Detalhe

Câmara rejeita exigência de universidade ouvir conselho para definição de currículo

21/08/2017 | Por: Câmara Notícias | 531
Cleia Viana / Câmara dos Deputados Átila Lira: texto limita autonomia universitária e interfere na competência do CNE

A Comissão de Educação rejeitou proposta que obriga universidades de todo o País a solicitar o auxílio dos Conselhos Federais de Fiscalização Profissional durante o processo de definição dos currículos dos cursos oferecidos.

A proposta será arquivada, a menos que haja recurso para que seja analisado pelo Plenário da Câmara dos Deputados.

O texto rejeitado, que pretendia alterar a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9.394/96) é o do Projeto de Lei 2546/15, do deputado Vinicius Carvalho (PRB-SP).

Relator na comissão, o deputado Átila Lira (PSB-PI) considerou que a ideia de articular a formação em nível superior com os conselhos de fiscalização das profissões é “louvável”, mas é preciso ponderar que, conforme a Constituição Federal (artigo 207), as universidades têm autonomia didático-científica.

“Ainda que louvável, a intenção do autor impõe uma limitação da autonomia universitária e, ao mesmo tempo, interfere em competência atribuída ao Conselho Nacional de Educação [CNE]”, disse. “Ressalte-se ainda que as universidades já têm plena liberdade para se articular com os conselhos profissionais, se assim o desejarem”, finalizou Lira, no parecer pela rejeição do projeto.


Conteúdo Relacionado

Notícias

Manifesto de apoio à decisão do CNE que autoriza a criação de curso superior de tecnologia em serviços jurídicos

O Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular (FÓRUM) é composto pela ABMES; Abrafi; Anaceu; Anup; Semesp; Confenen; Fenep e Semerj

Competência normativa da educação brasileira não é responsabilidade dos conselhos profissionais, afirma CNE

Tema entrou em debate durante seminário promovido pela ABMES sobre as novas DCNs dos cursos de Direito e o processo de autorização pelo MEC, nesta quarta-feira (14)