Detalhe

Direito da infância e da juventude deve ser ensino obrigatório na graduação de Direito

04/08/2017 | Por: Carta Capital | 734

Cabe ao Conselho Nacional de Educação (CNE) traçar as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em direito. Para isso, o CNE conta com o apoio de um específico órgão colegiado deliberativo e de assessoramento que o integra: a Câmara de Educação Superior (CES). Tais diretrizes estão atualmente dispostas conforme Resolução CNE/CES 9/2004.

A referida resolução obriga que os cursos de direito forneçam conteúdos essenciais de diversos ramos do direito, como o constitucional, o administrativo, o tributário, etc. O direito da infância e juventude não se encontra entre os conteúdos essenciais que devem ser transmitidos aos alunos do bacharelado em direito.

Ainda assim, desde 2015 está projetada a revisão da mencionada resolução. Surge, assim, a oportunidade para que CNE e CES corrijam um erro histórico. Para o conserto, basta que se cumpram a Constituição Federal (CF), o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e a Lei de diretrizes e bases da educação nacional (LDBEN), de onde se depreende com clareza de doer os olhos que os conteúdos de direito da infância e juventude devem ser obrigatoriamente ensinados ao estudante de direito, para sua adequada formação profissional.

É bem verdade, que os conteúdos essenciais de outros importantes ramos jurídicos não estão contemplados pela citada resolução. Todavia, nenhum deles está vinculado ao princípio constitucional de prioridade absoluta que orienta toda a matéria respectiva a crianças e adolescentes (art. 227, CF).

O ECA define prioridade absoluta como uma garantia que compreende a preferência na formulação e na execução das políticas sociais públicas (art. 4, § único, c). E a educação escolar superior, por sua vez, é uma dessas políticas (art. 21, II, LDBEN).

Ou seja, está muito bem iluminado o caminho que liga o ensino superior em temas infanto-juvenis à respectiva priorização. É exatamente nesse aspecto que o direito da infância e da juventude se destaca de todos os demais ramos jurídicos: é o único cujo ensino representa uma política social pública de formulação e execução preferenciais.

Dito de outro modo: o direito da infância e da juventude deve ter seus conteúdos obrigatoriamente ensinados no bacharelado, qualquer que seja a linha do Projeto Político Pedagógico (disciplinas, eixos formativos, blocos temáticos, etc.) ou o método (aulas expositivas, método de casos, metodologia baseada em problemas, etc.).

Muito mais que a correção de um equívoco de décadas, a inserção do ensino obrigatório do direito da infância e juventude também revelaria o amadurecimento das instituições de ensino jurídico quanto ao princípio de prioridade absoluta para crianças e adolescentes. A realização deste princípio não se dá em curto tempo. Ao contrário, concretiza-se devagar, à medida que a sociedade se transforma e o estado se desenvolve. E não custa lembrar: o meio mais eficiente e sólido para a transformação social positiva e o desenvolvimento do estado é a educação.

Cláudio do Prado Amaral é juiz de direito da infância e juventude, mestre, doutor e livre-docente em Direito pela USP, professor da USP.


Conteúdo Relacionado

Legislação

PORTARIA Nº 1.752, DE 26 DE OUTUBRO DE 2006

Institui Grupo de Trabalho para subsidiar as decisões nos processos de autorização de cursos de Direito.
DOU nº 207, Seção 2, 27/10/2006, p. 20/21


DESPACHO DO SECRETÁRIO, DE 01 DE JUNHO DE 2011

Medida Cautelar. Redução de vagas de Cursos de Direito - bacharelado - de instituições de educação superior com resultados insatisfatórios no CPC referente ao ciclo 2007-2009


DESPACHO DO SECRETÁRIO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011

Processos de renovação de reconhecimento de cursos de graduação e recredenciamento de instituições de educação superior, tomando como referência os resultados do ciclo avaliativo - ano 2010


PARECER Nº 783, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2016

Trata o presente parecer de pedido feito pela Consultoria Jurídica do Ministério da Educação (CONJUR/MEC) sobre a possibilidade de utilização de atos internos das Universidades, em campus com autonomia, como válidos para autorização de criação de cursos de Direito que já se encontravam em funcionamento antes mesmo da edição da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB – Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996).


