Detalhe

Pequim volta a ter céu azul depois de 20 anos de intensa poluição

11/03/2019 | Por: Valor Econômico | 163
Foto: Divulgação/ Valor Econômico

Pequim voltou a ter céus azuis depois de 20 anos de intensa poluição. A capital chinesa, que promove um ambicioso plano para controlar poluentes há duas décadas, está demonstrando que é possível distanciar crescimento econômico de danos e impactos ambientais.

Durante os últimos 20 anos, o Produto Interno Bruto (PIB) de Pequim cresceu 6,5% ao ano, um aumento de 10,8 vezes. Ao mesmo tempo, as concentrações anuais de poluentes derivados da queima de combustíveis fósseis em carros e ônibus, e do carvão das usinas térmicas, caíram consideravelmente.

A guerra contra a poluição começou em Pequim em 1998. Em 20 anos, as concentrações de dióxido de enxofre (SO2 ), dióxido de nitrogênio (NO2 ) e material particulado (PM10) caíram respectivamente 93,3%, 37,8% e 55,3%.

No período o PIB da cidade cresceu 1078%, a população aumentou 74% e o número de carros, 335% no final de 2017.

Os dados fazem parte do relatório “Avaliação de 20 anos de controle da poluição do ar em Pequim” lançado ontem durante o Fórum de Ciências, Negócios e Políticas Públicas da ONU Meio Ambiente que acontece este fim de semana em Nairóbi, capital do Quênia. Há 2000 participantes de empresas, governos e pesquisadores do mundo todo.

“Para ter sucesso em esforços do gênero é preciso ter mensagens simples e falar algo que as pessoas nas ruas possam entender”, diz Dechen Tsering, diretora da ONU Meio Ambiente . “Conquistar novamente a visão do céu azul é uma boa ideia para comunicar uma iniciativa como esta e fazer com que o público se sinta incluído no esforço”, continua.

“O controle da poluição em Pequim tem quatro eixos-chave”, diz Yu Jianhua, vice-diretor geral do Escritório de Ecologia e Meio Ambiente Municipal. O primeiro é construir um sistema de monitoramento da qualidade do ar eficiente. O segundo, trabalhar ao mesmo tempo na cidade e na região. O terceiro aspecto é buscar novas tecnologias e, finalmente, envolver toda a sociedade na iniciativa.

Em 2013, foram espalhadas pela capital chinesa 35 estações de monitoramento do ar que podem controlar as concentrações de seis poluentes, além de uma rede de mil sensores de material particulado (MP 2.5).

O programa de controle do ar é abrangente e busca evitar episódios recorrentes de altos níveis de poluição causados pelos carros e pelas térmicas a carvão e que provocaram sérios problemas de saúde pública.

As ações buscaram trocar térmicas a carvão por usinas movidas a gás. A política, iniciada em 2005, reduziu a queima de carvão em 11 milhões de toneladas em 2017.

Outra frente foi de criar políticas públicas de incentivo a opções ambientalmente mais limpas. Investimentos em sistemas de transporte público foram cruciais, destaca o professor He Kebin, da Universidade Tsinghua.

Os maiores avanços foram conseguidos no período entre 2013 e 2017, quando surgiu o “Clean Air Action Plan”. O esforço incluiu 28 cidades vizinhas a Pequim.

“A Cidade do México, Santiago, São Paulo, Nova Déli e Hong Kong fizeram avanços no combate à poluição do ar”, diz o consultor internacional Michael Walsh, que trabalhou em todos os casos. “Mas nenhuma delas teve um programa continuado de combate à poluição como Pequim”.

Walsh diz que é preciso analisar os congestionamentos, o padrão das emissões veiculares e a infraestrutura de transporte, além de ter metas claras e bases científicas sólidas para que as cidades consigam bons resultados no combate à poluição do ar.

Ele lembra que Pequim incentivou o abandono de carros velhos, com programas específicos, para lidar com uma questão social. Pessoas mais carentes costumam ser donas de veículos mais antigos e mais poluentes, situação que também ocorre em São Paulo, por exemplo.

Os desafios para o futuro da capital chinesa são conseguir avançar na redução das concentrações de ozônio, melhorar a eficiência energética e seguir investindo na malha de transporte público.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Em 2019, conheça a China com a ABMES!

