Detalhe

Faculdades do futuro: em 5 anos, modalidade de estudo online deve superar educação presencial no Brasil

22/05/2018 | Por: ABMES | 1362

Após um ano da publicação do Decreto nº 9.057/2017, que estabeleceu o novo marco regulatório da educação a distância (EAD) no país, o cenário do segmento já apresenta evoluções significativas, que podem contribuir para a ampliação do acesso de estudantes à graduação. Estudo realizado pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) em parceria com a empresa de pesquisas educacionais Educa Insights mostra que a modalidade cresceu no último ano e desponta como uma das principais escolhas de boa parcela dos estudantes ao optarem por uma faculdade. Seguindo a média das projeções de crescimento, a expectativa é de que no ano de 2023, a EAD supere o formato presencial nos cursos de graduação no país, com mais alunos ingressando e estudando por meio de plataformas online.

O estudo “Um ano do Decreto EAD - O impacto da educação a distância na expansão do ensino superior brasileiro” ouviu, 1.012 homens e mulheres de 18 a 50 anos de idade, de classes A e B, C, D e E, com interesse em cursar uma graduação nos próximos 12 meses ou já matriculados na educação superior nas modalidades EAD ou presencial em todas as regiões brasileiras. “Este primeiro levantamento após o novo marco regulatório da EAD é um importante passo no sentido de aferir como está o processo de desenvolvimento da educação superior no Brasil. E o que pudemos observar com a pesquisa foi que a resistência à modalidade EAD praticamente se desfaz quando o estudante tem conhecimento de que a parte prática do curso é oferecida de modo presencial”, aponta o diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz.

De acordo com o Censo da Educação Superior, a diferença entre o número de matrículas em cursos presenciais e EAD tem caído a cada ano, passando, respectivamente, de 80% contra 20%, em 2010, para 67% contra 33% em 2016. Essa aceitação à modalidade online também foi constatada pela pesquisa. Quando perguntado aos entrevistados qual a modalidade de curso de graduação preferida, embora o modelo presencial clássico ainda seja o mais aceito, com 56% da preferência, 44% dos respondentes não fazem questão exclusivamente do modelo presencial.

O que pensam sobre as opções de EAD com aulas práticas
A “semipresencialidade” apresenta uma ótima aceitação entre os entrevistados. Quando mencionado ao grupo de entrevistados que elegem o formato presencial como primeira opção que as aulas práticas podem ser realizadas presencialmente, a aceitação à EAD chega a 93%. “Isso demonstra que boa parte da resistência que ainda notamos em relação à EAD se dá por falta de informação sobre as características da modalidade”, observa Diniz.

Quais as barreiras para alunos que não abrem mão do formato presencial clássico?
O levantamento também buscou saber os motivos pelos quais ainda há um pequeno percentual de estudantes que não troca o modelo presencial pela EAD de forma alguma. Foi observado que a barreira existente está atrelada, na maioria das vezes, à preocupação com a percepção de baixa qualidade e também à dificuldade de adaptação ao novo método. Além disso, para 62% deste público pesa o fato de acreditarem que o curso não oferece suporte para tirar dúvidas na hora e também a dificuldade com plataformas de estudo online (37%).  

Observa-se que a visão que estes estudantes resistentes à EAD ainda têm da baixa qualidade esbarra na realidade do que tem sido apresentado nos resultados do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), realizado pelo MEC, segundo os quais o desempenho dos estudantes de EAD supera os resultados daqueles que cursaram graduações presenciais.

Quem são os estudantes entrevistados?
O levantamento analisou o perfil dos estudantes que responderam à entrevista observando sexo, idade, classe social, estado civil, além de região e proveniência do Ensino Médio (público ou privado). Também aferiu quais respondentes realizaram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no último ano.

Deste público, averiguou-se que as mulheres estão mais receptivas à EAD. Do grupo que opta exclusivamente pelo formato presencial, 57% são mulheres e 43% são homens. Já no grupo que opta por EAD, a adesão feminina é ainda maior, com 63% do total.

Ainda sobre o grupo que optou pelo EAD, predomina um público de faixa etária mais elevada (38% possui de 31 a 40 anos de idade, e 29% está acima dos 40 anos); a maioria destes estudantes são de classe C (58%) e provenientes de escola pública (75%). Também é predominante a parcela de pessoas que trabalham (83%) e que são casadas (62%). Outro aspecto que chama a atenção é que apenas 23% prestaram a última edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Tecendo o comparativo com o grupo de entrevistados que não abre mão do formato clássico presencial, observa-se maior presença do público jovem até 24 anos (25%) e menor adesão das pessoas acima dos 40 anos de idade (16%). A diferença entre homens e mulheres é menor (43% e 57%, respectivamente). Na comparação, nota-se um volume menor entre pessoas das classes C, D e E, ao passo que o número de pessoas de classes A e B é maior. Da mesma forma, aumenta no número de estudantes provenientes de escola particular (36%) e a diminui dos que vêm da rede pública (64%).  Também é comparativamente menor o percentual de pessoas que trabalham (76%) e de casados (53%). Além disso, mais pessoas deste grupo prestaram o Enem (38%).

E qual a percepção dos estudantes em relação à oferta da EAD no último ano, após a publicação do Decreto nº 9.057/2017?
O levantamento mostra que houve uma clara percepção de “aumento das opções de oferta” entre potenciais e atuais alunos e em todas as regiões do país. 78% dos entrevistados acreditam que a oferta de cursos EAD aumentou no último ano. A percepção de 20% foi de que se manteve e apenas 2% acha que diminuiu a oferta.

