Detalhe

Ásia retoma seu lugar como centro do mundo

01/04/2019 | Por: Valor Econômico | 1389
Foto: Divulgação/ Valor Econômico

A Ásia já é lar de mais da metade da população do mundo. Das 30 maiores cidades do planeta, 21 estão na Ásia, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). Em 2019, a Ásia também se tornará lar de metade da classe média mundial - grupo definido por uma renda per capita diária entre US$ 10 e US$ 100, pela paridade do poder de compra (PPP, na sigla em inglês) de 2005.

Desde 2007, os asiáticos vêm comprando mais carros e caminhões anualmente do que os habitantes de qualquer outra região. Por volta de 2030, estarão comprando mais veículos por ano do que os de todas as outras regiões do mundo somadas, de acordo com a LMC Automotive.

Líderes na região começam a falar mais abertamente sobre a mudança. "Agora, o continente se encontra no centro da atividade econômica mundial", disse o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, no encontro anual passado do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, na sigla em inglês). "[A Ásia] se tornou o principal motor de crescimento do mundo. Na verdade, agora estamos vivendo o que muitos denominaram o Século Asiático", disse.

Então, quando a Era Asiática realmente vai começar?

O "Financial Times" analisou os dados disponíveis e concluiu que as economias asiáticas, segundo a definição da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad), serão maiores do que o resto do mundo somado em 2020 - pela primeira vez desde o século XIX. Os números mostram que o século asiático começa no próximo ano.

Em termos de comparação, a Ásia representava cerca de 35% da produção mundial no ano 2000.

Para fazer as contas, o "FT" examinou dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre o Produto Interno Bruto (PIB) incluindo ajustes para as diferenças de preço entre os países. Esse método, que avalia as economias pela PPP, é amplamente considerado o mais relevante, já que leva em conta o que as pessoas podem comprar nos países em desenvolvimento, onde os preços são normalmente mais baixos.

Mesmo pelo método dos valores de mercado, a Ásia já representa 38% da produção mundial, de uma fatia de 26% no início do século.

O que explica o eclipse da economia do resto do mundo pela asiática? A ascensão da China e da Índia explica boa parte dessa tendência. A China China China atualmente é uma economia maior que os EUA em PPP. Representa 19% da produção mundial prevista para este ano, mais do que o dobro dos 7% registrados em 2000. A Índia agora é a terceira maior economia do mundo. Seu PIB é duas vezes maior que o da Alemanha ou do Japão, que em 2000 tinham economias maiores do que a indiana, pela PPP.

A entrada iminente na Era Asiática também se explica pelo crescimento dos países menores e médios. A Indonésia caminha para ser a sétima maior economia do mundo, pela PPP, em 2020 e vai superar a Rússia como sexta maior, em 2023.

O Vietnã, uma das economias asiáticas de maior expansão, superou 17 países na classificação de economias pela PPP desde 2000, incluindo a Bélgica e a Suíça. As Filipinas agora são uma economia maior do que a Holanda, enquanto Bangladesh superou 13 outras economias nos últimos 20 anos.

A recente ascensão da Ásia, que começou com o avanço do Japão no pósguerra, representa um retorno ao padrão histórico. A Ásia dominou a economia mundial durante a maior parte da história humana até o século XIX.

"Em torno ao fim do século XVII, a Europa olhava com admiração e inveja para uma região do globo que concentrava [...] mais de dois terços do PIB do mundo e três quartos da população", disse Andrea Colli, professor de história econômica na universidade de Bocconi, na Itália.

No século XVIII, a participação da Índia na economia mundial era tão grande quanto a da Europa, segundo o escritor e político indiano Shashi Tharoor.

Nos três séculos seguintes, o papel da Ásia no mundo foi encolhendo, à medida que as economias ocidentais decolavam, impulsionadas pelo que os acadêmicos chamam de Revolução Científica, seguida pelo Iluminismo e pela Revolução Industrial.

