Detalhe

Ainda há preconceito no mercado de trabalho com quem faz EAD?

05/09/2018 | Por: Quero Bolsa | 591
Foto: Quero Bolsa

Segundo um estudo realizado pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), em 2023 mais alunos se matricularão em cursos da modalidade de Educação a Distância (EAD) do que nos presenciais.

Além disso, o Censo da Educação Superior 2016, desenvolvido pelo Ministério da Educação (MEC), mostrou que a taxa nas matrículas na graduação EAD naquele ano aumentou em 7,2%. Enquanto os cursos presenciais sofreram queda de 0,08%.

Isso mostra que cada vez mais egressos da Educação a Distância ingressam no mercado de trabalho, mas será que ele está apto e aberto para receber essas pessoas?

Para André Ferragut, gerente de recrutamento da Hays, apesar de algumas ressalvas, graduandos dessa modalidade são muito mais aceitos do que há alguns anos.

“Para alguns segmentos ainda há algumas ressalvas, ainda há uma pequena dose de desconfiança em relação aos cursos a distância, mas essa dose de desconfiança tem muito mais a ver com desconhecimento sobre o quanto que o curso a distância exige também do aluno, do que especificamente uma desconfiança geral. Eu diria que existe uma visão muito mais otimista do que de anos atrás”, reforça André.

Para Nathalia Lopes, recrutadora da Quero Educação, o EAD passa ainda pelo processo de aceitação assim como aconteceu com os cursos tecnólogos. “Eu acho que é meio o que o tecnólogo era há muito tempo atrás, em que muita gente tinha preconceito com esse tipo de graduação e agora não tem mais. Acredito que está bem mais disseminado na cabeça das empresas, porque foge um pouco da graduação tradicional, mesmo que algumas demorem mais tempo para se atualizar”, acredita.

Além disso, Nathalia também reforça que a experiência do candidato na área desejada é muito mais importante do que saber qual foi a modalidade de ensino escolhida.

Vantagens de fazer EAD
Para ambos os recrutadores, uma verdade é máxima: essa modalidade faz com que os candidatos desenvolvam características que são muito necessárias no mercado de trabalho atualmente, entre elas, independência, organização, iniciativa, gestão de tempo e foco.

Isso acontece porque no EAD é preciso que o aluno seja totalmente responsável pelo seu desempenho, já que, na maioria do tempo, não terá o acompanhamento direto de professores e colegas de classe.

“Ele precisa desenvolver essas características de comportamento para poder chegar ao final da graduação. Uma vez concluído esse curso, o mercado de trabalho hoje já valoriza o egresso do EAD por entender que essa pessoa tem algumas características que estudantes do ensino presencial não apresentam, necessariamente”, evidencia George Bento Catunda, membro da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed).

Ao escolher um curso a distância, Nicole Oliveira, 20, que está no último ano de Marketing, na Universidade Anhembi Morumbi (UAM), não imaginava que desenvolveria essas competências. “O curso EAD me fez desenvolver meu lado disciplinado, organizado, focado e proativo. Para você ser um bom aluno de educação a distância você precisa ter esses 4 pontos super alinhados, pensei no começo que eu não conseguiria, mas agora, tiro de letra e consigo dar 100% de mim nas aulas, atividades e provas”, conta a jovem.

Além disso, graduandos nessa modalidade têm, na maioria dos cursos, um resultado melhor no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) do que graduandos em cursos presenciais. Na edição de 2007, das 13 áreas avaliadas, em sete os alunos de graduação EAD tiveram um resultado melhor do que os demais.

Saiba vender seu peixe!
Além de adquirir essas características tão pertinentes, é preciso que o candidato exalte-as em um processo seletivo.

Afinal, ter se graduado em um curso a distância não é motivo de vergonha e muito menos para ser escondido, ainda mais quando apenas 15,3%* dos brasileiros conseguem um diploma do Ensino Superior. Por isso, é preciso saber como e quando informar que o seu curso foi feito na modalidade a distância.

George Bento acredita que informar no currículo esses pontos fortes como aptidões é uma boa saída. Porém, o candidato precisa ressaltar isso durante a entrevista de emprego, fazendo uma correlação com situações passadas durante a graduação e essas características.

Para diminuir o preconceito, André Ferragut aconselha que a pessoa explique também para o recrutador como foi a experiência e a metodologia do curso, já que aqueles que possuem algum tipo de ressalva, o tem por falta de conhecimento. “É bom mostrar que era a tarefa dele de se organizar em relação ao tempo, se organizar sobre as avaliações que ele recebeu ao redor do curso e que ele também teve contato com tutores online ou presenciais de tempos em tempos para ajudar a consolidar o conhecimento”, reforça o gerente de recrutamento da Hays.

