Detalhe

Guedes acena com crédito para saúde e educação

15/06/2020 | Por: Estadão | 299
Foto: Reprodução/ Estadão

O ministro da Economia, Paulo Guedes, sinalizou em reunião com empresários de comércio e serviços para a possibilidade de discutir linhas de crédito específicas para os setores de saúde e educação como uma forma de minimizar o impacto da pandemia do novo coronavírus sobre esses segmentos.

Segundo relatos de dois participantes, o ministro reconheceu que os setores ficaram sem atenção do governo num primeiro momento e demonstrou preocupação com a elevada inadimplência relatada pelos representantes dessas atividades.

Como mostrou o Estadão, a inadimplência no pagamento de mensalidades do ensino superior subiu 75% entre abril e maio, de acordo com uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) em parceria com a consultoria Educa Insights.

Hospitais privados também sentiram a crise por meio do aumento do custo com insumos e da queda nas receitas devido à redução no número de atendimentos, diante da recomendação do Ministério da Saúde para adiar cirurgias e exames sem urgência ou relação com a covid-19.

Guedes então propôs a criação de grupos de trabalho para debater a viabilidade de contemplar os setores com linhas de crédito especiais, sem citar detalhes de como elas poderiam funcionar. A princípio seriam três grupos, um para saúde e dois para educação (um para empresas com faturamento até R$ 300 milhões e outro para companhias com receita bruta acima disso).

Receio por irmã
Ainda de acordo com os relatos, o ministro disse que ficou com receio de agir mais cedo para ajudar esses setores e ser acusado de favorecer um segmento no qual já investiu (educação) e que reúne pessoas próximas a ele. A presidente da Associação Nacional das Universidades Particulares (Anup), Elizabeth Guedes, é irmã do ministro.

Na reunião, o ministro também demonstrou preocupação com a situação dos estudantes que contrataram financiamentos estudantis para poder frequentar a universidade. O temor é de que esses jovens, ao se graduarem, enfrentem maior dificuldade para encontrar emprego e obter renda para pagar a dívida contraída.

Guedes voltou a defender a retirada de encargos sobre a folha de pagamento como medida para alavancar contratações no pós-crise.

O ministro também acenou aos empresários com uma prorrogação do prazo máximo para que empresas e trabalhadores com carteira assinada adotem a suspensão de contratos ou redução de jornada e salário, com pagamento de uma compensação pelo governo.

Como antecipou o Estadão/Broadcast, o prazo da suspensão de contrato deve passar de 60 dias (dois meses) para 120 dias (quatro meses). Já o período limite para redução de jornada e salário deve aumentar de 90 dias (três meses) para 120 dias (quatro meses).


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Seminário Virtual ABMES | Coronavírus e educação superior: 3ª onda do estudo

Confira a íntegra do seminário virtual da ABMES "Coronavírus e educação superior: 3ª fase do estudo sobre o que pensam os alunos". Coordenação: Celso Niskier, diretor presidente da ABMES Participação: Daniel Infante, sócio-fundador Educa Insights Sólon Caldas, diretor executivo da ABMES 

Seminário Virtual ABMES | Coronavírus e educação superior: 2ª onda do estudo

Confira a íntegra do Seminário Virtual ABMES, realizado no dia 5 de maio de 2020, que apresentou a segunda onda do do estudo sobre o impacto do novo coronavírus na educação superior, feito pela empresa de pesquisas educacionais Educa Insights. Coordenado por Celso Niskier, diretor presidente da ABMES, o evento contou com a participação de Daniel Infante, sócio-fundador Educa Insights, e Sólon Caldas, diretor executivo da ABMES

Seminário Virtual ABMES | Coronavírus e educação superior

Confira a íntegra do Seminário Virtual ABMES, realizado no dia 2 de abril de 2020, que apresentou dados do estudo sobre o impacto do novo coronavírus na educação superior, feito pela empresa de pesquisas educacionais Educa Insights. Coordenado por Celso Niskier, diretor presidente da ABMES, o evento contou com a participação de Daniel Infante, sócio-fundador Educa Insights, e Sólon Caldas, diretor executivo da ABMES

Notícias

Como será a volta às aulas após a temporada compulsória de ensino on-line

Veja: Intensifica-se o debate sobre as aulas virtuais. Poucos gostaram da experiência, mas ela é inescapável — e isso pode ser bom

Mais de 40% dos alunos do ensino superior privado afirmam que podem desistir do curso, diz pesquisa

Agência Brasil: Quase a totalidade dos estudantes matriculados no ensino superior privado querem continuar os estudos.

Estudantes no ensino à distância devem ser maioria no país em 2022

SBT Brasil: de acordo com a pesquisa divulgada pela ABMES, a pandemia acelerou o que já era uma tendência na educação

O número de calouros em cursos superiores a distância vai superar o de presenciais já no ano que vem

Jornal O Sul: O aumento da oferta de cursos de graduação 100% online ou híbridos, em que parte é feita virtualmente, vai atrair mais alunos a cada ano

Pesquisa revela que 42% dos alunos podem abandonar faculdades privadas

Estadão: Pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Mantenedoras de Ensino Superior mede o impacto da pandemia no setor de educação

Pesquisa aponta que EAD deve ser primeira opção entre universitários

R7: Queda no nível de empregos e renda justifica decisão. Retorno às aulas deve ser marcado pelo ensino híbrido nas instituições de ensino superior

Pesquisa revela que 42% dos alunos podem abandonar faculdades privadas

Agência Brasil: Pesquisa realizada pela ABMES mostra que dentre os estudantes matriculados, 52% disseram querer continuar estudando não importa o cenário

Coronavírus: Número de calouros em cursos superiores a distância vai superar o de presenciais em 2022

Época : Projeção foi revelada por pesquisa feita pela ABMES que aponta a queda de emprego e de renda da população como os principais fatores para mudança

Desemprego acelera projeção para crescimento do EAD no ensino superior

Correio Braziliense: pesquisa apresentada pela ABMES mostra que, mesmo com a perda de renda pelos alunos, 94% querem dar continuidade aos estudos

Pesquisa aponta que instituições devem centrar esforços na retenção de alunos

3ª onda do estudo sobre os impactos da Covid-19 na educação superior foi apresentada em seminário virtual da ABMES nesta terça-feira (10/6)

ABMES: inadimplência em maio cresce 75% e ensino a distância deve superar presencial em 2022

E-Investidor: De acordo com a pesquisa realizada pela ABMES, em abril, 8% dos estudantes afirmaram que não pagaram o boleto referente ao mês e não sabiam quando iriam pagar

Brasil terá maioria de alunos em modalidade EAD em 2022

Zero Hora: Queda de emprego e renda da população em razão da pandemia de coronavírus deve acelerar em um ano essa reviravolta

Pesquisa aponta que EAD deve ser primeira opção entre universitários

R7: pesquisa divulgada pela ABMES mostra que retorno às aulas deve ser marcado pelo ensino híbrido nas instituições de ensino superior

Em 2022, curso on-line vai superar presencial

Valor Econômico: experiência na pandemia ajudará a acelerar crescimento da graduação a distância, segundo pesquisa divulgada pela ABMES