Detalhe

CBESP 2019: Ensino a distância deve ganhar força nos próximos anos

25/06/2019 | Por: Correio Braziliense | 558
Foto: Ronaldo Almeida/ CBESP

O ensino a distância tem ganhado cada vez mais destaque na educação superior. Nos últimos anos, a oferta cresceu exponencialmente. Em 2010, só existiam 10 cursos no Brasil. Em apenas sete anos, esse número passou para mais de 2 mil, sendo que 97% é ofertado por instituições particulares. O crescimento se reflete na oferta das bolsas do Programa Universidade para Todos (ProUni). O número de municípios ofertando cursos a distância por meio do programa subiu 39% no segundo semestre de 2019 em relação ao mesmo período de 2018.

Enquanto isso, o ensino presencial deu uma estagnada nos últimos anos. É isso que faz o Ministério da Educação (MEC) acreditar que a modalidade crescerá e ganhará destaque na formação dos profissionais. O panorama, com base no Censo da Educação Superior, foi apresentado durante o 12°Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular (Cbesp), que ocorreu em Belo Horizonte (MG), entre 6 e 8 de junho.

De acordo com Marcos Heleno Guerson de Oliveira Júnior, diretor de política regulatória da Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação (Seres/MEC), a EAD é a única solução para democratizar o acesso ao ensino superior. "Temos mais de cinco mil municípios e uma reduzida minoria deles  tem cursos presenciais. Não há solução para interiorização que não seja a EAD. Mas não só para o interior; quando pensamos em São Paulo, por exemplo, quem  hoje tem condições de ficar três, quatro  horas no trânsito para ir à aula?", questionou.

A questão da mobilidade foi exatamente o que fez Gabriel Soares, 23 anos, optar pelo ensino a distância. Morador do Gama, ele faz administração e marketing no Centro Universitário de Brasília (UniCeub). “O descolamento é muito difícil e me surgiu essa oportunidade de fazer a distância”, lembra. Além das graduações, Gabriel trabalha como consultor de marketing. “Eu sou uma pessoa muito agitada, não consigo me sentar em uma sala e ficar recebendo informações. A EAD tem a vantagem de você ter que ser ativo no aprendizado e correr atrás para desenvolver o aprendizado”, afirma.

Segundo o professor da Universidade de Brasília (UnB) Paulo Roberto Affonso Marins, que coordena o projeto de pesquisa  "Inovação Tecnológica no Ensino de Música a Distância", o crescimento da modalidade é pela junção de dois fatores. “Pela flexibilização de tempo e espaço e pelo baratemento. A mensalidade da EAD gira em torno de R$ 265. O público da modalidade são egressos do ensino médio que não ingressam imediatamente no ensino superior e que trabalham ou querem trabalhar”, explica.

O graduado em administração pela Unopar Vitor Hugo Noinann Junior, 39 anos, gerente de serviços em uma escola canadense, optou pelo curso a distância pela economia. “Eu estava passando por uma  situação financeira complicada, não ganhava suficiente para bancar meu deslocamento para uma faculdade presencial. Então, abriu um polo perto da minha casa que dava para ir andando. Eu acabei optando mesmo sem conhecer”, conta.

Para ele, a escolha foi acertada. “Acho que não faz tanta diferença. As aulas existem e você pode  assistir até 20 vezes se precisar. Eu tenho dificuldade de aprendizado, então, para mim, foi muito bom”,  ele afirma.

Mas as críticas à modalidade também não são poucas. Os que não aprovam apontam a dependência do meio tecnológico como problemático, afinal, mais de um terço dos domicílios brasileiros ainda não têm nenhuma forma de acesso à internet, segundo a pesquisa TIC Domicílios 2017. O número chega a 70% nas classes D e E. Além disso, a modalidade exige  esforço e dedicação maiores do aluno.

Uma pesquisa feita em 2018 pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) mostrou que  44% dos entrevistados optariam por essa modalidade, enquanto 56% dizem que preferem o ensino presencial. Para 7% dos participantes, o ensino a distância não é uma opção. Entre eles, 62% acreditam que a qualidade dessa modalidade não é bem avaliada no mercado de trabalho.