"O que se estamos vendo agora é a grande reversão", diz Joel Mokyr, professor da Northwestern University. "Entre 1500 e 1750, a Europa mudou dramaticamente; o resto do mundo, não."

Por volta dos anos 1950, a Ásia representava menos de 20% da produção do mundo, apesar de ter mais da metade da população.

"No século XIX, a Ásia transformou-se do centro produtivo do mundo em uma clássica economia subdesenvolvida, exportando commodities agrícolas", disse Bob Allen, professor de história econômica da Universidade de Nova York em Abu Dhabi.

Nas últimas décadas, entretanto, essa tendência mudou.

A ascensão impressionante do Japão e da Coreia do Sul, os primeiros países na Ásia a se equiparar ao Ocidente, ficou parecendo nanica perto do forte desenvolvimento da China depois da China introdução das reformas voltadas ao mercado pelo líder chinês Deng Xiaoping no fim dos anos 1970.

Em apenas duas gerações, uma "combinação bem-sucedida de integração com a economia mundial via comércio e investimentos externos diretos; de alto índice de poupança; de grandes investimentos em capital humano e físico; e de políticas macroeconômicas sólidas" contribuiu para o salto econômico da Ásia, segundo o mais recente panorama regional do FMI organizado por Koshy Mathai.

"O período de dois séculos do Ocidente como potência mundial está no fim", argumenta Kishore Mahbubani em seu livro mais recente "A Queda do Ocidente?".

Nos últimos 50 anos, centenas de milhões de pessoas na Ásia foram tiradas da pobreza e muitos países asiáticos passaram a ter o status de economias avançadas ou de renda média, segundo as definições do Banco Mundial.

A Ásia continua sendo mais pobre do que o resto do mundo, mas a diferença vem encolhendo. O PIB per capita da China, pela PPP, ainda é cerca de 35% China do americano e 44% do europeu. O PIB per capita da Índia é cerca de 20% do europeu, de acordo com dados do FMI.

Desde 2000, contudo, a diferença nos PIBs per capita da China e da Índia em China relação aos dos EUA e Europa diminuiu muito. Ao longo desse período, a China se tornou quase cinco vezes mais rica que a África subsaariana, em China produção média per capita, sendo que em meados dos anos 90, as duas regiões estava em níveis parecidos.

A Ásia, seja qual for o critério usado, está prestes a reocupar o centro do palco econômico mundial. Quando o fizer, "o mundo vai ter feito um círculo completo", disse o professor Allen.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

ABMES em Hong Kong

A 3ª Delegação ABMES Internacional - China Experience também esteve em Hong Kong. O grupo teve a oportunidade de conhecer um pouco sobre a cultura e tradição local

Confira como foi a 3ª Delegação ABMES Internacional

A 3ª Delegação ABMES Internacional - China Experience vivenciou 15 dias de muito trabalho, aprendizado, inovação, experiências únicas e diversão. O grupo percorreu quase 40 mil quilômetros, passando por cidades que convivem com a cultura milenar e conhecendo inovações que estão revolucionando o mundo, especialmente na área da educação

Em Macau, ABMES firma cooperação com mais uma universidade chinesa

Em sua passagem por Macau, região autônoma na costa sul da China continental, a 3ª Delegação ABMES Internacional – China Experience assinou mais um Memorando de Entendimento (MOU) com a City University of Macau (CityU). O acordo tem como objetivo incluir o Brasil nos programas de cooperação que a universidade possui com mais de dez entidades internacionais

ABMES em Xangai!

Em Xangai, a 3ª Delegação ABMES Internacional visitou três instituições: a Fudan University, terceira maior universidade da China, a Shanghai University of Traditional Chinese Medicine (SHUTCM) e Shanghai University of Finance & Economics (SUFE). Além disso, os brasileiros puderam conhecer um pouco mais sobre a cultura local

Delegação ABMES debate ampliação de intercâmbio em Hangzhou

O domingo também foi dia de networking e aprendizado para a 3ª Delegação ABMES Internacional! No dia 20/10, o grupo visitou a universidade pública Zhejiang University Of Finance And Economics (ZUFE). Localizada em Hangzhou, a instituição é especializada em cursos nas áreas de Finanças e Contabilidade. No mesmo dia, a delegação conheceu ainda uma das maiores plantações de chá do mundo

ABMES sela acordos importantes em Pequim!

