionado

Legislação

PORTARIA INEP Nº 144, DE 24 DE MAIO DE 2012

Dispõe sobre certificação de conclusão do ensino médio ou declaração parcial de proficiência com base no Exame Nacional do Ensino Médio-ENEM.


EDITAL ENEM Nº 1, DE 08 DE MAIO DE 2013

Este Edital dispõe sobre as diretrizes, os procedimentos e os prazos da edição do Enem 2013, regido pela Portaria/MEC nº 807, de 18 de junho de 2010.


PORTARIA INEP Nº 179, DE 28 DE ABRIL DE 2014

Dispõe sobre o processo de certificação, as competências das Instituições Certificadoras e do INEP e os requisitos necessários à obtenção de certificado de conclusão do Ensino Médio e declaração parcial de proficiência com a utilização dos resultados de desempenho obtidos no Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM.


PORTARIA INEP Nº 436, DE 05 DE SETEMBRO DE 2014

Estabelece procedimentos e prazos para a utilização dos resultados no Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM em processos seletivos de acesso a vagas em Instituições de Ensino Superior (IES), nacionais e estrangeiras, e em processos de certificação de conclusão do Ensino Médio realizados pelas Secretarias de Estado da Educação e Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia.


PORTARIA MEC Nº 483, DE 14 DE MAIO DE 2015

Altera a Portaria Normativa MEC nº 807, de 18 de junho de 2010, que institui o Exame Nacional do Ensino Médio – Enem. 


PORTARIA MEC Nº 807, DE 18 DE JUNHO DE 2010

Institui o Exame Nacional do Ensino Médio - Enem como procedimento de avaliação cujo objetivo é aferir se o participante do Exame, ao final do ensino médio, demonstra domínio dos princípios científicos e tecnológicos que presidem a produção moderna e conhecimento das formas contemporâneas de linguagem.


PORTARIA MEC Nº 468, DE 03 DE ABRIL DE 2017

Dispõe sobre a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), e dá outras providências.


PORTARIA NORMATIVA Nº 12, DE 06 DE JULHO DE 2017

Dispõe sobre o processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil - Fies referente ao segundo semestre de 2017 e dá outras providências.


EDITAL SESU/MEC Nº 24, DE 22 DE MARÇO DE 2018

Tornou público o cronograma e demais procedimentos relativos ao processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil - Fies e do Programa de Financiamento Estudantil - P-Fies referente ao primeiro semestre de 2018.


RETIFICAÇÃO PORTARIA MEC Nº 501, DE 25 DE MAIO DE 2018

Estabelece o regulamento do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - Enade 2018.


EDITAL INEP/MEC Nº 40, DE 19 DE JUNHO DE 2018

Este Edital dispõe sobre as diretrizes, os procedimentos e os prazos do Enade 2018, a serem cumpridos pelas Instituições de Educação Superior (IES) e pelos estudantes habilitados a essa edição do Exame


EDITAL INEP/MEC Nº 76, DE 29 DE AGOSTO DE 2018

Torna pública a realização do Enem 2018 para Pessoas Privadas de Liberdade e Jovens sob Medida Socioeducativa que inclua privação de liberdade.


Notícias

Cartão de confirmação para segunda aplicação do Enem 2018 já está disponível

Os inscritos que participarão da reaplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) podem acessar o cartão de confirmação

O sonho de um diploma: contra tudo e todos, eles se formaram

Gazeta Online: Em pesquisa realizada pela ABMES, aponta que 70% dos jovens que terminaram o ensino médio não foram para a faculdade, no ano passado, por dificuldades financeiras

Políticas públicas: A porta de entrada para o ensino superior

Pesquisas realizadas pela ABMES revelam a importância de ações governamentais para que estudantes tenham acesso à formação superior

Operacionalização financeira do novo Fies

Em vigor desde o primeiro semestre de 2018, regras do Fundo de Financiamento Estudantil ainda trazem dúvidas para as instituições de Ensino Superior

'Podemos inovar na prova', diz presidente do Inep sobre o Enem

Maria Inês Fini diz que ainda não há arquitetura pronta para reformular avaliação, mas fala sobre possibilidade de questões discursivas em fase específica

MEC homologa diretrizes que permitem 30% do ensino médio a distância

Mudanças no Enem devem ficar para as aplicações de 2021

Questão da prova de Matemática e suas Tecnologias do Enem 2018 está anulada

A questão foi elaborada em 2012 para o Inep, por um professor que, à época, estava vinculado à UFPR. No entanto, em 2013, foi utilizada no vestibular da própria universidade

Enade 2018: Concluintes inscritos no exame podem consultar local de prova

O documento traz informações sobre o local de prova, horários e atendimentos

Prazo de aditamento do Novo Fies vai até 30 de novembro, define Caixa

Período para a realização dos aditivos começou em 29 de outubro e vai até 30 de novembro de 2018

Enem aborda direitos humanos, racismo e manipulação na internet

Com textos longos, candidatos precisaram ter atenção redobrada

Ministério da Educação vai reforçar segurança contra fraudes no Enem

Número de detectores de pontos eletrônicos nos locais de prova será cinco vezes maior

Enem 20 anos: Mais ProUni e Fies

Correio da Paraíba: Em reportagem, o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, afirma que o Enem tem se mostrado uma ferramenta eficiente e democrática de seleção para o ensino superior particular brasileiro

Começa hoje prazo para renovar contratos do Fies

O processo de renovação é voltado apenas para os contratos firmados este ano no âmbito do Novo Fies

Cartão de confirmação do Enem 2018 será divulgado na segunda

Inep confirmou que candidatos poderão ver o local de provas a partir do dia 22/10; provas acontecem nos dias 4 e 11 de novembro e 5,5 milhões de estudantes estão inscritos