Ensino a distância deve ser simplificado
O maior crescimento da modalidade foi registrado de 2016 para 2017, quando teve um aumento de mais de 17,6%. Esse crescimento se deve em grande parte pelo Decreto Nº 9.057/ 2017, que facilitou a abertura de polos. A defesa de Marcos Heleno é que a legislação vigente seja menos burocrática e dê mais liberdade para o setor crescer. "Minha intenção é começar uma discussão com as instituições.  A ideia não é regular ainda mais, a ideia é desregular, mas tem que ter qualidade", afirmou.

O Secretário substituto do Seres/MEC, Marco Aurélio de Oliveira, que participou do evento substituindo o secretário Ataíde Alves, disse que o governo quer desburocratizar ao máximo a modalidade. "A gente está buscando o entendimento de que a educação é uma só, independentemente de ser presencial ou a distância."

E os primeiros passos para isso já foram dados. O secretário substituto Marco Aurélio anunciou que o MEC reeditará a  Portaria n° 1.428/2018 que amplia de 20% para 40% o limite de disciplinas EAD para cursos de graduação presencial e aproveitará para diminuir a regulação. O que exatamente será desburocratizado, o secretário não quis explicar. “Ela estava se sobrepondo a outras portarias que existiam, então vai entrar uma mais racional, que irá manter a possibilidade de 40%. Na prática, foi feita de uma forma mais técnica. Nesse momento, eu prefiro não dizer o que mudará, porque ainda irá passar pela apreciação do ministro”, explica.

Além disso, Marco Aurélio afirma que o órgão está empenhado em procurar soluções para diminuir a influência do Estado. “Nós estamos com orientações do ministro no sentido de trabalhar a desburocratização, de ser um pouquinho mais racional. Com pequenos ajustes na legislação vigente, a gente consegue bons resultados. Instituímos grupos de trabalho para destravar algumas pautas. Trabalhar no sentido de diminuir o peso do Estado”, disse.

Essa menor regulamentação também é defendida pelas instituições de ensino superior, e não só para a educação a distância. “Se a pessoa decide empreender no Brasil e escolhe investir em educação, será que essa pessoa está mal-intencionada? Em princípio, acho que não. Há formas de  simplificar, que não é abolir  a regulamentação”, afirma Celso Niskier, secretário executivo do Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular  e diretor presidente da  Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior  (ABMES).

Entre os pedidos, está o de autoavaliação e que prazo para recadastramentos das instituições seja maior e de simplificação dos processos, que Niskier afirma que já foram levados ao ministro. “Este é um bom momento para falar de liberação na educação”, defende.

Ensino a distância tende a continuar crescendo
O MEC afirma que a educação superior dependerá muito da modalidade. "Muito do futuro da educação superior está ligado à educação a distância. Hoje, 39% dos jovens que terminaram o ensino médio não estão na faculdade", aponta Marcos Heleno.

A grande maioria dos cursos ofertados a distância são pelas instituições particulares. Cerca de 37% dos alunos matriculados no ensino superior particular estão no ensino a distância. "Eu acredito que, em poucos anos, a maioria estará no EAD. E, se a tendência é esse crescimento, a indicação é que essa demanda bata no setor privado", salienta Marcos Heleno. Ao todo, 33% dos ingressantes na graduação estão indo para o ensino a distância.

Para se ter uma ideia, um pouco mais da metade das bolsas integrais em instituições particulares de ensino ofertadas pelo Programa Universidade para Todos (ProUni), este semestre, são em cursos a distância. Ao todo, estão sendo ofertadas 68.087 bolsas integrais para o segundo semestre deste ano. Dessas, 34.903 são em cursos a distância.

Segundo o professor Paulo Roberto Affonso Marins, o motivo para esse movimento não está tão  presente nas instituições públicas: é a falta de políticas públicas. “Eu acho que ainda falta incentivo. Tem um pouco de preconceito. Tem a portaria que autoriza até 40% a distância, mas quase ninguém usa. Nas particulares, tem a questão de diminuir os valores  das mensalidades”, explica

Além disso, um estudo apresentado no 10° Encontro Internacional de formação de professores apontou que cerca de 20% dos professores/tutores não estão totalmente seguros quanto ao uso de suas metodologias e recursos tecnológicos voltados para o ensino a distância.
 
Formação de professores em pauta
Uma  grande parcela dos cursos ofertados a distância são de licenciaturas. Nas instituições particulares, pedagogia é a graduação com mais matriculados na modalidade. Nas públicas, é o curso que fica em segundo lugar. A formação de professores já é feita quase que 50% a distância.

