Detalhe

Pesquisa mostra que Brasil só atingirá quantidade de médicos recomendados pela OCDE em 2030

24/01/2023 | Por: ABMES | 727

O ano de 2023 começou com um debate nacional sobre a regulamentação de abertura de novos cursos de Medicina. A Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) participa ativamente desta pauta e, em parceria com a empresa de pesquisas educacionais Educa Insights, realizou um levantamento sobre o atual cenário e as demandas por médicos no mercado brasileiro nos próximos anos. O assunto foi o tema do primeiro seminário de 2023, transmitido nesta terça-feira (24) pelo canal do YouTube da Associação

De acordo com o estudo, o Brasil só atingirá o atual patamar médio de 3,5 médicos a cada 1 mil habitantes, recomendado pela OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), em 2030.

Atualmente, o Brasil tem 2,8 médicos a cada 1 mil habitantes, índice bem abaixo da recomendação da OCDE e ainda mais distante da média de 4,5 profissionais por 1 mil habitantes do ranking dos países mais ricos. Ainda que o ritmo de oferta de vagas em cursos de Medicina tenha aumentado nos últimos anos, o montante não atende às necessidades da saúde brasileira. A média de crescimento entre 2014 e 2021 foi de 11,2% ao ano para matrículas nas instituições privadas de ensino superior (IES), e de 4,5% ao ano nas instituições públicas.

A pesquisa apresentada durante o seminário pelo sócio fundador da Educa Insights, Daniel Infante, visa apoiar as instituições de educação superior na tomada de decisões estratégicas para a montagem de cursos e currículos de acordo com as principais demandas dos alunos de Medicina. Na avaliação dele, é preciso mais oportunidade de formatura de médicos. "No Brasil, há espaço para crescimento. Isso não tem uma correlação alta e próxima com o nível de desenvolvimento, tamanho ou realidade geográfica. Existe a necessidade de uma equação em termos de composição dessas novas vagas. A realidade de ofertas de vagas nas instituições públicas é diferente das privadas, o que exige adaptação nos modelos de captação de alunos", avalia. Infante avalia que, para o Brasil alcançar a referência da OCDE em tempo inferior aos sete anos projetados no estudo, é preciso ter uma aceleração na formação de médicos com a geração de mais vagas na graduação, além de melhorias nos programas de acesso à universidade, como o Fies e ProUni. 

Pandemia
Os cursos de graduação na área da Saúde, em especial Medicina, tiveram um grande destaque durante a pandemia da covid-19. De acordo com dados mais recentes do Censo Médico, em 2020, o Brasil tinha 521,4 mil médicos e a projeção é atingir 594,9 mil neste ano, um crescimento esperado de pouco mais de 4,5% ao ano no período. Entretanto, para atingir o patamar recomendado pela OCDE será necessário aumentar o número de profissionais ativos em 36,5% em sete anos. 

O diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, avalia a possibilidade de apagão de profissionais, caso não sejam abertas mais vagas para os cursos de Medicina. “Precisamos não só de melhores médicos, mas de mais médicos. A pandemia trouxe uma nova realidade mundial e o atendimento médico precisa lidar com esse novo cenário, que chamam de ‘era das pandemias'”, explica.

Antes da suspensão, o programa Mais Médicos garantiu um acréscimo de quase 13 mil vagas que foram criadas ou reativadas. Com o fim do prazo das limitações terminando em três meses, uma nova regulamentação está sendo avaliada pelo Ministério da Educação (MEC).

Concentração
A distribuição dos profissionais também é bastante desigual no Brasil. Há um excesso de profissionais na região Sudeste e faltam médicos no Norte e no Nordeste. São 48 (0,86%) os municípios com mais de 500 mil habitantes – grande parte nos estados do Sudeste e Sul – e concentram 62,42% dos médicos. Entretanto, 94,18% das cidades brasileiras, que têm até 100 mil habitantes, têm acesso a apenas 14% dos profissionais.

Financiamento público
A ampliação de cursos e vagas no curso de Medicina segue o mesmo caminho das demais graduações, por meio das instituições privadas de ensino superior. Razão pela qual é necessária a participação ativa do Governo Federal para viabilizar o acesso e a continuidade dos estudantes na formação superior.

De acordo com o levantamento da Educa Insights, com dados do Censo da Educação Superior 2021, apenas 11% das matrículas em Medicina são promovidas pelos programas governamentais, 4% do Programa Universidade para Todos (Prouni) e 7% do Financiamento Estudantil (Fies). O acesso aos cursos de Medicina é extremamente restrito a grande parte da população brasileira. Portanto, a ABMES defende que o pagamento do Fies seja atrelado aos ganhos futuros dos egressos.

Propostas da ABMES
As propostas da Associação, de acordo com a diretora executiva da EDUX21, Iara de Xavier, incluem a definição de padrões de qualidade adequados para a autorização de cursos de medicina, respeitando a lei que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação (SINAES). "É uma lei de política de estado e tem contribuído muito para a qualidade dos cursos, especialmente de medicina. É necessário ainda um projeto nacional sobre residência médica no Brasil. Não é a graduação que fixa o egresso e sim a residência", avalia.

Para ela, são necessárias políticas públicas para autorização de cursos de graduação em medicina. "Estamos discutindo medicina porque é fundamental a presença de um médico bem qualificado para atender a rede de saúde que declara que a carência de médicos no Brasil impossibilita a implantação de uma série de programas que o próprio SUS demanda. Precisamos pensar não só pela questão de mercado, mas pela questão de saúde no país”, conclui. 

A ÍNTEGRA DO SEMINÁRIO JÁ ESTÁ DISPONÍVEL NA ABMES PLUS* - CLIQUE AQUI
 
*Exclusivo para Associados ABMES e assinantes da plataforma

Conteúdo Relacionado

Notícias

Estudo mostra que Brasil deve atingir quantidade recomendada de médicos para população apenas em 2030

Ideal é de que sejam 3,5 profissionais para cada mil habitantes; número atual é de 2,8. Pesquisa, divulgada nesta terça (24), mostra que falta de vagas e envelhecimento de profissionais impacta mercado.

Empresas de ensino superior divulgam nova projeção sobre oferta de médicos formados

Associação do setor, que defende maior abertura de cursos, diz que proporção recomendável fica para 2030

MEC mantém trava a novos cursos de medicina em meio a pressão de empresas

Governo Lula revogou portaria do fim do governo Bolsonaro que previa chamamentos que poderiam favorecer grandes grupos