A passagem da 3ª Delegação ABMES Internacional por Pequim, capital da China, foi marcada por importantes acordos selados entre instituições brasileiras e chinesas, bem como por visitas a lugares repletos de inovações e tecnologias de ponta

Passagem da delegação ABMES pela Cidade Proibida, na China

As delegações internacionais da ABMES vão além do intercâmbio acadêmico e tecnológico, elas também proporcionam aos participantes uma rica agenda cultural. No dia 17/10, o grupo teve a oportunidade de conhecer a Cidade Proibida e Praça da Paz Celestial, alguns dos locais mais importantes para a história da China

Embaixador do Brasil na China recebe a 3ª Delegação ABMES Internacional em Pequim

Na segunda-feira (14/10) o embaixador do Brasil na China, Paulo Estivallet de Mesquita, recebeu os membros da 3ª Delegação ABMES Internacional em um coquetel realizado na sede da embaixada em Pequim. A importância da aproximação cada vez maior entre os dois países foi o tema central do encontro

Delegação ABMES desembarca na China!

A 3ª Delegação ABMES Internacional desembarcou na China no domingo (13/10). A comitiva teve como compromisso inicial uma visita à Muralha da China, reconhecida como uma das sete maravilhas do mundo moderno. Após o passeio, foi realizado um almoço de boas-vindas na própria Muralha, oferecido pela empresa Pearson, para apresentação e alinhamento da delegação

Passagem da 3ª Delegação ABMES Internacional por Dubai e Abu Dhabi

Antes de chegar ao seu destino principal, a China, a 3ª Delegação ABMES Internacional passou por Dubai e Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, e durante dois dias tiveram a oportunidade de conhecer um pouco da cultura local

Recepção dos participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional

Janguiê Diniz, vice-presidente da ABMES, recepciona os participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional no aeroporto de São Paulo/SP rumo à China!

Meet ABMES! (Subtitled in chinese)

Founded in August 1982, the ABMES brings together the entities that maintain the higher education throughout the country in order to represent them in various governmental and non-governmental bodies with the objective of contributing to the strengthening of private higher education in Brazil. Watch in this video (with chinese subtitles) a little about the actions, projects, main guidelines and benefits to ABMES members

Em 2019, conheça a China com a ABMES!

Rússia, Israel e agora China: as delegações internacionais da ABMES conectam atores educacionais brasileiros com importantes instituições de educação mundiais e propiciam troca de experiências únicas entre os países!

Em 2019 conheceremos a China, que é o maior produtor de doutores universitários do mundo, tem 95% de sua população alfabetizada e lidera o ranking mundial de valorização dos professores.

Vem aí a 3ª Delegação ABMES Internacional - China Experience

Em 2019 a ABMES realizará sua 3ª missão internacional. Os participantes terão a oportunidade de conhecer a China, maior país da Ásia Oriental e o mais populoso do mundo. Interessados em participar da viagem podem entrar em contato pelo e-mail relacionamento@abmes.org.br. Mais informações em breve

Notícias

Unis cria modelo de intercâmbio para aluno que estuda e trabalha

Instituição de Varginha (MG) fez parcerias com empresas e hoje envia estudantes brasileiros para programas em 25 países

Influência ocidental e parceria privada

A instituição hoje é uma das mais respeitadas da China e também uma das mais procuradas pelos estrangeiros

China quer estrangeiros nas universidades

Em visita a China, a 3ª Delegação ABMES Internacional fecha parceria com algumas das mais renomadas universidades

Estratégia do Brasil de se aliar aos EUA em detrimento da China é um erro, diz especialista

