Educação Superior Comentada | As normas que regulamentam a oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu

Ano 1 . Nº 27 . De 3 a 9 de setembro de 2013

A Coluna do Gustavo desta semana analisa as normas que regulamentam a oferta dos cursos de pós-graduação Lato Sensu

09/09/2013 | Por: Gustavo Fagundes | 9302

AS NORMAS QUE REGULAMENTAM A OFERTA DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Atualmente, a oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu é regulamentada pela Resolução CES/CNE 1/2007, a qual foi objeto, recentemente, da edição da Nota Técnica nº 388/2013 – CGLNRS/DPR/SERES/MEC, que traz esclarecimentos sobre as dúvidas mais frequentes sobre os cursos de pós-graduação lato sensu.

Este tema tem suscitado algum controvertimento, decorrente de interpretações extremamente flexíveis acerca do conteúdo da prefalada Resolução CES/CNE nº 1/2007, o que ocasionou a tentativa do MEC de uniformizar entendimentos sobre o tema, sanando as dúvidas mais frequentes por meio dos esclarecimentos contidos na Nota Técnica nº 388/2013 – CGLNRS/DPR/SERES/MEC.

Antes de discorrer, ainda que de forma sucinta, sobre os principais aspectos dos esclarecimentos lançados na mencionada Nota Técnica, é fundamental registrar que a mesma não traz qualquer inovação na discussão do tema, limitando-se a esclarecer alguns pontos sabidamente controvertidos sobre o mesmo, a partir da interpretação de dispositivos constantes da Lei nº 9.394/1996 – LDB e da prefalada Resolução CES/CNE nº 1/2007.

Entre os aspectos mais polêmicos da regulamentação acerca da oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu, certamente dois temas muito controversos são a permissividade na facilitação de acesso aos mesmos e à possibilidade de sua oferta mediante celebração de convênios.

Cumprindo o objetivo precípuo desta coluna, que é promover o debate dos temas ligados à legislação educacional, apreciando as questões relevantes sob os prismas estabelecidos pelos princípios constitucionais e legais vigentes, e seguindo o roteiro lógico adotado pela referida Nota Técnica, julgamos pertinente apresentar ao leitor algumas informações objetivas, buscando esclarecer os pontos controversos relativos à oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu:

*A oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu, no que pertine às instituições particulares, está regulamentada, essencialmente, pela Lei nº 9.394/1996 (LDB) e pela Resolução CES/CNE nº 1/2007, haja vista que as Resoluções CES/CNE nºs 4/2011 e 7/2011 tratam da questão do credenciamento especial para oferta exclusiva dessa modalidade de curso, bem como por dispositivos contidos na Portaria Normativa nº 40/2007, sendo impositivo registrar que o acesso a estes cursos é restrito a estudantes portadores de diploma de curso superior, nos exatos termos do disposto no inciso III do artigo 44 da LDB:

 

“Art. 44. A educação superior abrangerá os seguintes cursos e programas:

...

III - de pós-graduação, compreendendo programas de mestrado e doutorado, cursos de especialização, aperfeiçoamento e outros, abertos a candidatos diplomados em cursos de graduação e que atendam às exigências das instituições de ensino;”. 

 

*No que diz respeito à regulamentação constante da Resolução CES/CNE 1/2007, cumpre destacar os seguintes aspectos, por serem aqueles que mais suscitam controvertimento: 

 

A duração mínima dos cursos de pós-graduação lato sensu deve ser de 360 horas, sem incluir o tempo de estudo individual ou em grupo sem assistência docente e aquele obrigatoriamente reservado para elaboração individual de trabalho de conclusão de curso;

O corpo docente deve ser constituído, pelo menos, por 50% de docentes com titulação obtida em programas de pós-graduação stricto sensu, devendo os demais ser especialistas ou portadores de reconhecida capacidade técnico-profissional;

O curso deve prever a realização presencial das avaliações e da defesa do trabalho de conclusão de curso, esta obrigatória nos cursos ofertados na modalidade à distância;

O certificado, emitido e registrado obrigatoriamente pela instituição devidamente credenciada e que efetivamente ministrou o curso, somente pode ser expedido para os estudantes que tenham obtido aprovação segundo os critérios previamente estabelecidos no respectivo programa e que tenham frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) na modalidade presencial.