“O sistema Universidade Aberta do Brasil, de 2005, era uma indução para formar professores da educação básica, inclusive o primeiro vestibular para cursos a distância foi para licenciaturas”, lembra Paulo Roberto Marins, que foi coordenador do curso de licenciatura em música a distância da UnB. Porém, existem muitas críticas em relação à formação desses profissionais. “As críticas são calcadas em preconceitos. Quando se compara a performance dos estudantes no Enade, se vê que não são muito diferentes. Na licenciatura, os alunos têm que fazer a prática, mas, para o que não se consegue fazer pela internet, têm os encontros presenciais nos polos”, defende.

O programa Universidade Aberta do Brasil (UAB) foi criado com o intuito de  oferecer formação inicial a professores em efetivo exercício na educação básica pública, porém ainda sem graduação, além de formação continuada àqueles já graduados. Ainda hoje, existe um deficit de professores formados atuando na educação básica. Uma média de quase 50% dos profissionais que atuam em salas de aula não têm formação adequada para a disciplina, ou mesmo não são graduados.

Nesse sentido, das 204 mil matrículas na UAB, 85% são ocupadas por professores da educação básica. Atualmente, são 777 polos, sendo que 582 estão em municípios com menos de 100 mil habitantes

Agora, o Centro de Ciências Computacionais da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), pode expandir o alcance da modalidade de ensino a distância para  locais sem internet ou com conectividade limitada. A iniciativa se chama AVAPolos e é uma ferramenta que funciona 100% off-line.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

XII CBESP | Resumo do congresso

Com número recorde de inscrições, a 12ª edição do CBESP contou mais de 500 congressistas de todo o país. Foram três dias  com a presença de 23 palestrantes que somaram cerca de 22 horas de conteúdo sobre os caminhos que a educação superior deve tomar na 4ª revolução industrial

XII CBESP | Dia 3

O último dia do XII CBESP foi marcado pela leitura da Carta de Belo Horizonte. O momento encerrou uma manhã intensa de atividades, que contou com pesquisas inéditas, palestra sobre meditação e mesa-redonda com conselheiros do CNE. O Congresso reuniu mais de 500 pessoas entre mantenedores, reitores, especialistas em educação e autoridades governamentais na capital mineira, Belo Horizonte/MG

XII CBESP | Confira quem são os apoiadores do evento

Conheça um pouco mais sobre os apoiadores da 12ª edição do principal congresso da educação superior brasileira, o CBESP 2019. Alguns deles acompanham a iniciativa desde sua primeira edição!

XII CBESP | Dia 2

O segundo dia do XII CBESP foi marcado por palestras e debates sobre inclus~soa e diversidade centradas no tema "Educação superior: inovação e diversidade na construção de um Brasil plural". O Congresso reuniu mais de 500 pessoas entre mantenedores, reitores, especialistas em educação e autoridades governamentais na capital mineira, Belo Horizonte/MG

XII CBESP | Dia 1

A abertura da 12ª edição do CBESP contou com a presença do ministro da Educação e palestras que deram a tônica dos outros dias do evento. O Congresso reuniu mais de 500 pessoas entre mantenedores, reitores, especialistas em educação e autoridades governamentais na capital mineira, Belo Horizonte/MG

XII CBESP | Belo Horizonte sediará principal congresso da educação superior brasileira

Reconhecido como o principal evento da educação superior brasileira, o Congresso será realizado nos dias 6, 7 e 8 de junho de 2019. Diversidade, inovação, políticas públicas e modelos de sucesso são destaques na programação, que, além de palestras e debates com a presença de renomados especialistas e gestores da educação brasileira, contará com workshops práticos para os participantes. 

Legislação

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 14 DE JANEIRO DE 2013

Dispõe sobre os procedimentos do fluxo dos processos de regulação de reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos na modalidade EAD.


INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 14 DE JANEIRO DE 2013

Disciplina os procedimentos para os processos de mudança de local de oferta de cursos superiores, na modalidade presencial, oferecidos por Instituições de Educação Superior (IES) sem autonomia universitária do Sistema Federal de Ensino.


PORTARIA MEC Nº 1.428, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2018

Dispõe sobre a oferta, por Instituições de Educação Superior - IES, de disciplinas na modalidade a distância em cursos de graduação presencial.