Nathalia ainda completa as dicas dizendo que é de valia que o candidato explique quais foram os motivos que o levaram a escolher o EAD.

Ainda há preconceito no mercado de trabalho com quem faz EAD?
Afinal, será que esse tabu ainda existe? Para descobrir a resposta desta questão que “vale um milhão de reais” perguntamos para todas as fontes desta reportagem o mesmo tópico: “De forma categórica, você acha que ainda há preconceito com graduando na modalidade EAD?”.

Saiba qual foi a resposta de cada um:

“Categoricamente, eu diria que não. O mercado de trabalho hoje não tem mais preconceito com estudantes egressos de cursos a distância. O que a gente enfrenta dificuldade hoje é por parte dos docentes, dos professores e educadores. Muitos não acreditam, ainda veem a educação a distância como algo a ser desenvolvido, mas isso é natural, toda as categorias foram assim. Porém, categoricamente, eu te digo que o mercado de trabalho não tem mais esse preconceito” - George Bento Catunda, membro Abed e Coordenador do Fórum Nacional da Educação Profissional Técnica a Distância.

“Tem, eu acho que tem sim. E eu acho que tem porque, não é que a empresa não vá contratar, mas, geralmente, ele tem que se provar mais, a empresa vai sempre bater mais nessa tecla, talvez por preconceito ou por estar tentando validar” - Nathalia Lopes, recrutadora da Quero Educação.

“Acreditamos que as desconfianças estão sendo superadas aos poucos e que o crescimento da modalidade vai contribuir para o rompimento dessa percepção” - Sólon Caldas, diretor executivo ABMES.

“Eu diria que há algumas ressalvas, mas essas ressalvas são vinculadas ao desconhecimento da metodologia e também a gente caminhou muito com relação à redução dessas ressalvas nos últimos dois a cinco anos no mercado. Hoje existe um conhecimento muito maior das exigências com relação ao ensino a distância e eu acredito que nos próximos cinco anos essas ressalvas estarão praticamente extintas. ” - André Ferragut, gerente de recrutamento da Hays.

“Eu acredito que pode rolar um preconceito sim, não de todas as empresas, mas de algumas pode ter sim. Infelizmente as pessoas ainda não tem total conhecimento de como funciona os cursos EAD e de que eles são reconhecidos pelo MEC e que uma pessoa formada nessa modalidade tem o mesmo conhecimento e potencial de uma pessoa que fez faculdade presencial” - Nicole Oliveira, estudante de Marketing na modalidade EAD.

 


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Um ano do Decreto da EAD - o que mudou?

Desde que o Novo Fies entrou em vigor, no começo de 2018, instituições e alunos têm tido várias dúvidas sobre o programa e a ABMES tem se dedicado em respondê-las. Confira neste vídeo produzido pela ABMES TV alguns pontos importantes que mudaram no programa.

Nova regulamentação da EAD: O que muda para as IES (matéria)

A ABMES reuniu, em 4 de julho, representantes do governo e do setor particular de ensino superior para tratar do novo marco regulatório da educação a distância (EAD).

Legislação

REPUBLICADO DECRETO Nº 9.057, DE 25 DE MAIO DE 2017

Republicação do art. 9º do Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017, por ter constado incorreção, quanto ao original, na Edição do Diário Oficial da União de 26 de maio de 2017, Seção 1.


DECRETO Nº 9.235, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2017

Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação das instituições de educação superior e dos cursos superiores de graduação e de pós-graduação no sistema federal de ensino.


Notícias

Crise impulsiona matrículas em cursos do ensino a distância

Estadão: Matéria aponta que, em 2017, a EAD passou a atender 21,2% dos graduandos do país. O texto traz fala do diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, afirmando que esse crescimento apenas posterga o problema de expansão do ensino superior

Aumento das matrículas na graduação a distância é o maior desde 2008, aponta censo

G1: Dados do Censo da Educação Superior 2017 divulgados nesta quinta-feira (20) mostram que, entre 2016 e 2017, o número de alunos de EAD cresceu 17,6%

Ensino a distância

Artigo de Arnaldo Niskier publicado em 18 de outubro no Correio Braziliense , explana a flexibilidade de se estudar na modalidade EAD adequando as atividades acadêmicas ao dia a dia