*No segmento particular, a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu somente é possível para as instituições devidamente credenciadas, ou seja, faculdades, centros universitários e universidade, uma vez que a figura do credenciamento específico para oferta desses cursos restou extinta pelas Resoluções CES/CNE nºs 4/2011 e 7/2011.

*As instituições particulares de ensino superior regularmente credenciadas, como acima elencadas, não estão sujeitas à obtenção de autorização, reconhecimento ou renovação de reconhecimento na oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu, sendo, contudo, indispensável que estejam devidamente credenciadas ou recredenciadas, bastando, para oferta regular dessa modalidade de curso, que haja a devida aprovação por parte de suas instâncias colegiadas internas.

*A oferta de cursos de pós-graduação lato sensu por instituições regularmente credenciadas, na modalidade presencial, pode ser feito fora da sede da instituição, desde que esta oferta ocorra de forma direta, sendo a mesma, portanto, responsável pela contratação e definição do perfil do corpo docente, por toda a organização e aplicação didático-pedagógica e pelo atendimento dos demais requisitos necessários à garantia de qualidade na atividade educacional desempenhada.

*Neste caso, também não há limitação relativamente à área do curso a ser ofertado, não existindo, portanto, liame necessário entre as áreas ofertadas nos cursos de graduação e aquelas de oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu, porquanto tal limitação era aplicável somente na hipótese das instituições credenciadas especialmente para oferta exclusiva de cursos em tal modalidade.

*Não é regular, portanto, a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu sob o abrigo de convênios, contratos ou outras formas de vínculo que permitam a realização das atividades de cunho pedagógico e acadêmico por instituição não credenciada, porquanto, como acima exposto, a oferta deste tipo de curso é prerrogativa exclusiva das instituições de ensino superior regularmente credenciadas, tanto que os certificados devem ser expedidos pela instituição credenciada e efetivamente responsável pela oferta, nos termos da Resolução CES/CNE nº 1/2007, de modo que os profissionais ligados à atividade pedagógica, especialmente docentes (inclusive o coordenador do curso), devem estar inequivocamente ligados à instituição responsável pela oferta e detentora do ato autorizativo institucional.

*A oferta de cursos de pós-graduação lato sensu mediante celebração de convênios, sempre que for terceirizada a atividade pedagógica e acadêmica, configura irregularidade, apta a ensejar a instauração de procedimento de supervisão com vistas à aplicação de penalidade à instituição.

De forma sintética, essas são as considerações relativas à oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu, conforme esclarecimentos contidos na Nota Técnica nº 388/2013 – CGLNRS/DPR/SERES/MEC, incumbindo registrar que a oferta desses cursos deve atentar para o regramento acima identificado, sobretudo no que pertine aos requisitos legais para acesso e à responsabilidade pela efetiva e direta atuação nas áreas pedagógica e acadêmica.

É fundamental que as instituições de ensino estejam atentas à atuação em conformidade com as normas legais vigentes, seja pelo seu compromisso inafastável com a atividade educacional, que passa, certamente, pelo compromisso com a cidadania e respeito às leis vigentes, seja para afastar a possibilidade de instauração de processo de supervisão decorrente de atuação irregular na oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu.

.

Qualquer crítica, dúvida ou correções, por favor, entre em contato com a Coluna Educação Superior Comentada, por Gustavo Fagundes, que também está à disposição para sugestão de temas a serem tratados nas próximas edições. 


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Mudanças na oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu

Confira algumas das alterações introduzidas pela Resolução nº 1, de 6 de abril de 2018, que estabeleceu diretrizes e normas para a oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu denominados cursos de especialização, no âmbito do Sistema Federal de Educação Superior.