Notícias

Fórum entrega a Abraham Weintraub propostas para melhorias na regulamentação do setor

Documento reúne medidas para otimizar a supervisão e a avaliação IES e promover a desobstrução regulatória

CBESP 2019: MEC estuda rever suspensão de abertura de novos cursos de medicina

O Globo: Durante o CBESP, representante do MEC falaram da possibilidade de ampliação da oferta de vagas dos cursos de medicina

CBESP 2019: MEC estuda abrir novos cursos de medicina

Correio Braziliense: O secretário substituto da Seres/MEC, Marco Aurélio de Oliveira, falou durante o Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular que estão sendo feito estudos para a abertura de novas vagas nos cursos de medicina

CBESP 2019: MEC estuda rever suspensão de novos cursos de Medicina

Estadão: Durante o Congresso Brasileiro de Educação Superior Particular, o secretário da Seres/MEC, Marco Aurélio de Oliveira, comenta sobre a ampliação da oferta de vagas de medicina

CBESP 2019: Ministro da Educação diz que ensino superior particular será fortalecido

Exame: No Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular, o ministro Abraham Weintraub defendeu o setor particular e disse que dará mais liberdade para as instituições de ensino

CBESP 2019: Após confronto com universidades federais, Weintraub fala em fortalecer setor privado

Estadão: Durante o Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular, o ministro da Educação defendeu mais liberdade para atuação de faculdades particulares

CBESP 2019: Com Fies em baixa, universidades particulares consolidam crédito estudantil próprio

Zero Hora: Na abertura do Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular,o diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, defendeu a importância do financiamento estudantil

CBESP 2019: Universidade particular quer mudar avaliação pela pasta

Valor Econômico: Durante o CBESP, o diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, garante que vai apresentar propostas par mudanças no processo de avaliação

CBESP 2019: Em MG, MEC defende desburocratização para liberar cursos de Educação Superior

Ministério da Educação: Abraham Weintraub, durante a participação no Congresso Brasileiro de Educação Superior Particular, disse que dará mais liberdade ao ensino superior particular

CBESP 2019: MEC estuda rever suspensão para criação de novos cursos de medicina no país

Folha de S.Paulo: Marco Aurélio de Oliveira, o diretor da Seres/MEC, em participação no Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular, disse que está em análise a possibilidade de aumento de vagas de medicina

CBESP 2019: MEC estuda liberar vagas e ofertas de cursos de medicina

Agência Brasil: No Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular, o diretor de Regulação e Supervisão da Educação Superior (Seres) do MEC, Marco Aurélio de Oliveira, diz que o governo estuda novas possibilidades de ampliação de ofertas dos cursos de medicina

CBESP 2019: Ensino superior oferece meditação para ajudar na formação de alunos

Agência Brasil: No Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular, instituições de ensino superior buscam benefícios para estudantes através de cursos de meditação

Weintraub: crescimento econômico elevará procura por ensino superior

Yahoo Notícias: No Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular, o diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, foi desafiado pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, a apresentar ao MEC uma proposta para formação de professores em prol da educação básica

CBESP 2019: políticas públicas estão na contramão da inclusão

Ampliação do número de estudantes passa pelo fortalecimento do financiamento estudantil e pela educação a distância

CBESP 2019: Gamificação, marketing digital e design thinking: o futuro (breve) da educação

Painel realizado no XII CBESP provocou os congressistas a refletirem sobre a transformação digital necessária à educação para sobreviver em um contexto inovador

CBESP 2019: Caminhos para inovar a partir do investimento em diversidade

Experiências mostram como internacionalização e diversidade racial podem conduzir as IES a novos patamares de inovação e inclusão

CBESP 2019: Enem 2019 está garantido, diz ministro

Jornal Floripa: O ministro participou nesta quinta-feira da abertura do 12ª Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular, que ocorre em Belo Horizonte

CBESP 2019: Após confronto com universidades federais, Weintraub fala em fortalecer setor privado

Terra: Na abertura do Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular (CBESP), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, defende do fortalecimento do ensino superior particular

CBESP 2019: Enem 2019 está garantido, diz ministro

Agência Brasil: Na abertura do CBESP,o ministro da Educação participou do evento e garantiu o crescimento do ensino superior particular