"É um tiro no pé", afirma o consultor Evandro Menezes de Carvalho, consultor especializado em China e professor da FGV-Rio

Delegação Internacional da ABMES visita a Faculdade de Direito da Universidade de Finanças e Economia de Xangai

Delegação Internacional da ABMES visitou a Universidade de Finanças e Economia de Xangai e fecharam parcerias

Missão Educacional na China

Dirigentes do Grupo Dom Bosco fazem parte da 3ª Delegação ABMES Internacional com destino a China

Grupo Unis compõe delegação internacional que busca estabelecer parcerias com universidades da China

Com o objetivo de firmar parcerias com o país, representantes do Grupo Unis compõem a 3ª Delegação ABMES Internacional na China

Grupo Unis compõe delegação internacional que busca estabelecer parcerias com universidades da China

Representantes Grupo Unis participam da 3ª Delegação ABMES Internacional

Em Macau, delegação brasileira firma cooperação com mais uma universidade chinesa

Com foco em turismo internacional e gestão, o Memorando de Entendimento foi assinado com a City University of Macau

Instituições brasileiras e chinesas assinam parceria para cooperação internacional

Até o momento, já foram três convênios assinados por participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional

Delegação ABMES debate ampliação de intercâmbio acadêmico com universidade da província de Zhejiang, na China

Além de encontrar líderes da universidade, o grupo de brasileiros visitou diversas escolas da instituição no último domingo (20/10)

Universidade chinesa propõe criação de fundação para parcerias educacionais com o Brasil

Proposta foi apresentada à delegação ABMES internacional pelo representante da Shanghai University of Finance & Economics

Gestores e educadores brasileiros conhecem programas de formação em Medicina Tradicional Chinesa

Participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional visitaram a sede da Shanghai University of Traditional Chinese Medicine

Delegação brasileira debate parcerias com a terceira maior universidade da China

Diretor presidente da ABMES apresentou o setor de educação superior particular brasileiro e destacou o crescimento da EAD no país

Diretoras do Grupo Dom Bosco/UNDB em missão educacional na China

Educadoras da 3ª Delegação ABMES Internacional - China Experience prospectam parcerias com algumas das principais instituições de educação chinesas

Delegação ABMES visita "Vale do Silício Chinês"

Local reúne empreendimentos de alta tecnologia, chineses e internacionais, que lideram o desenvolvimento do mundo digital

Instituições de ensino superior brasileiras esperam aprofundar a cooperação com a China

Durante a visita da 3ª Delegação à China, dirigentes aproveitam o momento de aproximação para discutir sobre colaborações acadêmicas

Na China, cada vez mais gente aprende a falar português

Jornal Valor Econômico acompanhou a assinatura de Memorando de Entendimento entre a BLCU e a ABMES, em Pequim, na China

ABMES assina acordo de cooperação com universidade chinesa

Memorando que visa promover o intercâmbio cultural e acadêmico foi assinado durante a visita da 3ª Delegação ABMES Internacional à instituição

Embaixador do Brasil na China recebe a 3ª Delegação ABMES Internacional em Pequim

Em coquetel realizado na sede da embaixada, Paulo Estivallet de Mesquita falou sobre o momento de aproximação e oportunidades entre os dois países

#VamosConhecer: Beihang University

Os membros da 3ª Delegação ABMES Internacional conhecerão o Laboratório Estatal de Tecnologia e Sistemas de Realidade Virtual (State Key Lab) que funciona dentro da instituição

#VamosConhecer: Shanghai University of Traditional Chinese Medicine (SHUTCM)

Os participantes da delegação ABMES realizarão um tour pela universidade e terão a oportunidade de debater sobre alguns cursos oferecidos

#VamosConhecer: Shanghai University of Finance & Economics - School of Law

Em Xangai, a delegação ABMES visitará a escola de direito da principal universidade financeira da China

Mais perto da China

Talvez tenha chegado o momento de maior empenho de nossas autoridades no comércio exterior

#VamosConhecer: Zhongguancun Software Park (Z-park)

