Detalhe

Cresce demanda por curso em 2022

24/11/2021 | Por: Valor Econômico | 128

Com o aumento da vacinação, a demanda pelo ensino superior volta a crescer. Pesquisa realizada com 1 mil potenciais alunos de instituições de ensino particulares mostra que 63% pretendem ingressar na faculdade no começo do próximo ano. Esse índice é 25 pontos percentuais superior ao registrado um ano atrás, quando ainda não havia campanha de imunização no país e apenas 38% tinham intenção de se matricular no começo de 2021. O estudo foi produzido pela consultoria Educa Insights em parcerias com a Associação Brasileira das Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes).

O levantamento, realizado neste mês, mostra ainda que entre os entrevistados que escolhem cursos na modalidade a distância, 67% querem iniciar os estudos no começo de 2022 e 13% deles preferem a metade do próximo ano. Quando a opção é por uma graduação presencial, 63% devem ingressar no próximo semestre e 14%, no segundo semestre de 2022.

“A pesquisa identifica o crescimento da confiança dos estudantes em ingressar na graduação a partir de agora, visto que muitos foram vacinados e a pandemia mostra indícios de retração no Brasil”, disse Celso Niskier, presidente da Abmes.

Segundo Daniel Infante, fundador e diretor da Educa Insights, consultoria especializada em educação, os resultados da pesquisa validam o primeiro passo da retomada da intenção de matrícula. “Esse é o primeiro passo e tem uma série de desdobramentos necessários para que a intenção se transforme em ingresso, como o momento da economia que impacta diretamente na renda das famílias”, disse Infante.

As companhias de capital aberto - Ânima, Cruzeiro do Sul, Kroton, Ser Educacional e Yduqs - registraram já no vestibular da metade deste ano um aumento no volume de novas matrículas de cursos presenciais, um desempenho que não era percebido há vários trimestres devido à pandemia da covid-19 e redução do Fies, programa de financiamento estudantil do governo federal que vem reduzindo de tamanho, gradativamente, desde 2015.

Niskier destaca que praticamente após dois anos letivos com aulas remotas devido ao isolamento social, o modelo pedagógico predominante será o híbrido, cujo conteúdo didático pode ser ministrado presencialmente ou on-line. “Ficou bem claro que o futuro do ensino é híbrido e que as instituições de ensino superior devem aproveitar a oportunidade de retomada das matrículas para oferecer aos alunos uma grade inovadora com conteúdos que sigam o modelo dos quadrantes híbridos”, disse. Os quadrantes híbridos, ao qual Niskier se refere, é um conjunto de quatro modelos pedagógicos que fazem sentido no atual cenário pós-pandemia.

A ideia é que a faculdade tenha liberdade para escolher uma dessas quatro opções de aprendizagem: presencial síncrona (modelo que contempla aulas e atividades práticas realizadas presencialmente com todos os alunos juntos), presencial assíncrona (atividades práticas presenciais, sendo que os alunos podem realizá-las em momentos distintos), virtual síncrona (aulas e atividades on-line ministradas em tempo real) e virtual assíncrona (aulas gravadas e outras atividades virtuais).

Para os alunos pesquisados, só 45% da carga horária dos cursos deveriam ser dedicadas às aulas presenciais tradicionais. O restante deveria ser ministrado por aulas remotas (16%), conteúdos digitais (16%) ou trabalhos práticos em comunidades ou empresas (23%).

Em relação ao Enem, o levantamento mostra que só 10% pretendem usar a nota do exame para se candidatar a uma bolsa do ProUni. Já 79% têm a expectativa de conseguir o melhor desconto ou bolsa possível direto com a faculdade.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Seminário ABMES | Educação superior pós-pandemia: como se preparar para 2022?

Confira a íntegra do Seminário "Educação superior pós-pandemia: como se preparar para 2022?", realizado em 23 de novembro de 2021, trazendo resultados de pesquisa realizada pela Educa Insights, acerca de pontos importantes para a retomada da educação no pós-pandemia e o fortalecimento do modelo híbrido de educação.

Coordenação
Celso Niskier – Diretor presidente da ABMES

Participação
Daniel Infante – Sócio fundador Educa Insights
Sólon Caldas – Diretor executivo da ABMES
 

Notícias

Com reducação da Covid, aumenta total de alunos que pretendem ingressar no ensino superior em 2022, diz levantamento

Segundo a “Observatório da Educação Superior – 5ª edição: Perspectivas para 2022”, 63% dos entrevistados declararam planejar o início da faculdade neste momento, contra 38% no auge da pandemia no ano passado

Pesquisa mostra que seis em cada dez alunos querem voltar a estudar

Estudo da ABMES/Educa Insights também revela que jovens universitários têm interesse em cursos de modelo híbrido

Seis em cada 10 estudantes querem se matricular em universidades em 2022

Acesso ao ensino superior ainda é restrito no país.

Cresce número de interessados em ingressar em faculdades particulares em 2022; preferência é por ensino híbrido, diz pesquisa

Índice (63%) é maior que registrado no fim de 2020, quando estimativa era de 38%. Resultado indica 'confiança dos estudantes no cenário atual, em que quase 75% da população já foi imunizada com 1ª dose da vacina contra Covid-19', dizem pesquisadores do Observatório da Educação Superior.

Aumenta interesse de estudantes por ensino superior, diz pesquisa

Estudo foi encomendado por instituições privadas de educação superior

Jovens querem iniciar faculdade em 2022 e buscam cursos híbridos, diz pesquisa

Para os alunos pesquisados no levantamento Observatório da Educação Superior – 5ª edição: Perspectivas para 2022, somente 45% da carga horária dos cursos deveriam ser dedicadas às aulas presenciais tradicionais

Jovens estão prontos para investir na graduação e querem cursos inovadores e híbridos

Pesquisa da ABMES/Educa Insights aponta que a insegurança provocada pela pandemia foi superada e que experiência positiva com o ensino remoto aumentou interesse por novo modelo pedagógico

Cresce interesse em ingressar na faculdade em 2022, diz pesquisa da Abmes

Levantamento realizado com 1 mil potenciais alunos de instituições de ensino particulares mostra que 63% pretendem ingressar na faculdade no começo do próximo ano