Detalhe

63,2% dos jovens aprovam nota mínima como exigência para o Fies

20/07/2016 | Por: G1 | 762

Pesquisa entrevistou pessoas que estão fora das universidades e têm interesse de ingressar no ensino superior

SÃO PAULO - Os jovens que estão fora das universidades e ainda têm interesse em ingressar no ensino superior aprovam a maior rigidez de regras para o acesso ao Financiamento Estudantil (Fies), como a exigência de nota mínima de 450 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio  (Enem). Segundo pesquisa encomendada pela Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior  (Abmes), 63,2% acha que a nota mínima deve permanecer e 17,8% disse que ela deve aumentar. 

A pesquisa entrevistou 10 mil pessoas com idades entre 18 e 30 anos que concluiram o ensino medio e não cursaram o ensino superior, em nove capitais brasileiras. Dos 10 mil, 78,9% disse desejar cursar o ensino superior nos próximos três anos - desses 50,5% disse não ter condições de pagar uma faculdade particular. 

"A mensagem que essa pessoa traz é a de que ela quer estudar e precisa de uma oportunidade de acesso à universidade. Ela está disposta a lutar pela nota necessária, mas precisa de um impulso do governo para ter essa oportunidade", disse Janguiê Diniz, presidente da Abmes.  A média mínima de 450 ponto no Enem, além de redação com nota acima de zero, passaram a ser critério para o financiamento no início de 2015. Na época, a decisão gerou polêmica e chegou a ser suspensa pela Justiça Federal.

A pesquisa mostrou ainda que 50,3% das pessoas interessadas em fazer faculdade pretendem participar do Fies. Para 90,2% deles o governo federal deve aumentar a cada ano o número de vagas do Fies. 

Diniz disse ainda que o programa precisa de uma reformulação para se tornar "sustentável" para alunos, entidades e o próprio governo. "Com as mudanças que aconteceram nos últimos anos, o programa está se tornando menos atrativo para as entidades. O setor já dá sua colaboração ao ensino superior e não pode ser ainda mais penalizado", disse. 

No primeiro semestre deste ano, o governo ofertou 250 mil vagas. No entanto, as entidades que representam as instituições de ensino calculam que pelo menos 100 mil dessas vagas ficaram desocupadas, para elas, o não preenchimento das vagas está associada ao limite de renda, uma vez que há um número pequeno de estudantes que tanto se encaixa na faixa de renda do programa como atende aos outros requisitos – como, por exemplo, o de nota mínima de 450 pontos no Enem.

Para o segundo semestre deste ano, o MEC já considerou um novo requisito de renda familiar mensal bruta por pessoa, que foi ampliada de  dois e meio para até três salários mínimos. Foram abertas 75 mil vagas nessa segunda fase do programa. 

Conta. Na semana passada, o governo jogou para as instituições de ensino o custeio das taxas bancárias do programa que eram cobertas pelo Tesouro Nacional. Com a medida, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal passam a receber das instituições de ensino um montante mensal de 2% dos encargos educacionais liberados pelo Tesouro a essas empresas, usados até então apenas para abater despesas previdenciárias. 

Diniz disse que as instituições são contra essa medida, pois receberam uma "conta" que não é delas. "Estamos momentaneamente contribuindo com o governo para manter o programa pela importância ao governo e aos alunos, e não para o setor. Não concordo com o repasse e esperamos que o governo encontre soluções e implante um Fies mais sustentável no início do ano que vem”, afirmou. 

A entidade disse que deve custear as taxas bancárias apenas neste semestre e espera que o "Fies Turbo", anunciado pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, para o próximo ano, não preveja esse pagamento pelas instituições. "É preciso um novo modelo de financiamento porque termos uma mudança no programa a cada seis meses está fazendo com que ele se torne insustentável", disse Sólon Caldas, diretor executivo da Abmes.

 


Conteúdo Relacionado

Áudios

Áudio: Mais da metade dos jovens depende de programas do governo para cursar universidade

Data:20/07/2016

Descrição:

Diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, concede entrevista à CBN sobre pesquisa que revela que 17% da população que deveria estar na universidade na faixa etária de 18 a 24 anos consegue entrar em um curso superior

Download

Áudio: Entrevista do presidente da ABMES, Janguiê Diniz

Data:22/07/2016

Descrição:

Em entrevista Janguiê Diniz, Presidente da ABMES, diz sobre a pesquisa em que metade dos jovens com ensino médio querem fazer faculdade, mas não tem como pagar as mensalidades.

Download

Notícias

Faculdades questionam viabilidade do Fies

Pesquisa da ABMES com 1 mil pessoas entre 18 e 30 anos e ensino médio completo mostra que 78,9% dos jovens têm interesse em ingressar no ensino superior, mas 50,5% disseram não ter condições para pagar

Metade dos jovens depende de programas do governo para cursar universidade

Para diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, programa de financiamento estudantil beneficia mais o país, em última instância, do que instituições privadas de ensino

Mais da metade dos jovens depende de programas do governo para cursar universidade

Pesquisa é da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior, que representa 1.200 unidades da rede particular. Só 17% da população que deveria estar na universidade na faixa etária de 18 a 24 anos consegue entrar em um curso superior

Setor de educação reforça pleitos por mais financiamento do governo

O setor de ensino superior privado está reforçando ações para garantir mais recursos ao financiamento de estudantes junto ao governo federal, de olho na formatação de novas regras para o programa Fies a partir do próximo ano que estão sendo preparadas em um ambiente de restrição orçamentária

Mais de 50% dos jovens que querem cursar faculdade dependem do governo

Mais da metade dos jovens brasileiros que querem cursar o nível superior no país não tem dinheiro para pagar por sua formação e, portanto, contam com programas sociais de incentivo a educação superior do governo, como o Fies e o ProUni

Jovens brasileiros dependem dos programas sociais para cursar ensino superior

ABMES apresentou nesta quarta-feira (20), em São Paulo, dados inéditos por meio da Pesquisa "A visão dos jovens brasileiros sobre os programas sociais do MEC - A importância do Fies, ProUni e Pronatec"