Além disso, os entrevistados acreditam que à medida que a oferta aumenta, os cursos a distância terão qualidade compatível com a dos presenciais, sendo que 62% considera que a qualidade das faculdades EAD ficará igual à das presenciais, 18% pensa que será ainda melhor e apenas 20% acredita que cairá.

Ainda em relação ao crescimento da oferta, a percepção quanto aos preços também varia, sendo que a expectativa de dois terços dos entrevistados é de que os valores das mensalidades tendem a diminuir. Para 66% os preços devem cair, 25% pensa que se manterão, e 9% teme um aumento das mensalidades.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Novo marco regulatório da educação superior - educação a distância

Entenda mais sobre a Portaria Normativa nº 11, de 20 de junho de 2017, que estabeleceu normas para o credenciamento de instituições e a oferta de cursos superiores a distância, em conformidade com o Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017.

ABMES defende EAD na área da saúde em audiência pública na Câmara dos Deputados

A ABMES participou, nesta terça-feira (12), de audiência pública da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados que debateu o PL 5414/16, que proíbe educação a distância para cursos da área de saúde.

Expansão de cursos a distância em saúde é debatido na Câmara

A expansão da EAD para cursos da área de saúde foi debatida na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados no último dia 8. A ABMES participou da audiência pública e defendeu um modelo híbrido de formação que junte a educação a distância com uma etapa presencial.

Nova regulamentação da EAD: O que muda para as IES (matéria)

A ABMES reuniu, em 4 de julho, representantes do governo e do setor particular de ensino superior para tratar do novo marco regulatório da educação a distância (EAD).

Legislação

PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 13 DE OUTUBRO DE 2011

Fixa critérios para a revalidação de diplomas concedidos por instituições estrangeiros, nos casos específicos de cursos oferecidos na modalidade de educação a distância (EAD).


PORTARIA INEP Nº 224, DE 28 DE JUNHO DE 2012

Designar os seguintes docentes para composição da Comissão de Revisão dos Instrumentos de Avaliação Institucional, presencial e EAD, e de Pólo de apoio presencial na Modalidade a Distância, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação de Educação Superior - SINAES:


INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 14 DE JANEIRO DE 2013

Dispõe sobre os procedimentos do fluxo dos processos de regulação de reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos na modalidade EAD.


DECRETO Nº 9.057, DE 25 DE MAIO DE 2017

Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.


PARECER CES-CNE Nº 128, DE 07 DE MARÇO DE 2018

Consulta sobre credenciamento em caráter provisório para oferta de cursos superiores na modalidade a distância.


Notícias

Os reflexos da crise nas faculdades particulares

Correio Braziliense: "Os alunos são um público cada vez mais exigente que não aceitará pagar para não ter algo satisfatório", observa Solon Caldas

Cortes reduzem em 80% número de alunos beneficiados pelo Fies

Correio do Estado: A redução ocorreu depois de mudanças no programa, iniciadas em 2015 e que endureceram as regras para liberação do financiamento; o cenário deve piorar

Estudantes de carreiras clássicas, com até 25 anos, predominam na graduação presencial

O estudo Educação superior em Minas Gerais: contexto e perspectivas, mostra que engenharia e TI são as áreas que mais absorvem alunos

Ensino a distância dribla a crise, ganha prestígio e cresce 11% em Minas

Números estão no estudo Educação superior em Minas Gerais: contexto e perspectivas, feito pela ABMES em parceria com a Educa Insights. O levantamento usou dados do Censo da Educação Superior, feito anualmente pelo Inep, e do Enade com o objetivo de fazer um diagnóstico da educação superior no estado

EAD impulsiona educação superior em Minas Gerais

Modalidade registrou crescimento quatro vezes superior ao verificado para graduações presenciais em instituições particulares de ensino

O EAD nas graduações de saúde

Ensino Superior a distância tem crescido e pode ser um forte instrumento para o desenvolvimento do país

Preconceito cai e capacitação online avança

Falta de tempo e comodidade são alguns dos fatores pelos quais profissionais de carreira ou autônomos optam por estudar em casa

Polos de EAD quase dobram após nova regra do MEC

No 2º semestre de 2017, total de cadastrados subiu 85%, saltando de 7,1 mil para 13,2 mil. Alunos de fora dos grandes centros foram beneficiados

Imagem do ensino a distância melhora

O tempo cada vez mais escasso e a sofisticação das escolas ajudam a moldar uma nova imagem para o ensino on-line

Coluna

Educação Superior Comentada | A nova regulamentação para oferta de educação a distância

Ano 5 - Nº 17 - 14 de junho de 2017

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, trata do Decreto nº 9.057 que regulamenta a educação a distância no Brasil. Com a nova legislação, instituições podem obter credenciamento exclusivamente para oferta de educação a distância, sem a obrigação da oferta na modalidade presencial

Educação Superior Comentada |A Portaria Normativa n° 11/2017 e as normas para oferta de educação a distância

Ano 5 - Nº 21 - 12 de julho de 2017

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, fala sobre a nova regulamentação da educação a distância no Brasil. Para o especialista, o Decreto n° 9.057/2017 e a Portaria Normativa n° 11/2017 trouxeram uma nova era para essa modalidade de ensino, na qual as instituições gozam de mais autonomia, inclusive para abertura dos polos de EAD

Educação Superior Comentada | A figura dos "cursos híbridos"

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, comenta sobre o crescimento dos chamados "cursos híbridos". Segundo o especialista, embora o marco regulatório para a educação superior não contemple a figura do “curso híbrido”, prevendo, exclusivamente, as modalidades de educação presencial ou a distância, a utilização dessa expressão, conquanto inadequada, por capaz de facilmente induzir a erro os consumidores, não configura ilegalidade

#CARTAASSOCIADOS