Rússia, Israel e agora China: as delegações internacionais da ABMES conectam atores educacionais brasileiros com importantes instituições de educação mundiais e propiciam troca de experiências únicas entre os países!

Em 2019 conheceremos a China, que é o maior produtor de doutores universitários do mundo, tem 95% de sua população alfabetizada e lidera o ranking mundial de valorização dos professores.

Vem aí a 3ª Delegação ABMES Internacional - China Experience

Em 2019 a ABMES realizará sua 3ª missão internacional. Os participantes terão a oportunidade de conhecer a China, maior país da Ásia Oriental e o mais populoso do mundo. Interessados em participar da viagem podem entrar em contato pelo e-mail relacionamento@abmes.org.br. Mais informações em breve

Notícias

#VamosConhecer: Zhejiang University of Finance and Economics (ZUFEF

Em outubro de 2019, participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional quatro escolas da instituição

Os fatores que transformaram a China em uma potência da inovação

Empresários compartilham aprendizados após expedição ao gigante oriental

#VamosConhecer: Beijing Language and Culture University (BLCU)

Delegação ABMES conhecerá a Faculdade de Línguas Estrangeiras, bem como os departamentos de Língua Chinesa e Artes da instituição

12 universidades chinesas entram em ranking das melhores do mundo

A Universidade de Tsinghua, a melhor classificada, ficou na 16ª posição e a maioria das universidades apresentou melhora no indicador Citations per Faculty da QS

#VamosConhecer: The Chinese University of Hong Kong

Integrantes da 3ª Delegação ABMES visitarão a Business School da universidade em outro de 2019

China quer ampliar acesso ao Gaokao, o Enem do país

Mais de 10 milhões estão inscritos para realizar a prova, maior número da década

#VamosConhecer: City University of Macau

Participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional conhecerão dois centros da instituição

#VamosConhecer: Fudan University

Instituição receberá os participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional - China Experience

China, fábrica de startups

Temos muito a aprender com o país asiático, um dos nossos principais parceiros comerciais e que vem demonstrando estar muito à frente em diversos setores

Ásia retoma seu lugar como centro do mundo

Economistas, cientistas políticos e especialistas em países emergentes vêm há décadas especulando sobre a chegada da Era Asiática, o ponto de inflexão quando o continente se tornará o centro do mundo

O crescimento exponencial e a China

A sociedade chinesa é sem duvida alguma a mais antiga e maior nação organizada em vigor nos dias de hoje

A extraordinária Xangai

A parceria que a China mantem com aproximadamente 70 países, garante o reconhecimento de suas qualificações acadêmicas e traz importantes campi de instituições de ensino renomadas

Revista internacional publica dados sobre educação superior na China

Edição da International Higher Education traz informações baseadas em dados do Ministério da Educação chinês

Embaixador da China no Brasil é apresentado à 3ª Delegação ABMES Internacional

Encontro aconteceu na residência oficial do embaixador, em Brasília/DF, e resultou no comprometimento da representação para a colaborar no diálogo com as instituições chinesas

Por que estudar na China?

A China é o novo horizonte de tecnologia

China cria estrela artificial mais quente que o Sol que pode ser futuro da energia

Experimento faz com que átomos se movam rapidamente para aumentar a probabilidade de eles colidirem e gerar pressão para a fusão nuclear

ONU Meio Ambiente destaca avanços da China na restauração ecológica de larga escala

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), cerca de 21,9%, ou 206.861.000 hectares da China, foram reflorestados em 2010

O que podemos aprender com a China?

Essa atitude de se colocar como aprendiz é algo que a China executa com excelência

Reformas econômicas: 9 gráficos que mostram a transformação da China em 40 anos

Ao fazer mudanças nas regras que regem sua economia e uma gradual abertura para o resto do mundo, o país conseguiu tirar centenas de milhões da pobreza e aumentar o seu PIB em mais de nove vezes.

Sonda chinesa pousa no lado oculto da Lua pela primeira vez na história

Com a missão, país se coloca em destaque na corrida espacial. Objetivo é estudar a composição dessa parte do satélite, que não pode ser vista da Terra