CBESP 2019: Ministro diz que rede federal não conseguirá atender demanda

Correio Braziliense: Durante a abertura do 12°Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular (CBESP), que ocorre em Belo Horizonte, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que a demanda do ensino superior deve crescer nos próximos anos

CBESP 2019: Ministro da Educação defende fortalecimento do ensino superior privado

O Globo: Durante a participação no CBESP, o ministro da Educação fala da importância da educação superior particular

CBESP 2019: Seres/MEC afirma que EAD é a chave para incluir milhões de brasileiros na educação superior

Posicionamento foi apresentado pelo diretor de Políticas Regulatórias durante a 12ª edição do CBESP

CBESP 2019: Ministro da Educação defende fortalecimento de ensino superior particular

Folha de S.Paulo: Em CBESP, o diretor presidente a ABMES, Celso Niskier, ressaltou em discurso de abertura que defenderá a educação superior particular como instrumento para a libertação das amarras que prendem o desenvolvimento do país

CBESP 2019: Weintraub garante que o Enem vai acontecer, mesmo após mais uma baixa no Inep

CBN: Em Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular (CBESP), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, comenta que as instituições superiores particulares são responsáveis por 80% da formação superior

CBESP 2019: Ministro da educação defende ensino superior privado em abertura de congresso do setor em BH

G1: O ministro da Educação, Abraham Weintraub, compareceu ao CBESP, realizado em Belo Horizonte, e em seu discurso garantiu que dará liberdade ao ensino superior particular

Weintraub: crescimento econômico elevará procura por ensino superior

Agência Brasil: Em Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular, realizado em Belo Horizonte, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, defendeu hoje o setor particular como principal agente na expansão do ensino superior

CBESP 2019: Diretora do Google Brasil convoca IES a agirem pela diversidade

Gleidys Salvanha foi a responsável pela palestra magna na noite de abertura do 12º CBESP

CBESP 2019: Na abertura do CBESP, ministro da Educação fala em crescimento e liberdade para o setor

Abraham Weintraub fez a abertura solene do Congresso e discursou para mais de 500 pessoas presentes ao evento que acontece em Belo Horizonte

ABMES lança 43ª edição da revista Estudos no XII CBESP

Produzida por especialistas em educação superior, a publicação traz análises, debates e reflexões sobre os indicadores de qualidade da educação superior

Diversidade é chave para inovar no ensino superior; tema será debatido em congresso em BH

Hoje em Dia: Em entrevista, o secretário executivo do Fórum e diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, fala sobre os debates que acontecerão durante o XII CBESP

Matrículas em faculdades à distância devem superar as presenciais em 4 anos

Estado de Minas: Em entrevista, o diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, comenta sobre o crescimento da modalidade EAD

Projeto Seres em Ação realizará atendimentos durante o XII CBESP

O serviço será oferecido na sexta-feira, 7 de junho, mediante agendamento prévio. Vagas limitadas

Diversidade, inovação, políticas públicas e modelos de sucesso são destaques na programação do XII CBESP

Além de palestras e debates com a presença de renomados especialistas e gestores da educação brasileira, a programação conta com workshops práticos para os participantes

Banda Jota Quest fará show de abertura do XII CBESP

Apresentação será realizada após conferência especial sobre o tema central do congresso, que acontecerá em Belo Horizonte/MG, de 6 a 8 de junho

XII CBESP: Maiores delegações ganharão cortesias para a edição seguinte

Grupos com até 10 pessoas ganharão o benefício, que varia de acordo com o número de integrantes. Não é permitida a junção de duas instituições para constituir uma delegação

Inovação e diversidade darão o tom do XII CBESP

Evento, que será realizado em Belo Horizontes/MG nos dias 6, 7 e 8 de junho de 2019, aprofundará discussões realizadas na 11ª edição. Inscrições abertas

Inscrições abertas para a 12ª edição do CBESP

Interessados têm até o dia 14 de janeiro de 2019 para garantir os valores promocionais do 1º lote de inscrições. O Congresso será realizado em Belo Horizonte/MG nos dias 6, 7 e 8 de junho

Em 2019, Belo Horizonte sediará o XII CBESP

Reconhecido como o maior evento do setor educacional no país, o Congresso será realizado nos dias 6, 7 e 8 de junho de 2019. Associados de entidades que compõem o Fórum terão descontos especiais. Inscrições em breve