Detalhe

Instituições e alunos temem mudanças aprovadas para o Fies

09/11/2017 | Por: O Popular | 147
Marcos Santos/USP Imagens (Fotos Públicas)

Uma das mudanças da MP aprovada no Senado compreende a criação do Fundo Garantidor do Fies (FG-Fies) obrigatória pelas instituições de ensino participantes do programa de adesão. De acordo com o ministério, a regra visa “minimizar riscos e diminuir a inadimplência no programa”. A possibilidade levantada na Câmara de usar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para o pagamento das dívidas do Fies foi rejeitada durante a votação.

A nova medida provisória que trata das mudanças no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), programa de crédito para os estudantes de cursos superiores, foi aprovada em votação no Senado na última quarta-feira (8). A MP segue para sanção presidencial e, se aprovada, traz novas regras para o programa. O ministro da Educação, Mendonça Filho, afirma que “as mudanças asseguram a sustentabilidade a médio e longo prazo do Fies”.

Para a senadora goiana Lúcia Vânia (PSB), revisora da matéria, a mudança é necessária para garantir a existência do programa. “Trabalhamos neste projeto em cima de uma análise feita pelo TCU, que mostrou que uma série de imperfeições colocou o Fies em risco, chegando a um grau de inadimplência de 50%. Trata-se de uma medida absolutamente necessária para garantir o aperfeiçoamento, a sustentabilidade e a continuidade do financiamento.”

O diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), Sólon Caldas, discorda das mudanças. “É uma pena que se tenha tomado uma decisão tão ruim, para uma política tão boa”, desabafa. Caldas explica que as mudanças tornarão o programa inalcançável tanto para as universidades, que não custearão os gastos exigidos, quanto para os estudantes de baixa renda, que dificilmente conseguirão o crédito. “Piorou muito o que já estava muito ruim”. O diretor também declarou que teme pelo fim do Fies em decorrência das mudanças. “Eles tiram os benefícios das universidades e dificultam para os estudantes.”

De acordo com a medida provisória, o aporte de 13% que as instituições serão obrigadas a fazer também deverá ser executado ao Fundo Garantidor do Fies (FG-Fies). O Ministério da Educação afirma que se trata de um fundo “de natureza privada” e que terá a função de “garantir o crédito do Fies”. Atualmente, essa função é do Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo (FGEDUC). Será também no FG-Fies que o governo federal fará o aporte de R$ 500 milhões ao ano, somando um total de R$ 2 bilhões.

Em nota, o ministro Mendonça Filho declarou que “as mudanças que reformulam o programa garantem crédito para todos. É uma grande melhoria”. Entretanto, a versão do estudante de Engenharia Ambiental e beneficiário do programa, Phiilipe Renan, é diferente. Ele diz que as mudanças transformarão o Fies em um “programa fantasma”. “Ninguém vai conseguir usufruir. Até porque, eles estão colocando a análise de crédito nas mãos de instituições financeiras. Pobre não vai ter vez!”, comenta.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Comissão especial da MP da reforma do Fies aprova relatório em votação simbólica

A Comissão Mista da Medida Provisória 785 – da reforma do Fies – aprovou o relatório do deputado Alex Canziani (PTB-PR) sobre as mudanças propostas pelo governo no programa de financiamento estudantil. Todos os destaques apresentados na comissão foram rejeitados.

Câmara aprova MP que muda regras do Fies

A MP 785 foi aprovada na Câmara dos Deputados e seguiu para tramitação no Senado Federal, onde precisa ser votada até 17 de novembro.

Durante a votação, foram feitas alterações no texto original, como a retirada da possibilidade de instituições participantes do Proies oferecerem bolsas para educação na modalidade a distância e a exclusão da possibilidade de o estudante trabalhador usar recursos do FGTS para amortizar ou quitar empréstimos do Fies.

Reforma do Fies é aprovada pelo Senado Federal

O Senado aprovou a medida provisória (MP) que reformula o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Sem alterações em relação ao texto que já havia recebido aval na Câmara dos Deputados, o texto segue para sanção presidencial.

Legislação

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 785, DE 06 DE JULHO DE 2017

Altera a Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001, a Lei Complementar nº 129, de 8 de janeiro de 2009, a Medida Provisória nº 2.156-5, de 24 de agosto de 2001, a Medida Provisória nº 2.157-5, de 24 de agosto de 2001, a Lei nº 7.827, de 27 de setembro de 1989, a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, a Lei nº 8.958, de 20 de dezembro de 1994, e dá outras providências. 


Notícias

Número de estudantes que deixaram universidades em 2016 chega a 30% das matrículas

Estado de Minas: O diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, atribui boa parte das desistências ao cenário econômico e às mudanças nas políticas federais de bolsa e financiamento estudantil

Ensino superior privado reforça críticas ao Novo Fies após aval do Senado

Reuters: Embora o juro real seja zero na Faixa 1, Caldas criticou o fato de o financiamento ser corrigido pelo INPC, que pode variar mais ou menos que a taxa de juro fixa de 6,5 por cento ao ano cobrada na versão anterior do Fies

Reforma do Fies é aprovada pelo Senado Federal

O novo Fies será dividido em três modalidades e terá o risco de inadimplência dividido com universidades e bancos

Editorial: O novo Fies

Estadão: Desde que foi editado, em julho deste ano, o texto original da MP recebeu 278 emendas, das quais mais de 40 foram apresentadas por deputados vinculados a entidades como a ABMES