Seminário ABMES | Decreto 9.235 e o novo marco regulatório da educação superior (Debate)

Debate ocorrido no Seminário ABMES | Decreto 9.235 e o novo marco regulatório da educação superior

Decreto 9.235: principais pontos

Publicado em 15 de dezembro de 2017, o Decreto 9.235 trouxe as novas regras com relação à regulação, à supervisão e à avaliação das instituições de educação superior e dos cursos superiores de graduação e de pós-graduação do sistema federal de ensino

Legislação

RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 1, DE 08 DE JUNHO DE 2007

Estabelece normas para o funcionamento de cursos de pós-graduação lato sensu, em nível de especialização
DOU Nº 109, 8/6/2007, SEÇÃO 1, P. 9


LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996

Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional


DESPACHO S/N, DE 05 DE ABRIL DE 2018

Homologa o Parecer CNE/CES nº 146/2018 que estabeleceu diretrizes e normas para a oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu, no âmbito do Sistema Federal de Educação Superior, reexaminando o Parecer CNE/CES nº 245/2016.


PARECER CNE/CES Nº 146, DE 08 DE MARÇO DE 2018

Reexame do Parecer CNE/CES nº 245/2016, que trata das Diretrizes Nacionais dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu.


PORTARIA MEC Nº 321, DE 05 DE ABRIL DE 2018

Dispõe sobre a avaliação da pós-graduação stricto sensu.


RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 1, DE 06 DE ABRIL DE 2018

Estabelece diretrizes e normas para a oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu denominados cursos de especialização, no âmbito do Sistema Federal de Educação Superior, conforme prevê o Art. 39, § 3º, da Lei nº 9.394/1996, e dá outras providências.


Notícias

Capes aprimora instrumento normativo para interposição de recursos

De acordo com o documento, os recursos das decisões do CTC-ES deverão ser protocolados por meio de ofício dirigido ao presidente da Capes

MEC anuncia novos mestrados para valorizar carreira e aumentar salários

Cursos teriam enfoque na prática em sala de aula, não na formação de pesquisadores

Educação aprova financiamento de cursos de pós-graduação pelo ProUni

Atualmente, o programa beneficia apenas estudantes de cursos de graduação e de cursos sequenciais de formação específica

Edital seleciona projetos conjuntos de pesquisa brasileiros e portugueses

O Programa visa fomentar a mobilidade de docentes e de estudantes de pós-graduação no nível de doutorado sanduíche e pós-doutorado

Quadrienal 2017 apresenta mudanças na avaliação da pós-graduação

O período de avaliação, que passa a abranger quatro anos (2013 a 2016), e não mais três, é a principal alteração introduzida nesta edição

Coluna

Educação Superior Comentada | Cadastro dos cursos de pós-graduação lato sensu no sistema e-MEC

Ano 2 • Nº 9 • De 27 de maio a 02 de junho de 2014

A Coluna Educação Superior Comentada desta semana trata do cadastro dos cursos de pós-graduação lato sensu no sistema e-MEC.

Educação Superior Comentada | O Ressurgimento do Credenciamento Especial para Oferta de Pós-Graduação Lato Sensu

Ano 3 • Nº 37 • 28 de outubro de 2015

Nesta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, aborda o ressurgimento do credenciamento especial para oferta de pós-graduação lato sensu

Educação Superior Comentada | A legitimidade da cobrança por cursos de pós-graduação lato sensu nas universidades públicas

Ano 5 - Nº 35 - 18 de outubro de 2017

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, comenta a modificação do entendimento judicial que passou a considerar como legítima a cobrança efetuada pelas universidades públicas por cursos de pós-graduação lato sensu

Educação Superior Comentada | A revogação da Portaria Normativa n° 22/2017

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, analisa a revogação da Portaria Normativa n° 22/2017, que dispõe sobre os procedimentos de supervisão e monitoramento de instituições de educação superior e de cursos superiores de graduação e de pós-graduação lato sensu, nas modalidades presencial e a distância

Educação Superior Comentada | A nova regulamentação para oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, analisa a Resolução CES/CNE n° 1/2018, que estabelece diretrizes e normas para oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu denominados cursos de especialização, estabelecendo, com isso, o novo regramento aplicável a estes cursos no âmbito do sistema federal de ensino

Educação Superior Comentada | Cursos de pós-graduação lato sensu para fins de registro de especialização profissional

Na edição desta semana Gustavo Fagundes analisa tema que gera aceso debate: a eficácia dos certificados de pós-graduação lato sensu para fins de registro de especialização profissional. O especialista traz diferentes visões sobre o assunto e avalia que, neste caso específico, o posicionamento dos órgãos de classe está correto, pois a mera conclusão do curso tem eficácia apenas no ambiente acadêmico