Detalhe

Instituições brasileiras seguem mesmas diretrizes de países como Alemanha e Japão para retomada das aulas presenciais

21/09/2020 | Por: ABMES | 637
Foto: ABMES

As instituições privadas de ensino superior (IES) estão se preparando para o retorno das atividades presenciais de maneira gradual e segura. As diretrizes de cuidados que estão sendo adotados para evitar a propagação da Covid-19 são as mesmas adotadas em países que já retornaram às salas de aula, como Alemanha e Japão, segundo a pesquisa “Impactos da pandemia no Ensino Superior do mundo”, elaborada pela Educa Insights em parceria com a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES). O estudo também analisou as ações relacionadas à educação em outros cinco países: Argentina, China, Estados Unidos, Itália e Uruguai.

O Governo Federal determinou o início do isolamento social e a suspensão das atividades educacionais antes mesmo que fosse registrada a primeira morte provocada pelo coronavírus, em 17 de março. Havia passado apenas 20 dias desde a confirmação oficial do primeiro caso. Atitude bem mais precoce que outros países (Tabela 1).

Na Alemanha, as aulas só foram suspensas quando a Organização Mundial de Saúde (OMS) oficializou a pandemia, em 20 de março. O país já registrava quase 20 mil casos depois de 50 dias lidando com a doença e 68 pessoas haviam morrido. No Japão, as escolas foram fechadas em 27 de fevereiro, 42 dias do primeiro caso e depois de quatro falecimentos em razão da Covid-19, mesmo intervalo da Itália, entretanto com grandes diferenças no número de ocorrência de enfermos e mortes. Os EUA demoraram mais entre o primeiro caso e a suspensão das atividades, 55 dias, e o país mais precavido foi o Uruguai deu início à quarentena quando três pessoas testaram positivo para o vírus.

Tabela 1- Quadro comparativo entre os países pesquisados

Apesar das diferenças regionais em um território tão grande e heterogêneo como o Brasil, as IES agiram rápido para garantir a continuidade do ensino e 82% delas conseguiram migrar das aulas presenciais para as remotas em maio, de acordo com a pesquisa “Covid-19 e Ensino Superior: o que pensam alunos e como sua IES deve se preparar”, realizada também pela Educa Insights em parceria com a ABMES. O uso das ferramentas de web conferência, plataformas de aulas síncronas, fóruns de discussão e e-mails compartilhados foram responsáveis por não deixar com que o futuro de milhares de jovens fosse interrompido.  

Retomada híbrida
De acordo com o levantamento da Educa Insights, o início da reabertura começou na Alemanha, ainda em meados de abril, com a volta das avaliações das instituições de ensino superior. O retorno completo só deve ocorrer em fevereiro de 2021. No Uruguai, Japão e algumas cidades da China (Hubei e Pequim), o retorno teve início em junho. Em todos os casos, as medidas de segurança sanitária incluem salas com menos alunos, uso de máscara e álcool gel, aferição de temperatura de alunos, professores e funcionários.

Com o fim do ano letivo entre maio e junho e as férias de verão no hemisfério norte, os países europeus e asiáticos foram favorecidos com a diminuição dos impactos no calendário acadêmico. Ainda assim, as faculdades e universidades públicas e privadas optaram por agir da mesma maneira que as brasileiras, adotando o ensino híbrido com aulas teóricas remotas síncronas e assíncronas e aulas presenciais limitadas às atividades práticas.

No Brasil, até o momento, conforme o Monitoramento de Reabertura das instituições particulares de ensino superior da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), seis estados têm decretos autorizando retorno das atividades presenciais: Amazonas, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Pernambuco e Rio de Janeiro. Das 11 unidades da federação que ainda não têm data defina ou há suspensão vigente, oito permitiram as atividades práticas para área de saúde e/ou de estudantes concluintes.

Ainda em setembro, outros três estados pretendem retornar Ceará, Rio Grande do Sul e Piauí. No próximo mês, há sinalização de que o retorno ocorra em São Paulo, Alagoas e Mato Grosso do Sul. No Distrito Federal, Pernambuco e São Paulo, as IES decidiram manter as aulas remotas até o final do ano letivo, seguindo a permissão concedida pela Portaria nª 544, do Ministério da Educação (MEC), mesmo depois das permissões estaduais de retorno.

O estudo
A Educa Insights realizou um levantamento sobre as atividades de ensino da educação básica e superior entre o registro do primeiro caso de coronavírus até o início de agosto da Alemanha, Argentina, China, Estados Unidos, Itália, Japão e Uruguai e as comparou com o Brasil.

Clique aqui e confira a íntegra do material.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Jornal da Record News | Prefeitura de SP libera aulas presenciais em universidades

Sólon Caldas, diretor executivo da ABMES, fala sobre o retorno das aulas presenciais nas instituições de educação superior em São Paulo/SP, após a quarentena imposta pela pandemia da Covid-19

CNN | SP: Universidades reabrem a partir de 7 de outubro

Em entrevista ao vivo para a CNN, o diretor-executivo da ABMES, Sólon Caldas, classificou como acertada a decisão da retomada das aulas nas universidades na cidade de São Paulo a partir de 7 de outubro, mas defendeu o mesmo para todos os outros setores da educação

Legislação

PORTARIA MEC Nº 544, DE 16 DE JUNHO DE 2020

Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais, enquanto durar a situação de pandemia do novo coronavírus - Covid-19, e revoga as Portarias MEC nº 343, de 17 de março de 2020, nº 345, de 19 de março de 2020, e nº 473, de 12 de maio de 2020.


Notícias

"Instituições de ensino estão preparadas para receber alunos presencialmente", garante diretor da ABMES

Brasil 61: Em entrevista, Sólon Caldas, o diretor executivo da ABMES, afirmou que EAD proporciona oportunidade de capacitação profissional para pessoas que vivem em cidades sem acesso à educação presencial

Temos que seguir exemplos de sucesso na volta às aulas, diz associação

CNN Brasil: Sólon Caldas, diretor-executivo da ABMES, fala sobre a retomada das aulas

Instituições de educação superior se preparam para retorno das atividades presenciais

ABMES monitora decisões em todas as unidades federativas para volta às aulas

MEC lança Protocolo de Biossegurança para o retorno às aulas

Documento contém medidas de prevenção e segurança às instituições que planejam o retorno presencial às aulas