Enade 2018: Solicitação de reaplicação do exame poderá ser feita pela internet

Solicitação de reaplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) da edição de 2018 poderá ser feita, pela internet, na Página do Participante

Só 18% dos jovens são estudantes universitários, aponta pesquisa

A Tribuna: Em debate realizado no dia 26 de setembro , o diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, comenta sobre as novas regras do Fies

Fies prorroga prazo de pré-seleção dos inscritos na lista de espera

De acordo com o Ministério da Educação, o estudante que estiver na lista deve acessar o sistema e complementar a inscrição no prazo de cinco dias úteis para garantir contrato de financiamento

Enem deve seguir novo formato em 2020, diz ministro da Educação

'O Enem não deve ser o norte do ensino médio. É um exame de entrada (para a universidade). Vai se adaptar à BNCC', disse Rossieli

Inscrições para o Enem começam nesta segunda (7) e vão até 18 de maio

Mesmo quem teve o pedido de isenção da taxa aceito deve fazer a inscrição online, visto que a aprovação não garante a participação no Enem

Os reflexos da crise nas faculdades particulares

Correio Braziliense: "Os alunos são um público cada vez mais exigente que não aceitará pagar para não ter algo satisfatório", observa Solon Caldas

Cortes reduzem em 80% número de alunos beneficiados pelo Fies

Correio do Estado: A redução ocorreu depois de mudanças no programa, iniciadas em 2015 e que endureceram as regras para liberação do financiamento; o cenário deve piorar

Enem 2018: resultado do pedido de isenção da taxa de inscrição é divulgado

Os candidatos que tiverem o pedido negado terão entre esta segunda e o próximo domingo (29) para apresentar novos documentos e garantir o direito

Conheça cinco alternativas de como pagar uma faculdade sem ter dinheiro

Correio da Bahia: Segundo a última pesquisa feita pela Associação Brasileira de Mantenedora de Ensino Superior (ABMES), 81% dos jovens entrevistados pretendem cursar a Universidade dentro dos próximos três anos

Atenção estudantes: prazo para pedir isenção no Enem é ampliado para 15 de abril

A ampliação neste prazo, que anteriormente terminava no dia 11, também foi estendida aos que precisam justificar a ausência na edição de 2017

MEC estende prazo para inscrições de bolsas remanescentes do ProUni

Ao todo, serão ofertadas 112.800 bolsas remanescentes. O período de inscrição para os alunos matriculados nas IES, no entanto, permanece até o dia 30 de abril

ProUni recebe inscrições para vagas remanescentes até 30 de abril, para bolsas integrais e parciais

Estão aptos a se candidatar a uma bolsa remanescente quem for professor da rede pública de ensino ou que tenha participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010, com nota superior a 450 pontos e acima de zero na redação

Enem 2018: pedido de isenção da taxa de inscrição já pode ser feito; veja quem tem direito

Candidatos terão até 11 de abril para fazer solicitação. Quem não compareceu aos dois dias de prova em 2017 também terá mesmo período para justificar ausência

Financiamento é mais importante do que qualidade na hora de escolher faculdade, revela pesquisa da ABMES

Influência de pais, amigos e das formas de ingresso oferecidas pela instituição também foram mapeadas

Provas do Enem não serão mais difíceis este ano, garante Inep

O Inep alerta aos interessados em fazer o Enem que consultem apenas os canais oficias do Inep e do Ministério da Educação para se informar e tirar dúvidas sobre o exame

Ensino a distância dribla a crise, ganha prestígio e cresce 11% em Minas

Números estão no estudo Educação superior em Minas Gerais: contexto e perspectivas, feito pela ABMES em parceria com a Educa Insights. O levantamento usou dados do Censo da Educação Superior, feito anualmente pelo Inep, e do Enade com o objetivo de fazer um diagnóstico da educação superior no estado

Prouni 2018: prazo para entrar na lista de espera começa nesta sexta

Interessados devem se inscrever até a próxima segunda-feira (19); resultado será divulgado pelas universidades

MEC divulga hoje a segunda chamada do ProUni

O ProUni oferece bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação de instituições privadas de educação superior

Resultados da primeira chamada do ProUni estão disponíveis

O processo seletivo é composto por duas chamadas sucessivas. A segunda lista de aprovados será divulgada em 2 de março. Caso o candidato não seja aprovado novamente, poderá manifestar interesse em participar da lista de espera, entre 16 e 19 de março, na página do programa

Artigo - Sistema educacional brasileiro: uma análise crítica

Diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, fala sobre a sustentabilidade do sistema educacional brasileiro e a necessidade de se cobrar no ensino superior mensalidades nas IES federais

MEC divulga resultados do Enem 2017 e anuncia calendário do exame em 2018

O resultado só pode ser acessado pelo próprio participante após informar o CPF e a senha cadastrada

MEC anuncia residência em escolas e mudanças no Prouni

Medidas do ministério fazem parte de esforço para melhorar formação de professores

Inep publica edital do Enem; taxa de inscrição será de R$ 82

As inscrições começam às 10h do dia 8 de maio e terminam às 23h59 do dia 19 de maio, pela internet, no site do Enem

MEC e Inep anunciam mudanças no Enem em função de consulta pública

As medidas são resultado do amplo debate do MEC com a sociedade, por meio da consulta pública promovida pelo Inep no começo deste ano

Coluna

Educação Superior Comentada | O projeto de lei que impõe a aplicação de provas e atribuição de frequência a alunos impedidos de comparecer às atividades acadêmicas por motivos religiosos

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, analisa o projeto de lei em tramitação no Senado Federal dispondo sobre aplicação de provas e atribuição de frequência a alunos impedidos de comparecer às atividades acadêmicas por motivos religiosos