Detalhe

Vida de universitário: uma geração que supera desafios

25/02/2020 | Por: Estado de Minas | 200
Foto: Reprodução/Estado de Minas

Rosimere Cesário da Silva, de 31 anos, é filha de pai analfabeto e mãe com pouco estudo. Cursa o 4º período de administração. Diego Lucas Neres Rodrigues, de 22, cujos pais cursaram até o ensino médio, está terminando o mestrado. Rafael Alexandre de Faria, de 32, teve também tem como referência quem terminou apenas a educação básica. Quis ir além, estudou direito e passou em concurso para delegado.

Os três são o retrato de uma geração inquieta, que quer mais e não se contenta em ser fruto de um meio sem oportunidades. Representam com precisão o perfil de quem cursa a graduação no Brasil.

Mais da metade dos pais de quem tem hoje acesso ao ensino superior não tem escolaridade ou nem sequer chegou ao ensino médio, tendo grande parte parado os estudos nos anos iniciais do nível fundamental. Em Minas, 52% dos pais e 44% das mães estão nessa situação.

O levantamento, compilado pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) em parceria com a Educainsights, é um consolidado de três anos de informações da base de dados do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade).

Foram analisados os números de 2014 até 2017. “Os dados são consolidados, porque a cada ano o Enade avalia determinados cursos. Então, com a soma dos anos, temos cada vez mais cursos representados”, explica o diretor-executivo da ABMES, Solon Caldas.

A assistente financeira Rosimere Cesário da Silva, de 31, é natural de Cortês (PE), veio para BH aos 19, seguindo o noivo, casou-se e, aos 25, divorciou-se. Ela sempre quis estudar e viver destino diferente dos pais e dos seis irmãos – nenhum com curso superior.

O pai só aprendeu o pouco que os filhos lhe ensinaram em casa. A mãe foi até a antiga 4ª série. Rosimere queria fazer administração, mas o marido não deixava. Foi morar sozinha, entrou num curso de inglês com a ajuda da empresa em que trabalhava, ficou desempregada e depois retomou o trabalho.

Com a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), entrou na Faculdade Arnaldo com bolsa de 40% para realizar o grande sonho. “Vim com a cara e a coragem. Aperto, deixo de comer, de sair”, conta.

No ano passado, ficou novamente desempregada por seis meses. Dividiu as despesas para pagá-las com o dinheiro da rescisão, trabalhava sábado e domingo. Conseguiu estágio e, em fevereiro, foi contratada. Há três anos, não vê os pais. Ela conta que a mãe tem orgulho enorme da filha que faz faculdade, o que a deixa emocionada.

“Minha mãe não se passa mais por boba. Tudo me pergunta se está certo. Meu pai também não faz nada sem me consultar”, relata. “Além de ter orgulho de chegar aonde cheguei, estou num patamar muito longe do que estava 10 anos atrás.” Com um passo de cada vez, ela já sonha mais alto: fazer pós-graduação e estudar fora do país. E para daqui a alguns anos, o desfecho já está traçado. Os pais estarão na primeira fila para vê-la receber o diploma.

Difícil explicar para a família
Sair do Brasil é opção que tem sido avaliada também pelo pesquisador Diego Lucas Neres Rodrigues, de 22. Mestrando no Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG, ele driblou muitas adversidades para não deixar o sonho morrer. Morador de Vespasiano, na Grande BH, é filho de casal que estudou até o ensino médio. Os pais têm um pequeno açougue, de onde tiram o sustento da família.

“Nunca tivemos uma conversa sobre ensino superior. Ainda é difícil explicar para eles o que é faculdade e pós-graduação. Sou o primeiro do meu núcleo a estar na universidade”, afirma. “Apesar de duas tias e alguns primos terem feito faculdade, ainda assim é complicado falar do sobre mestrado e doutorado, qual a importância disso para a sociedade e a vida pessoal. Difícil explicar quão importante é o conhecimento para quem não teve essa experiência.”

E para chegar até aqui não foi fácil. Diego passou os últimos tempos na expectativa de conseguir a bolsa de R$ 1,5 mil do mestrado. Com os últimos cortes nas principais agências de fomento à pesquisa no país, viu qualquer possibilidade ir por água abaixo. Mas não desistiu. Sai de casa às 7h para ir à UFMG, onde fica até as 17h.

