Detalhe

ONU Meio Ambiente destaca avanços da China na restauração ecológica de larga escala

10/01/2019 | Por: ONU | 155
Foto: Divulgação/ ONU

Na década de 1980, a região montanhosa de Qianyanzhou, na província de Jiangxi, sul da China, enfrentou uma severa erosão do solo devido ao desmatamento e a práticas agrícolas insustentáveis. O solo vermelho fértil estava desaparecendo, o que fez com que os rendimentos das colheitas caíssem.

Mas uma mudança notável ocorreu nos últimos 30 anos graças a um plano de uso da terra apoiado pelo governo chinês que reflorestou montanhas superiores, plantou pomares cítricos em declives moderados e arrozais nos fundos dos vales. Em poucos anos, esse mosaico de uso sustentável da terra passou a gerar rendas mais altas.

As florestas são uma importante e necessária frente de ação na luta global contra as mudanças climáticas catastróficas, graças à sua incomparável capacidade de absorver e armazenar carbono. As florestas capturam dióxido de carbono a uma taxa equivalente a cerca de um terço da quantidade liberada anualmente pela queima de combustíveis fósseis. Parar o desmatamento e restaurar as florestas danificadas, portanto, poderia fornecer até 30% da solução climática. O relato é da ONU Meio Ambiente.

Na década de 1980, a região montanhosa de Qianyanzhou, na província de Jiangxi, sul da China, enfrentou uma severa erosão do solo devido ao desmatamento e a práticas agrícolas insustentáveis. O solo vermelho fértil estava desaparecendo, o que fez com que os rendimentos das colheitas caíssem.

Mas uma mudança notável ocorreu nos últimos 30 anos graças a um plano de uso da terra apoiado pelo governo chinês que reflorestou montanhas superiores, plantou pomares cítricos em declives moderados e arrozais nos fundos dos vales. Em poucos anos, esse mosaico de uso sustentável da terra passou a gerar rendas mais altas. A biodiversidade e a qualidade ambiental, assim como o microclima, melhoraram.

No início de novembro de 2018, o chefe do setor de água doce, terra e clima da ONU Meio Ambiente, Tim Christopherson, juntamente com sua colega Xiaoqiong Li, visitou vários locais na região para entender melhor como funciona a restauração ecológica em larga escala.

Huimin Wang, diretor de uma estação de pesquisa ecológica em Ji’an, na região de Qianyanzhou, informou às Nações Unidas sobre o problema existente anteriormente e o papel do centro na restauração da paisagem.

“Trinta anos atrás, essa área estava desnudada de árvores e vulnerável a deslizamentos de terra. Os barrancos de erosão lavaram o solo vermelho fértil”, diz Wang.

“Montamos essa estação de pesquisa ecológica para descobrir a melhor forma de restaurar a terra. Reunimos especialistas de todo o mundo, inclusive da Agência Federal para a Conservação da Natureza da Alemanha.”

A pesquisa focou na otimização da estrutura da floresta e em como melhorar seus serviços ecossistêmicos; na estrutura e funções da ecologia florestal; na promoção do ciclo de carbono, de água e nutrientes em ecossistemas florestais sob as mudanças climáticas; e em um modelo de atualização de Qianyanzhou a ser alcançado, melhorando os benefícios ecológicos e econômicos na bacia hidrográfica.

Outro elemento-chave do processo de restauração foi o agro-florestamento, apoiado pelo governo local: os agricultores continuaram a cultivar grãos como amendoim, gergelim e legumes entre os pomares restaurados e criaram galinhas Silkie (de ossos pretos e plumagem fofa) em pomares e plantações florestais. Isso garantiu o retorno econômico nos estágios iniciais do projeto e ajudou a melhorar a fertilidade do solo. Além de construir represas e lagoas, as agências governamentais forneceram empréstimos às famílias para ajudá-las a começar.

História de sucesso
De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), cerca de 21,9%, ou 206.861.000 hectares da China, foram reflorestados em 2010. Em apenas uma década, a iniciativa de restauração de Qianyanzhou e ações semelhantes em todo o país aumentaram a área florestal total da China em 74,3 milhões de hectares. A cobertura florestal de Qianyanzhou aumentou de 0,43% para quase 70%.

