Detalhe

Bolsonaro libera participação no Prouni de alunos de escolas privadas sem bolsa

07/12/2021 | Por: O Globo | 26026

O presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória (MP) que libera a participação no Programa Universidade Para Todos (Prouni) para alunos de escolas privadas que não tiveram bolsa. Antes, a participação só era permitida para quem estudou em escola pública ou quem teve bolsa integral em instituições particulares. 

A MP altera a lei que criou o Prouni, de 2005, e cria diversas novas possibilidades de participação no programa, como para alunos que estudaram parcialmente em escolas públicas e parcialmente em escolas particulares, com bolsa integral, parcial ou nenhuma bolsa.

Para participar do programa continua sendo necessário, no entanto, não ter diploma de ensino superior e ter renda familiar per capita que não ultrapasse o valor de um salário mínimo e meio (atualmente, R$ 1.650).

A medida exclui ainda artigo que estabelecia a contrapartida por parte de instituições filantrópicas, o que é apontado por especialistas como um dos pontos mais preocupantes.
O texto foi publicado nesta terça-feira no Diário Oficial da União (DOU). Uma medida provisória tem validade imediata, mas precisa ser aprovada pela Câmara e pelo Senado no prazo de 120 dias para virar uma lei. Os parlamentares podem fazer alterações no texto.

Alguns dos pontos da MP, no entanto, só terão efeitos a partir de 1º de julho de 2022, como a flexibilização nos critérios de entrada no programa.

De acordo com comunicado da Secretaria-Geral da Presidência, "a iniciativa busca ampliar a abrangência das condições de acesso às bolsas de estudo Prouni, alcançando, assim, estudantes egressos do ensino médio privado que foram pagantes ou bolsistas parciais".

Outra alteração feita pela MP foi a revogação de um artigo da lei de 2005 que determinava que "a instituição de ensino superior (...) somente poderá ser considerada entidade beneficente de assistência social se oferecer, no mínimo, 1 (uma) bolsa de estudo integral para estudante de curso de graduação" para cada nove estudantes pagantes. Na prática, segundo especialistas, a medida acaba com qualquer tipo de regulação relacionada às entidades filantrópicas.

— Agora elas não têm mais contrapartidas. Elas tinham que investir 20% da movimentação financeira em gratuidade,  conceder bolsas e respeitar critérios de funcionamento. O resultado é que o credenciamento dessas entidades e a contrapartida delas fica praticamente livre — explica Daniel Cara, professor da faculdade de Educação da USP.
De acordo com ele, caso a MP se converta em lei, é importante definir como essas mudanças seriam operacionalizadas durante a seleção para evitar que desigualdades sejam aprofundadas.

— Do jeito que está o texto vai acontecer uma competição entre estudantes de escola pública e privada. O prejuízo em termos do conjunto da política é muito grave — opina Cara.

Cotas
A MP modifica ainda o cálculo para disponibilização de vagas destinadas a cotas no âmbito do ProUni para negros, indígenas e pessoas com deficiência. De acordo com o texto, a conta para determinar a quantidade de bolsas a serem distribuídas deve ser feita com base no percentual mínimo de pessoas autodeclaradas pretas, pardas ou indígenas; ou de pessoas com deficiência, separadamente, na população de cada unidade federativa do país.

Na regra anterior à medida provisória, o cálculo era feito a partir da soma de todos esses grupos na população.

A mudança na regra era um pleito antigo de entidades ligadas ao ensino privado. O governo Bolsonaro tem feito reiterados acenos ao setor ao longo de sua gestão. Nesta terça-feira, após a publicação da MP, grupos ligados a escolas particulares e ao ensino superior privado comemoraram a medida.

—  As mudanças no ProUni são uma bandeira do setor há quase 10 anos. O setor vem apresentando sugestões de melhoria para que as vagas possam ser adequadamente preenchidas e uma das coisas que limitava isso era a questão de exigir que fosse estudante de escola pública o tempo inteiro ou com bolsa integral na escola privada — defendeu Celso Niskier, diretor presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior  (ABMES).

Comprovação de renda
O Ministério da Educação poderá dispensar a apresentação da documentação que comprove a renda familiar mensal do estudante, "desde que a informação possa ser obtida por meio de acesso a bancos de dados de órgãos governamentais".

"A ideia aqui não é dispensar do cumprimento de exigência legal, mas tão somente exonerar o estudante da obrigação de comprovar situação que possa ser aferida diretamente por meio de informações disponíveis em bases de dados públicas", afirma o comunicado da Secretaria-Geral.

 


Conteúdo Relacionado

Legislação

EDITAL SESU Nº 20, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2022

Altera o Edital SESu nº 3, de 18 de janeiro de 2022, publicado no Diário Oficial da União (DOU), de 19 de janeiro de 2022, nº 13, Seção 3, páginas 55 e 56, o qual tornou público o cronograma e demais procedimentos relativos ao processo seletivo do Programa Universidade para Todos - Prouni referente ao primeiro semestre de 2022.


PORTARIA MEC Nº 99, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2022

Altera a Portaria Normativa MEC nº 19, de 20 de novembro de 2008, que dispõe sobre os procedimentos de manutenção das bolsas do Programa Universidade para Todos - ProUni, e a Portaria Normativa MEC nº 1, de 2 de janeiro de 2015, que regulamenta os processos seletivos do ProUni.


EDITAL SESU Nº 3, DE 18 DE JANEIRO DE 2022

Torna público o cronograma e demais procedimentos relativos ao processo seletivo do Programa Universidade para Todos - Prouni referente ao primeiro semestre de 2022.


EDITAL SESU Nº 85, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2021

Prorrogação de prazos do ProUni - primeiro semestre de 2022


PORTARIA MEC Nº 994, DE 07 DE DEZEMBRO DE 2021

Dispõe sobre a adesão e a renovação de adesão ao Programa Universidade para Todos - Prouni para participação no processo seletivo referente ao primeiro semestre de 2022.


MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1.075, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2021

Altera a Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005, e a Lei nº 11.128, de 28 de junho de 2005, para dispor sobre o Programa Universidade para Todos.


Notícias

Câmara aprova MP que amplia acesso ao Prouni para alunos de escolas particulares sem bolsa

Critérios de renda estão mantidos; texto também retira possibilidade de bolsas de 25%, mantendo apenas as de 50% ou 100%. Proposta vai ao Senado.

MEC divulga resultado da primeira chamada do Prouni 2022

Resultado pode ser consultado no site do programa

Sisu, Prouni e Fies: MEC divulga datas para inscrições em processos seletivos de 2022

Em fevereiro serão abertas as inscrições do Sisu e Prouni e, em março, do Fies

Setor vê avanço e diz que não faltará vaga para mais pobres

Para representantes do ensino superior privado, inclusão de alunos do ensino médio de escolas particulares não será suficiente para preencher vagas ociosas do Prouni

Governo federal publica MP que possibilita acesso de estudantes de escolas particulares ao Prouni

O Programa Universidade Para Todos foi criado em 2005 para auxiliar a entrada de alunos de baixa renda em universidades particulares

Coluna

O aspecto social do ProUni

Na Coluna Educação Superior Comentada desta semana, Bruno Coimbra disserta sobre a Medida Provisória que possibilita que alunos carentes que estudaram em escolas particulares tenham acesso ao ProUni e outras mudanças no programa