Detalhe

Especialistas debatem quadrantes híbridos e a educação brasileira pós-pandemia

09/11/2021 | Por: ABMES | 968

A pandemia da Covid-19 promoveu um salto evolutivo na educação superior brasileira. Conceitos que estavam sendo debatidos há alguns anos, como o hibridismo, amadureceram e se consolidaram a ponto de se tornar tema de discussão e estruturação no Conselho Nacional de Educação (CNE). O assunto foi tema do seminário virtual “Os quadrantes híbridos da educação superior brasileira”, promovido pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), nesta terça-feira (09), via YouTube. 

Segundo a presidente do CNE, Maria Helena Guimarães de Castro, até janeiro será apresentado ao Ministério da Educação (MEC), uma resolução orientando instituições de ensino básico e superior para as adaptações necessárias de implementação das pedagogias ativas mediadas por tecnologia. “Temos uma versão preliminar com capítulos dedicados à educação básica e outro à educação superior. A ideia é aprovarmos até o mês de janeiro o conceito de que a educação híbrida ou aprendizagem híbrida não é modalidade não é modalidade”, explicou.

Maria Helena também detalhou o que considera ser a percepção adequada da educação híbrida mediada por tecnologia. “A educação híbrida veio para ficar. Não se trata de regular como uma modalidade do MEC, que deverá obedecer x% presencial ou x% híbrido”, e completou, “a educação híbrida não é considerada modalidade em nenhum lugar do mundo. O que temos é um debate em andamento na União Europeia sobre o tema”.

Preocupada em colaborar e dar suporte às instituições de ensino superior (IES), a ABMES elaborou o conceito inovador dos quadrantes híbridos, um conjunto de novos modelos de ensino beneficiados pela redução da resistência de alunos e professores ao uso das tecnologias no processo de ensino-aprendizagem. Por isso, além do seminário virtual, foi lançado um e-book sobre o assunto assinado pelo diretor presidente da ABMES, Celso Niskier. A publicação pode ser acessada gratuitamente aqui. “A ABMES acredita que no pós-pandemia o modelo dos quadrantes híbridos responderá melhor ao momento, uma vez que permite não só um melhor entendimento das possibilidades didático-pedagógicas, mas também é simples de entender e é fácil de ser adotado pelas IES”, afirmou Niskier.

Os detalhes de cada uma das abordagens foram apresentados pelo pró-reitor de planejamento e desenvolvimento da UniFOA, Max Damas. De forma didática, o modelo híbrido proposto considera dois eixos: espaço (presencial ou virtual) e tempo (síncrono ou assíncrono). Ambos resultam em quatro quadrantes de possibilidades didático-pedagógicas: atividades presenciais e síncronas (PS), atividades virtuais e síncronas (VS), atividades presenciais e assíncronas (PA) e atividades virtuais e assíncronas (VA).

“Em cada um deles há um leque de possibilidades de ferramentas e abordagens, assim como há habilidades a serem desenvolvidas tanto por professores quanto pelos alunos”, detalhou Damas. Ele também apresentou passo a passo de um exemplo para o curso de Nutrição como forma de ilustrar na prática como os quadrantes se aplicam.

Aprofundando ainda mais o tema, o consultor de educação a distância da Hoper Educação, João Vianney, expôs um histórico do hibridismo no Brasil. “Hibridismo já está regulamentado no Brasil, flexibilizando e personalizando a aprendizagem desde o fim da década de 1990”. Segundo ele, o grande desafio é mudar a mentalidade da gestão educacional brasileira e se adaptar ao que é realidade dos jovens. A vida dos jovens já é híbrida e o desafio é para nós, os adultos, nos adaptar à nova realidade que já existe. O MEC, que é o "adulto dos adultos" tem mais dificuldade ainda. Se for colocar em um grau de dificuldade de implementação, posso dizer que a maior delas está nas velhas cabeças que regem a educação brasileira.

Para assistir ao seminário na íntegra, acesse aqui.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Seminário ABMES | Os quadrantes híbridos da educação superior brasileira

Confira a íntegra do seminário "Os quadrantes híbridos da educação superior brasileira", realizado em 09 de novembro de 2021, e transmitido pelo canal da Associação no YouTube.

Coordenação
Celso Niskier – Diretor presidente da ABMES

Participação
Maria Helena Guimarães de Castro – Presidente do Conselho Nacional de Educação
João Vianney – Consultor de Educação a Distância da Hoper Educação
Max Damas – Pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento do UniFOA

 

#ABMES39 | Seminário "Educação híbrida e os novos quadrantes do ensino e da aprendizagem"

Confira a íntegra do Seminário virtual "Educação híbrida e os novos quadrantes do ensino e da aprendizagem", precedido por um bate papo com o Ministro da Educação Milton Ribeiro. Conheça ainda os vencedores da Edição Especial do Concurso Silvio Tendler de Vídeos sobre Responsabilidade Social das IES.

 

Notícias

CNE elabora documento para manutenção do ensino híbrido após pandemia na educação básica e superior

Conselho prepara um documento favorável à permanência do ensino híbrido para a educação básica e superior brasileira

Governo e empresas discutem novos modelos de ensino superior

Conselho Nacional prepara resolução que mescla aulas presenciais e on-line

Editora

Os Quadrantes Híbridos da educação superior brasileira: uma proposta ABMES

Por Celso Niskier

Nesta publicação é apresentado, de forma detalhada, o modelo dos quadrantes híbridos, bem como o contexto das transformações que nos conduziram para a sua construção e o que temos feito para que a transição da educação do século 20 para o século 21 se torne realidade.