Ensino a distância deve ultrapassar o presencial em poucos anos Estimativa prevê que o recente método supere o tradicional em 2023

Diário de Petrópolis: em matéria descreve o crescimento da modalidade EAD baseada na pesquisa divulgada pela ABMES. Ainda relata que em alguns anos mais alunos estarão estudando a distância do que em modalidade presencial

Curso híbrido e 'novo Enade' viram bandeiras de ensino superior privado

Para setor, prova não é capaz de indicar qualidade exata de instituições; fórum de entidades ainda cobra flexibilização do Fies e permissão para oferta que combine modelos presencial e a distância

Diploma sem sair de casa

Com custo menor que o de uma faculdade convencional, flexibilidade de horário e a possibilidade de acompanhar as aulas pela internet de qualquer lugar, os cursos de graduação a distância têm procura recorde

Grupo de trabalho discute pós-graduação stricto sensu a distância

Reunião aconteceu na sexta-feira, 24 de agosto. A ABMES é uma das entidades que compõe o grupo de trabalho

Graduação a distância permite que profissionais conciliem estudos e trabalho

Saiba como adultos vêm dando um drible na falta de tempo na luta pelo diploma

Público mais velho do ensino a distância quer autonomia sem perder o apoio

Folha de S.Paulo: em matéria sobre a importância da EAD para estudantes mais velhos, o vice-presidente da ABMES Celso Niskier fala sobre as vantagens da modalidade para este público

Polos de ensino superior a distância crescem 133% em um ano

Oferta explode após decreto reduzir as exigências para faculdades online

EAD: 1,5 milhão estuda a distância no Brasil

Mais baratos e flexíveis, cursos online ganharam força; conheça boas faculdades, histórias de quem fez e como o mercado vê esse tipo de diploma

Diploma Digital: Uma realidade da faculdade do futuro

CBN: Em entrevista à Rádio CBN Recife, o vice-presidente da ABMES Celso Niskier e o diretor executivo, Sólon Caldas, comentam os fatores que colaboram para o crescimento da educação a distância no Brasil.

EAD passará o ensino presencial em 5 anos

DCI: Previsão é que em 2023, 2,2 milhões de matrículas sejam para aulas à distância, somando 51% do total de alunos

Ensino a distância cresce mais que presencial, mas gera desconfiança

Rondôniaovivo: A pesar de crescer em ritmo mais acelerado que o ensino presencial, a educação a distância (EaD) não é a primeira opção para a maioria das pessoas que buscam uma graduação

Ensino a distância cresce mais que presencial, mas gera desconfiança

TNH1: Dos entrevistados, 27% disseram que escolheriam preferencialmente um curso EaD e 17% disseram que preferem ambos, EaD e presencial

Ensino a distância cresce mais que presencial, aponta ABMES

Jornal Cruzeiro do Sul: A pesquisa inédita Um ano do Decreto EAD - O impacto da educação a distância foi feita pela ABMES em conjunto com a empresa de pesquisas educacionais Educa Insights

Ensino a distância não é a primeira opção no Brasil

Convergência Digital: O estudo projeta que, se mantido o crescimento da EaD atual, em 2023, mais estudantes ingressarão na modalidade a distância que no presencial

Coluna

Educação Superior Comentada | A nova regulamentação para oferta de educação a distância

Ano 5 - Nº 17 - 14 de junho de 2017

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, trata do Decreto nº 9.057 que regulamenta a educação a distância no Brasil. Com a nova legislação, instituições podem obter credenciamento exclusivamente para oferta de educação a distância, sem a obrigação da oferta na modalidade presencial

Educação Superior Comentada | A figura dos "cursos híbridos"

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, comenta sobre o crescimento dos chamados "cursos híbridos". Segundo o especialista, embora o marco regulatório para a educação superior não contemple a figura do “curso híbrido”, prevendo, exclusivamente, as modalidades de educação presencial ou a distância, a utilização dessa expressão, conquanto inadequada, por capaz de facilmente induzir a erro os consumidores, não configura ilegalidade

Educação Superior Comentada | A polêmica envolvendo a oferta de cursos da área da saúde na modalidade EAD

Na edição desta semana da Coluna Educação Superior Comentada, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, analisa o debate acerca da oferta de cursos de graduação na área da saúde na modalidade de educação a distância. Segundo ele, o cerne da discussão é a divulgação equivocada da informação de que o contexto regulatório tornou possível a oferta desses cursos de forma totalmente virtual