Integrantes da delegação ABMES visitarão cinco empresas que fazem parte do Vale do Silício Chinês, em Pequim

Plataforma reúne informações sobre educação superior chinesa e de países de língua portuguesa

Ferramenta incentiva interação e intercâmbio multilateral entre instituições membros

#VamosConhecer: National Institute of Cultural Development

Localizado em Pequim, o local foi criado com o objetivo de desenvolver o comércio cultural e exportar a cultura chinesa

#VamosConhecer: Zhejiang University of Finance and Economics (ZUFEF)

Em outubro de 2019, participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional quatro escolas da instituição

Os fatores que transformaram a China em uma potência da inovação

Empresários compartilham aprendizados após expedição ao gigante oriental

#VamosConhecer: Beijing Language and Culture University (BLCU)

Delegação ABMES conhecerá a Faculdade de Línguas Estrangeiras, bem como os departamentos de Língua Chinesa e Artes da instituição

12 universidades chinesas entram em ranking das melhores do mundo

A Universidade de Tsinghua, a melhor classificada, ficou na 16ª posição e a maioria das universidades apresentou melhora no indicador Citations per Faculty da QS

#VamosConhecer: The Chinese University of Hong Kong

Integrantes da 3ª Delegação ABMES visitarão a Business School da universidade em outro de 2019

China quer ampliar acesso ao Gaokao, o Enem do país

Mais de 10 milhões estão inscritos para realizar a prova, maior número da década

#VamosConhecer: City University of Macau

Participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional conhecerão dois centros da instituição

#VamosConhecer: Fudan University

Instituição receberá os participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional - China Experience

China, fábrica de startups

Temos muito a aprender com o país asiático, um dos nossos principais parceiros comerciais e que vem demonstrando estar muito à frente em diversos setores

O crescimento exponencial e a China

A sociedade chinesa é sem duvida alguma a mais antiga e maior nação organizada em vigor nos dias de hoje

A extraordinária Xangai

A parceria que a China mantem com aproximadamente 70 países, garante o reconhecimento de suas qualificações acadêmicas e traz importantes campi de instituições de ensino renomadas

Revista internacional publica dados sobre educação superior na China

Edição da International Higher Education traz informações baseadas em dados do Ministério da Educação chinês

Embaixador da China no Brasil é apresentado à 3ª Delegação ABMES Internacional

Encontro aconteceu na residência oficial do embaixador, em Brasília/DF, e resultou no comprometimento da representação para a colaborar no diálogo com as instituições chinesas

Pequim volta a ter céu azul depois de 20 anos de intensa poluição

A guerra contra a poluição começou em Pequim em 1998

Por que estudar na China?

A China é o novo horizonte de tecnologia

China cria estrela artificial mais quente que o Sol que pode ser futuro da energia

Experimento faz com que átomos se movam rapidamente para aumentar a probabilidade de eles colidirem e gerar pressão para a fusão nuclear

ONU Meio Ambiente destaca avanços da China na restauração ecológica de larga escala

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), cerca de 21,9%, ou 206.861.000 hectares da China, foram reflorestados em 2010

O que podemos aprender com a China?

Essa atitude de se colocar como aprendiz é algo que a China executa com excelência

Portal online reúne informações sobre programas e bolsas de estudo em universidades chinesas

Objetivo do portal é encontrar oportunidades para estudantes estrangeiros de forma rápida, eficiente e com um bom custo-benefício

Reformas econômicas: 9 gráficos que mostram a transformação da China em 40 anos

Ao fazer mudanças nas regras que regem sua economia e uma gradual abertura para o resto do mundo, o país conseguiu tirar centenas de milhões da pobreza e aumentar o seu PIB em mais de nove vezes.

Sonda chinesa pousa no lado oculto da Lua pela primeira vez na história

Com a missão, país se coloca em destaque na corrida espacial. Objetivo é estudar a composição dessa parte do satélite, que não pode ser vista da Terra