Detalhe

ABMES convida MEC para tirar dúvidas sobre os acervos e diplomas digitais das IES

28/11/2023 | Por: ABMES | 823

A transformação digital dos processos internos das instituições de educação superior, especialmente o acervo e o diploma digital, são temas que ainda geram diversas dúvidas. Por isso, a Associação Brasileira de Mantenedores de Ensino Superior (ABMES) realizou nesta terça-feira (28), o seminário on-line “Acervo e diploma digital: bate-papo com o MEC sobre a modernização de documentos das IES”, com representantes da Diretoria de Supervisão da Educação Superior/MEC e especialistas sobre o tema.

O evento, que foi assistido ao vivo por mais de 400 pessoas, foi apresentado pelo diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, e mediado pelo diretor jurídico da entidade, Bruno Coimbra.

Com o objetivo de promover a modernização de documentações acadêmicas, o Ministério da Educação (MEC) adotou o acervo e diploma digitais, o que permite a desburocratização do processo de emissão do diploma e a consequente economia de tempo e custo do serviço. Tal modernização tecnológica concede maior segurança nos sistemas eletrônicos e, com isso, podem coibir fraudes em diplomas e registros acadêmicos, como as ocorridas com documentos não digitais.

O diretor da Diretoria de Supervisão da Educação Superior, Rafael Furtado, elencou os principais desafios do órgão para a transformação digital no momento. Ele pontuou que é preciso modernizar o módulo de supervisão no e-MEC, incluindo os casos que transitam em outros sistemas e retornam à plataforma, bem como a melhoria de funcionalidades e ferramentas, partindo do trabalho que tem sido feito para atualizar as sinalizações. “Esse trabalho deve terminar em meados de dezembro e partiremos para outros aspectos que identificamos que são desnecessários e estão desatualizados”, comentou Furtado.

Ele também informou que a participação das entidades foi importante para debater, durante o GT do Diploma Digital, os parâmetros para criação do módulo acervo no sistema e-MEC. Furtado também fez uma provocação relacionada aos casos de IES descredenciadas. “Há um grande problema para os alunos que buscam na Justiça os seus diretos por diplomas daquelas IES que foram descredenciadas e contamos com a colaboração de todos para encontrar soluções para prevenir e tratar desses casos”, comentou.

Fabrício Carmo Cabral, coordenador-geral de Monitoramento da Educação Superior, detalhou o que tem sido feito no módulo acervo. “O principal objetivo do módulo é resguardar o direito dos estudantes”, informou. Furtado reforçou que a consulta que está sendo feita junto às IES não tem qualquer caráter punitivo. “Precisamos saber como cada instituição está lidando com seu acervo digital até pra poder colaborar e evoluir dentro de um cenário tão heterogêneo”, comentou.

Para completar a apresentação do tema, agora bastante focado no diploma digital, o seminário teve a participação de Ricardo Menezes, coordenador-geral de Relações Estudantis e Serviços Digitais da Secretaria de Educação Superior (Sesu/MEC). “O MEC vem modernizando e ampliando a oferta dos diplomas digitais. Os próximos passos são a oferta do diploma digital para residência em saúde e das pós-graduações stricto sensu”, comentou Ricardo. Ele também ressaltou marcos importantes do trabalho do GT do Diploma Digital e quais as expectativas para os próximos encontros e avanços do grupo.

Uma vez que as principais dúvidas foram apresentadas, Bruno Tameirão, CEO – NEXUS+, apresentou as principais dificuldades e desafios que as instituições atendidas pela empresa encontram e quais as soluções que são propostas. Ele destacou a importância de determinados documentos já serem digitalizados desde a criação.


Conteúdo Relacionado