Detalhe

Enquanto 62% dos recém-formados se sentem preparados para o mercado de trabalho, apenas 39% dos empregadores têm a mesma percepção

27/04/2021 | Por: O Globo | 536
Foto: Reprodução/ O Globo

De um lado, recém-formados que se acham preparados para o mercado. Do outro, empregadores que não têm uma avaliação tão satisfatória desses profissionais. Um estudo divulgado pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) mostra as diferentes percepções do meio acadêmico e de empresas sobre mercado de trabalho e competências desenvolvidas pelo ensino superior privado.

Um dos dados mostra que 62% dos egressos das universidades privadas se sentem bem preparados para o mercado. Já os gestores acadêmicos avaliaram que 69% dos recém-formados estão bem capacitados. Na avaliação dos empregadores, esse percentual despenca. Para eles, somente 39% dos recém-formados podem ser avaliados como bem capacitados.

Para Celso Niskier, diretor-presidente da ABMES e reitor da UniCarioca, a diferença na avaliação tem a ver com a relação entre o que as universidades oferecem e o que o mercado precisa:

— No mercado de trabalho, as pessoas são contratas pelas competências técnicas e demitidas pela falta de competências socioemocionais. É a pessoa muito boa, mas que não sabe trabalhar em equipe, exercer liderança, não usa criatividade.

Niskier avalia que as universidades precisam buscar a inovação, mas têm que se adequar aos modelos de avaliação.

— O grande desafio para as instituições de educação superior é fazer inovação, criar cursos fora do padrão, mas muitas vezes isso acaba não tendo espaço no currículo porque essas instituições precisam se adequar aos modelos atuais de avaliação — ressalta o educador.

O sociólogo Simon Schwartzman acredita que há uma desconexão entre sistema educacional e o setor produtivo:

— Isso tem a ver também com o fato de que não há informações sobre empregabilidade no Brasil. É uma responsabilidade do setor público, das próprias instituições (de ensino) de desenvolver essa informação mais clara do que o aluno vai obter do curso em termos de empregabilidade, de condições de trabalho, etc.

A pesquisa mostra ainda que 62% dos egressos das universidades fariam alteração nas disciplinas dos cursos para se adequarem melhor ao que o setor produtivo demanda. Entre os gestores acadêmicos, o índice é de 75%. Em relação às competências desenvolvidas durante a graduação, egressos, gestores e empresas avaliam de forma equivalente, com média de 60% para "hard skills" (competências técnicas) e 40% para "soft skills" (competências subjetivas).

O levantamento, realizado pela Educa Insights e Plataforma A, entre novembro e dezembro de 2020, ouviu 308 recém-formados, 51 gestores acadêmicos e 68 empregadores de instituições privadas.


Conteúdo Relacionado

Notícias

Estudo mostra que 46% dos estudantes buscam EAD para graduação

Exame: Levantamento feito pela ABMES mostra que a pandemia acelerou transformação e ensino híbrido se torna tendência

Para evitar o colapso, é preciso preparar os jovens

Os empresários terão que assumir o papel de inclusão social, preparando suas empresas a garantir emprego, renda, treinamento e desenvolvimento

Manter alunos é o maior desafio do ensino superior

Com recordes de abstenção no Enem e incertezas no mercado de trabalho, universidades concentram esforços para conter a evasão

Ensino à distância se consolida na pandemia

Com os impactos da pandemia a modalidade EAD cresceu vertiginosamente, transformando vidas e mudando a forma de aprender e ensinar, mostra o levantamento realizado pela ABMES

"Perda do auxílio afastou o sonho da faculdade", aponta estudo

R7: Pesquisa realizada pela ABMES mostra que 56% dos estudantes adiaram o início do curso de graduação por falta de dinheiro

Mensalidade mais baixa motiva busca por ensino a distância em universidades particulares, diz pesquisa

G1: Levantamento realizado pela ABMES também aponta que auxílio emergencial influenciou 56% sobre decisão de iniciar graduação

Após interrupção do auxílio emergencial, 56% dos estudantes adiaram planos de ir à universidade

CBN: A pesquisa realizada pela ABMES apontou que as causas para a evasão do ensino superior

Interrupção do auxílio emergencial fez estudantes adiarem o sonho universitário

Pesquisa da ABMES/Educa Insights mostra que falta de suporte financeiro às famílias por parte do Governo Federal impactou negativamente no ingresso ao ensino superior de 56% dos futuros universitários

Pesquisa revela que pandemia despertou interesse de muitos jovens por cursos de saúde

Bom dia Diário: Em pesquisa realizada pela ABMES mostrou que os cursos da área de saúde são os mais procurados