Detalhe

Faculdades defendem ampliação em limite de renda para Fies

29/05/2023 | Por: Valor Econômico | 2660

Nas discussões sobre a reformulação do programa de financiamento estudantil (Fies) que estão sendo tratadas com o governo, o setor de ensino superior está defendendo várias mudanças. Entre elas, estão o aumento nos limites de renda, concessão de financiamento de 100% da mensalidade, amortização do empréstimo atrelada ao rendimento do aluno após formado, carência de pagamento para aqueles que perderem o emprego e priorizar o Fies para carreiras de maior empregabilidade.

A Associação Brasileira das Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) vem pedindo que o financiamento seja estendido a alunos com renda per capita acima de três salários mínimos. Hoje, o Fies atende o público com rendimentos entre 1,5 e 3 salários e na maioria dos casos financia 50% da mensalidade.

Já no ProUni, programa em que a faculdade concede bolsas a estudantes em troca de isenção de impostos, há duas propostas. Uma delas é permitir que alunos com renda per capita de até 3 salários consigam uma bolsa integral. Hoje, esse benefício só é acessível àqueles com ganhos de até 1,5 salário. A outra sugestão é a criação de uma terceira edição do Proies, programa para faculdades com passivo tributário que permite converter até 90% das dívidas em bolsas do ProUni. Para a Abmes, com a retomada do programa pode ser possível criar 300 mil bolsas.

Segundo Celso Niskier, presidente da Abmes, as alterações no Fies podem ampliar o número de inscritos e reduzir taxas de inadimplência. Atualmente, menos da metade das vagas do programa são preenchidas, uma vez que o aluno com renda de até 3 salários mínimos, muitas vezes não consegue obter nota mínima exigida no Enem. Até março, a inadimplência do Fies somava R$ 11 bilhões.

A demanda pelo programa estudantil do governo vem caindo enquanto a procura pelo crédito universitário privado cresce

No primeiro semestre, o Fies recebeu 205,1 mil inscritos para 67,3 mil vagas ofertadas. Mas, a expectativa é que só a metade seja efetivamente preenchida. Já o Pravaler, crédito estudantil privado, recebeu 500 mil interessados nos últimos três meses e a estimativa é que esse número atinja 1,3 milhão no fim do ano.

“Atendemos públicos com a mesma renda do Fies, o sistema de contratação do nosso financiamento é menos burocrático. Além disso, ampliamos a oferta de produtos e de faculdades parceiras”, disse Beto Dantas, diretor de operações do Pravaler. A diferença para o Fies é que a empresa tem critérios de risco mais rigorosos na concessão de empréstimo. O Pravaler se reuniu com o MEC para apresentar seu modelo de negócio. “O MEC está aberto para ter uma empresa privada fazendo esse trabalho de acompanhamento de dados”, disse Dantas.


Conteúdo Relacionado

Notícias

MEC pede que INSS e Receita rastreiem devedores do Fies antes de tentar novo viés social para o programa, diz Camilo

Ministro da Educação não deu detalhes sobre as novas regras, que, segundo ele, deverão ser apresentadas em breve por meio de um projeto de lei ou medida provisória

ABMES participa de seminário sobre Financiamento Estudantil promovido pelo MEC

Bruno Coimbra compôs a mesa “Experiências com a seleção de vagas no Fies I” e, em sua fala, fez um breve resumo do que tem sido discutido sobre o Fies nos últimos anos

ABMES propõe Fies integral e que pagamento de desempregados seja suspenso

Além disso, a entidade cobra para que haja uma definição mais clara sobre como o financiamento é cobrado

O resgate dos nem-nem

36% dos brasileiros com idades entre 18 e 24 anos não estudam e nem trabalham