“Qianyanzhou é uma história de sucesso de restauração em larga escala que vale a pena aprender”, diz Tim Christophersen, da ONU Meio Ambiente. “Espero que o governo da China continue compartilhando as lições aprendidas aqui e em outras províncias e continue investindo na restauração do clima, da biodiversidade e nos benefícios econômicos”.

Os esforços de restauração de Qianyanzhou ajudaram a região e o país a dar um grande passo na implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), em particular os Objetivos 1 (erradicação da pobreza), 6 (água e saneamento), 8 (trabalho decente e crescimento econômico), 12 (consumo e produção responsáveis), e 15 (vida terrestre), bem como o Desafio de Bonn e a Declaração de Nova Iorque sobre Florestas, todos os quais se enquadram no programa de trabalho da ONU Meio Ambiente.

As florestas são uma importante e necessária frente de ação na luta global contra as mudanças climáticas catastróficas, graças à sua incomparável capacidade de absorver e armazenar carbono. As florestas capturam dióxido de carbono a uma taxa equivalente a cerca de um terço da quantidade liberada anualmente pela queima de combustíveis fósseis. Parar o desmatamento e restaurar as florestas danificadas, portanto, poderia fornecer até 30% da solução climática.

O Programa Colaborativo das Nações Unidas para Redução de Emissões do Desmatamento e Degradação Florestal em Países em Desenvolvimento (Programa UN-REDD) foi lançado em 2008 e se baseia no papel de convocação e perícia técnica da FAO, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e ONU Meio Ambiente.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Em 2019, conheça a China com a ABMES!

Rússia, Israel e agora China: as delegações internacionais da ABMES conectam atores educacionais brasileiros com importantes instituições de educação mundiais e propiciam troca de experiências únicas entre os países!

Em 2019 conheceremos a China, que é o maior produtor de doutores universitários do mundo, tem 95% de sua população alfabetizada e lidera o ranking mundial de valorização dos professores.

A programação está imperdível e as vagas são limitadas.

Notícias

Ásia retoma seu lugar como centro do mundo

Economistas, cientistas políticos e especialistas em países emergentes vêm há décadas especulando sobre a chegada da Era Asiática, o ponto de inflexão quando o continente se tornará o centro do mundo

O crescimento exponencial e a China

A sociedade chinesa é sem duvida alguma a mais antiga e maior nação organizada em vigor nos dias de hoje

A extraordinária Xangai

A parceria que a China mantem com aproximadamente 70 países, garante o reconhecimento de suas qualificações acadêmicas e traz importantes campi de instituições de ensino renomadas

Revista internacional publica dados sobre educação superior na China

Edição da International Higher Education traz informações baseadas em dados do Ministério da Educação chinês

Embaixador da China no Brasil é apresentado à 3ª Delegação ABMES Internacional

Encontro aconteceu na residência oficial do embaixador, em Brasília/DF, e resultou no comprometimento da representação para a colaborar no diálogo com as instituições chinesas

Pequim volta a ter céu azul depois de 20 anos de intensa poluição

A guerra contra a poluição começou em Pequim em 1998

Por que estudar na China?

A China é o novo horizonte de tecnologia

China cria estrela artificial mais quente que o Sol que pode ser futuro da energia

Experimento faz com que átomos se movam rapidamente para aumentar a probabilidade de eles colidirem e gerar pressão para a fusão nuclear

O que podemos aprender com a China?

Essa atitude de se colocar como aprendiz é algo que a China executa com excelência

Reformas econômicas: 9 gráficos que mostram a transformação da China em 40 anos

Ao fazer mudanças nas regras que regem sua economia e uma gradual abertura para o resto do mundo, o país conseguiu tirar centenas de milhões da pobreza e aumentar o seu PIB em mais de nove vezes.

Sonda chinesa pousa no lado oculto da Lua pela primeira vez na história

Com a missão, país se coloca em destaque na corrida espacial. Objetivo é estudar a composição dessa parte do satélite, que não pode ser vista da Terra