Detalhe

Participação de graduação híbrida deve subir para 21%

11/06/2018 | Por: Valor Econômico | 381
Foto: Alvinho Moraes/CBESP

Daqui a cinco anos, a fatia de alunos matriculados nos chamados cursos híbridos, modalidade em que o conteúdo didático é ministrado presencialmente e pela internet, aumentará dos atuais 4% para 21% no mercado privado de ensino superior, de acordo com dados da consultoria Educa Insights, apresentados durante congresso da Associação Brasileira das Mantenedoras do Ensino Superior (ABMES), realizado na Ilha de Comandatuba, na Bahia.

Em contrapartida, a participação dos cursos totalmente presenciais cai de 68% para 49%. Já a graduação puramente on-line não deve ter uma mudança tão drástica, saindo de 28% para 30% entre 2018 e 2023. Nos Estados Unidos, mercado que mais se assemelha ao brasileiro, a fatia de alunos estudando em cursos 100% on-line e híbrido é muito semelhante.

Segundo Luiz Trivelato, sócio da Educa Insights, o aumento expressivo na graduação híbrida está relacionado a uma combinação de cenário econômico e redução do Fies, programa de financiamento estudantil do governo. Suas projeções mostram que, entre 2012 e 2016, uma parte da população ascendeu para a classe média, com condições financeiras para arcar com uma mensalidade entre R$ 200 e R$ 700. Nesse mesmo período, a oferta de Fies explodiu e as pessoas preferiram contratar o financiamento estudantil do governo, que tinha taxa de juros de apenas 3,4% ao ano e era aberto para alunos com renda familiar de até 20 salários mínimos. As regras do programa de crédito foram alteradas e, agora, muitos estudantes não estão conseguindo obter o financiamento, nem pagar uma mensalidade de graduação presencial, cujo preço oscila de R$ 750 a R$ 1,4 mil (sem considerar as faculdades premium e cursos de medicina).

Já a mensalidade do curso híbrido vai de R$ 450 a R$ 900. Ou seja, essa modalidade atende à parcela da população que não têm condições financeiras para pagar um curso presencial, mas não quer uma graduação 100% on-line, que custa entre R$ 200 a R$ 500. "O curso híbrido tem sido a resposta à ausência do Fies", disse Trivelato.

O sócio da Educa Insights afirma que há instituições de ensino vendendo cursos semipresenciais como uma graduação híbrida - modalidade ainda pouco representativa no Brasil. "O semipresencial é aquele com aulas nos polos uma vez por semana e com apoio de tutores. O híbrido tem aulas presenciais de duas a três vezes na semana, com professores e polos com maior infraestrutura." Os grupos educacionais com projetos mais avançados nessa nova modalidade são Anima e a Cesumar. A Kroton tem cursos híbridos de engenharia e da área da saúde.

Hoje, há 2,1 milhões de alunos em cursos on-line e híbridos. Os maiores grupos são Kroton (com uma fatia de 33%), Unip (12%), Uniasselvi (9%), Uninter (8%), Estácio e Cesumar (ambas com 7%) e Cruzeiro do Sul (6%). 


Conteúdo Relacionado

Vídeos

XI CBESP | Conheça os patrocinadores do evento

Confira quem são os parceiros que apoiaram a 11ª edição do maior congresso da educação superior brasileira, o CBESP 2018. Alguns deles acompanham a iniciativa desde sua primeira edição!

XI CBESP | Confira como foi o primeiro dia do evento

Na quinta-feira (6/6) teve início o maior congresso da educação superior brasileira. O evento foi aberto pelo diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, e a conferência de abertura contou com a presença de William Douglas, professor e juiz federal brasileiro. Confira como foi.

XI CBESP | Inclusão, inovação e educação darão o tom dos debates do congresso

Confira o tema da 11ª edição do Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular (CBESP) e a importância dos debates que serão realizados no maior evento da educação superior do país

XI CBESP | Principal congresso de educação superior do Brasil desembarca na Bahia

O Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular (CBESP) já é reconhecido como o maior evento do setor no país, especialmente em razão do conteúdo das palestras apresentadas e da presença de especialistas renomados, além das principais lideranças do setor e de autoridades governamentais e políticas. Na 11ª edição, a programação terá um diferencial com dois temas de grande relevância para as IES. Confira:

Notícias

Cursos de engenharia terão novas diretrizes curriculares em julho

As diretrizes serão válidas para todos os cursos de engenharia. Elas servem de parâmetro para os currículos de cada uma das instituições de ensino

Principal aposta para alavancar Fies só teve 800 vagas preenchidas em 2018

UOL: Portal repercute matéria do Estadão afirmando que 210 mil das 300 mil vagas serão oferecidas por meio de financiamentos realizados por bancos, enquanto 100 mil terão financiamento direto do governo. Novos contratos podem ser efetuados até 25 de junho

Governo efetivou apenas 24% das vagas do Fies anunciadas por Temer

Valor Econômico: O jornal repercute entrevista do diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, para a Folha de S. Paulo, sobre a baixa adesão ao P-Fies

Os riscos do Fies

O Dia - IG: Grande número de endividados mostra que financiamento estudantil exige cuidado

"Fies privado", P-Fies teria fechado só 800 dos 210 mil contratos de 2018

Correio Braziliense: Já o Fies 1, financiado diretamente pelo governo, preencheu 35 mil das 100 mil vagas de 2018

Fies preenche 35 mil vagas financiadas pela União

Isto É: A modalidade contratada junto a bancos privados, chamada P-Fies, cuja previsão é a oferta de 210 mil vagas neste ano, preencheu, até o momento, apenas 800, de acordo com o diretor da ABMES, Sólon Caldas.

Financiamento estudantil como chave para expansão do ensino superior

Correio Braziliense: É assim que representantes de faculdades particulares que participam de congresso na Bahia enxergam o programa

Principal aposta para alavancar Fies só teve 800 vagas preenchidas em 2018

Estadão: 210 mil das 300 mil vagas serão oferecidas por meio de financiamentos realizados por bancos, enquanto 100 mil terão financiamento direto do governo. Novos contratos podem ser efetuados até 25 de junho

Secretário do MEC espera 100 mil vagas do Fies juro zero preenchidas

Valor Econômico: Paulo Barone, secretário da área de educação superior do MEC, afirmou, durante o XI CBESP, que sua expectativa é terminar o ano com as 100 mil vagas de Fies preenchidas com as reformulações anunciadas em junho de 2018

Mudanças no Fies não terão impacto relevante para o setor, diz associação

Valor Econômico: Matéria aborda as novas regras do Fies 2/2018, anunciadas pelo Ministério da Educação (MEC) em 6 de junho de 2018, que, segundo o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, não devem trazer impactos relevantes

Governo efetivou apenas 24% das vagas do Fies anunciadas por Temer

Folha de S. Paulo: Em entrevista ao jornal, o diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, avalia a baixa adesão ao P-Fies

Fies preenche 35 mil vagas financiadas pela União

Agência Brasil: Em entrevista à Agência Brasil, o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, fala sobre a baixa adesão ao P-Fies

Congresso do ensino superior particular tem 450 participantes

Correio Braziliense: Na sessão de abertura, Janguiê Diniz, diretor presidente da ABMES, elogiou a decisão do ministro da Educação, Rossieli Soares, de ampliar de R$ 30 mil para R$ 42 mil o teto semestral do Fies, restabelecendo o valor que valia até o segundo semestre de 2016