PORTARIA MEC Nº 278, DE 28 DE MARÇO DE 2018

Ficam divulgadas, na forma dos Anexos I e II, as relações dos nomes a serem considerados para escolha e nomeação dos membros da Câmara de Educação Básica e da Câmara de Educação Superior, do Conselho Nacional de Educação.


LEI Nº 13.666, DE 16 DE MAIO DE 2018

Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), para incluir o tema transversal da educação alimentar e nutricional no currículo escolar.


RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2018

Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências.


PARECER CNE-CES Nº 635, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2018

Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Direito.


REPUBLICADA RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2018

Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências. 


Notícias

MEC mantém curso de Direito em 5 anos e aprova novas disciplinas obrigatórias

Os estudantes que ingressarem no curso de Direito a partir de agora contarão com as disciplinas de Direito Previdenciário, Mediação Conciliação e Arbitragem

Roberto Lobo lança livro sobre sua vida profissional

Obra, escrita em parceria com sua esposa, foi lançada em novembro e está disponível para compras em todo o país

Finep atende solicitação da ABMES e lança financiamento para inovação nas IES

Instituições particulares contarão com condições especiais para desenvolverem projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação

Comissão de Educação aprova substitutivo ao PL 5.414/2016

O texto é favorável à educação superior brasileira ao assegurar que a discussão será conduzida pelo Conselho Nacional de Educação

OAB pede suspensão de portaria do MEC que permite cursos de tecnólogo em serviços jurídicos

Outros conselhos federais de profissões se reuniram com a Ordem e podem questionar cursos técnicos autorizados pelo ministério

MEC acelera ritmo de processos de reconhecimento e autorização

A Seres tem trabalhado para antecipar publicações como as de credenciamento e recredenciamento de instituições de educação superior e autorização e renovação de reconhecimento de cursos de graduação

Novas diretrizes para o curso de direito

Propostas foram apresentadas em encontro organizado pela ABMES

Manifesto de apoio à decisão do CNE que autoriza a criação de curso superior de tecnologia em serviços jurídicos

O Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular (FÓRUM) é composto pela ABMES; Abrafi; Anaceu; Anup; Semesp; Confenen; Fenep e Semerj

Deschamps será novo presidente do Conselho Nacional de Educação

Eduardo é Secretário de Educação de Santa Catarina desde 2012. Deschamps deixará a presidência do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed)

Ministro dá posse a integrantes do Conselho Nacional de Educação

Ao discursar na posse, Mendonça Filho citou como prioridade para a educação no país a política de formação de professores, a redução do analfabetismo, a reforma do ensino médio e a ampliação do número de escolas em tempo integral

Coluna

Educação Superior Comentada | Políticas, diretrizes, legislação e normas do ensino superior

Ano 2 • Nº 3 • De 18 a 24 de fevereiro de 2014

A Coluna do Gustavo analisa as oportunidades perdidas para o ensino superior privado se firmar, efetivamente, como parceiro do poder público.

Educação Superior Comentada | Os limites para a atuação dos conselhos profissionais

Ano 5 - Nº 10 - 26 de abril de 2017

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, analisa os limites para a atuação dos conselhos profissionais. Segundo ele, não é nenhuma novidade a intenção de diversos conselhos de fiscalização do exercício profissional de desempenhar uma competência que em muito extrapola os limites legais de sua atuação

Educação Superior Comentada | A alteração da Resolução do Conselho Nacional de Educação que trata de credenciamento e recredenciamento de universidades

Ano 5 - Nº 38 - 8 de novembro de 2017

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, analisa a alteração na Resolução CES/CNE nº 3/2010 com relação ao credenciamento e recredenciamento de instituições de educação superior como universidades. Entre as alterações impostas pela Resolução CES/CNE nº 5/2017 está o fim da exigência de Índice Geral de Cursos (IGC) igual ou superior a quatro como condição para credenciamento como universidade