Gasta uma hora e meia de ônibus para ir e duas para voltar. A família se reuniu para garantir os R$ 11,40 diários de passagem. Sua luta sensibilizou tanto os colegas de laboratório que um doador anônimo passou a deixar todo mês, na secretaria do local, o dinheiro da alimentação – eles descobriram que o jovem estava ficando sem comer para não ter mais um gasto e poder prosseguir com a pesquisa.

Ele adiantou em um ano a conclusão da tese, que defenderá em fevereiro. Para o doutorado, já está sentenciado. Se não tiver bolsa nos três meses seguintes à conquista da vaga, não o fará.

“O sonho dos pais é ver o filho na indústria, com emprego e estabilidade. Os meus ficaram desiludidos ao ver que a situação não permitiu que eu tivesse bolsa. Mas passaram a acreditar na importância do pesquisador depois de a mídia ter divulgado os cortes e o impacto disso para a sociedade. Tentam ser bem atualizados em relação a isso. Têm cabeça aberta, mas era difícil pôr nessa cabeça aberta a importância da ciência.”

Primeira graduação na família
Os universitários de hoje são, na maioria, os primeiros da família a fazer graduação. Na comparação entre as redes pública e particular, a diferença de escolaridade dos pais dos alunos de cada uma das redes varia pouco, mas quando o quesito verificado é a modalidade presencial ou a distância, o abismo se alarga tanto para homens quanto para mulheres.

Em Minas, enquanto 78% dos pais e 72% das mães dos alunos da educação a distância (EAD) não estudaram ou fizeram até o ensino fundamental, esse percentual cai para 49% e 42%, respectivamente, quando se trata de pais de estudantes do ensino presencial.

“O EAD tem permitido mais o acesso ao nível superior de pessoas cujos pais têm um nível de escolaridade menor e, por consequência, podem tender a ter uma renda menor”, afirma o diretor-executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), Sólon Caldas.

O levantamento da ABMES em parceria com a Educainsights indica ainda a diferença entre pais e mães – eles estudaram menos e têm representação maior em relação a elas em todas as categorias analisadas. As informações são um consolidado de 2014 até 2017 da base de dados do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade).

No meio de números, histórias de frustração do passado se revertem no presente para alegria e orgulho. A costureira Margarida Rodrigues de Faria queria ser médica. Mas o pai dela nunca permitiu. Não achava que mulher devesse estudar.

Formou-se no ensino médio e assumiu o ofício atual. O marido, Alfredo José de Faria, também só terminou a educação básica e dá duro num táxi. Coube ao filho caçula realizar os desejos entrecortados pelo destino. Rafael Alexandre de Faria, de 32 anos, é um exemplo dessa geração de formação superior. O menino, que começou a trabalhar como vidraceiro aos 13 e exerceu a função de office-boy, nunca se deu por vencido. Chegou à faculdade de direito e se tornou delegado da Polícia Civil de Minas Gerais.

Na pré-adolescência, escolheu trabalhar mesmo diante do receio dos pais, que o achavam novo demais. Mas ele queria conquistar mais e esse foi o caminho escolhido, diante da situação financeira de casa, que não era muito favorável. Depois de sair da vidraçaria – o dono teve medo de ser denunciado – fez panfletagem para político, para supermercado, fez bico em marcenaria. Aos 15 anos, se candidatou a uma vaga na Associação Profissionalizante do Menor (Asprom). Foi reprovado na avaliação social, pelo fato de ter pai e mãe presentes e morar em casa própria. Ficou chateado, mas não se deixou abater.

Em 2003, conseguiu o primeiro emprego formal, como office-boy, e rapidamente assumiu outras funções na empresa. Em 2006, entrou para a faculdade. Passou num concurso da MSG e, por quatro anos, trabalhou como coordenador da Uai Venda Nova. No 9º período, passou no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e, pouco mais tarde, foi aprovado como delegado.

Rafael descobriu a vocação quando, ainda como office-boy, aos 17 anos, passou a estudar para um concurso no Tribunal de Justiça (TJMG). “Do meu círculo familiar inteiro, sou o primeiro a ter curso superior”, conta. E a família é numerosa. A mãe tem cinco irmãos e o pai, 16. “Esse é motivo de muito orgulho e meus pais se empolgam até demais às vezes”, brinca.

 


Conteúdo Relacionado