Detalhe

China cria estrela artificial mais quente que o Sol que pode ser futuro da energia

15/01/2019 | Por: Época | 212
Foto: Divulgação/Ye Hualong/China News Service/VCG

Imagine se pudéssemos substituir os combustíveis fósseis por nossas próprias estrelas. Mas não estamos falando de energia solar, mas de fusão nuclear. Alguns avanços recentes permitiram que ficássemos mais próximos dessa solução para a energia. O EAST (Tokamak Superconductor Experimental Advanced), reator de fusão baseado em Hefei, na China, é a prova disso.

O equipamento é capaz de gerar temperatiras seis vezes mais altas do que a do Sol. A fusão nuclar ocorre quando dois átomos se combinam em um único, formando um núcleo atômico maior. Nesse processo, há liberação de energia.

Mas há um empecilho técnico. Estrelas, como o Sol, são capazes de suportar grandes pressões geradas nesse processo. Por aqui na Terra, porém, não há (ainda) tecnologia que aguente a essa situação. De acordo com reportagem da Bussines Insider, felizmente, há outro caminho. É possível gerar fusões com temperaturas extremas. E é exatamente isso que dispositivos como o EAST fazem. Quanto mais alta a temperatura, mais rápido os átomos se movem e maior a probabilidade de eles colidirem.

A temperatura ideal para gerar a fusão é de 100 milhões de graus Celsius--ou seis vezes a temperatura maior do que a do Sol. Apenas alguns experimentos de fusão no mundo ultrapassaram esse marco. O mais recente foi o EAS, que sustentou a fusão nuclear por cerca de 10 segundos antes de desligar.

Embora o reator represente um avanço, ele está longe de gerar energia sustentável suficiente para a Terra. O EAST é pequeno. E com apenas alguns metros de diâmetro, ele realmente não deveria ser uma usina completa. A proposta é que ele nos ajude a projetar uma tecnologia de fusão mais eficaz que possa, um dia, abastecer cidades inteiras.

O ITER, abreviação de Reator Termonuclear Experimental Internacional, foi o maior projeto de fusão nuclear criado no mundo até hoje e contou com envolvimento de 35 países. Todo o esforço e investimento valeram a pena e continuam valendo. Os reatores de fusão não produzem praticamente nenhum resíduo radioativo, em comparação com as usinas de fissão nuclear atuais.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Em 2019, conheça a China com a ABMES!

Rússia, Israel e agora China: as delegações internacionais da ABMES conectam atores educacionais brasileiros com importantes instituições de educação mundiais e propiciam troca de experiências únicas entre os países!

Em 2019 conheceremos a China, que é o maior produtor de doutores universitários do mundo, tem 95% de sua população alfabetizada e lidera o ranking mundial de valorização dos professores.

A programação está imperdível e as vagas são limitadas.

Notícias

Ásia retoma seu lugar como centro do mundo

Economistas, cientistas políticos e especialistas em países emergentes vêm há décadas especulando sobre a chegada da Era Asiática, o ponto de inflexão quando o continente se tornará o centro do mundo

O crescimento exponencial e a China

A sociedade chinesa é sem duvida alguma a mais antiga e maior nação organizada em vigor nos dias de hoje

A extraordinária Xangai

A parceria que a China mantem com aproximadamente 70 países, garante o reconhecimento de suas qualificações acadêmicas e traz importantes campi de instituições de ensino renomadas

Revista internacional publica dados sobre educação superior na China

Edição da International Higher Education traz informações baseadas em dados do Ministério da Educação chinês

Embaixador da China no Brasil é apresentado à 3ª Delegação ABMES Internacional

Encontro aconteceu na residência oficial do embaixador, em Brasília/DF, e resultou no comprometimento da representação para a colaborar no diálogo com as instituições chinesas

Pequim volta a ter céu azul depois de 20 anos de intensa poluição

A guerra contra a poluição começou em Pequim em 1998

Por que estudar na China?

A China é o novo horizonte de tecnologia

ONU Meio Ambiente destaca avanços da China na restauração ecológica de larga escala

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), cerca de 21,9%, ou 206.861.000 hectares da China, foram reflorestados em 2010

O que podemos aprender com a China?

Essa atitude de se colocar como aprendiz é algo que a China executa com excelência

Reformas econômicas: 9 gráficos que mostram a transformação da China em 40 anos

Ao fazer mudanças nas regras que regem sua economia e uma gradual abertura para o resto do mundo, o país conseguiu tirar centenas de milhões da pobreza e aumentar o seu PIB em mais de nove vezes.

Sonda chinesa pousa no lado oculto da Lua pela primeira vez na história

Com a missão, país se coloca em destaque na corrida espacial. Objetivo é estudar a composição dessa parte do satélite, que não pode ser vista da Terra