Detalhe

Em 2023, instituições privadas terão mais alunos no ensino à distância que no presencial

22/05/2018 | Por: O Globo | 1241

Uma pesquisa da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), divulgada nesta terça-feira, mostra que caso a tendência de crescimento nas matrículas no ensino superior continue a mesma, em 2023 o número de ingressantes por meio da educação à distância (EAD) nas universidades particulares será maior que o daqueles que entram para cursos presenciais.

De acordo com o estudo, a projeção é que em 2023 haja 2.276.774 matrículas novas de ensino superior na educação à distância, o correspondente a 51% do total, enquanto que os cursos presenciais das instituições particulares registrarão 1.993.319 ingressantes. Os últimos dados do Censo da Educação Superior 2016, divulgados no ano passado pelo Ministério da Educação (MEC), mostram que nas instituições privadas o número de alunos que entraram em cursos presenciais naquele ano era 1.637.461, enquanto que 818.691 ingressaram na educação à distância.

— É uma boa notícia, signfica a ampliação do acesso ao ensino superior. Determinadas faixas da população que não tinham essa oportunidade, seja porque são mais velhos e não queriam voltar a estudar da forma tradicional, ou porque são trabalhadores que não têm disponibilidade de voltar a ser aluno por tempo integral, agora voltaram a estudar. A educação à distância também tem alcance expandido em regiões do país que não tinham acesso— afirma Celso Niskier, vice-presidente da ABMES, que explica que o crescimento da modalidade se deve também ao declínio nos contratos do Fies, que financiavam a entrada no ensino presencial.

As informações divulgadas pelo Censo no ano passado já evidenciavam a importância da educação à distância para manter o crescimento de matrículas no ensino superior privado. Na época, o Censo apontou que o índice de novos alunos nessa modalidade aumentou 297,3% em uma década, considerando instituições públicas e privadas. Esse crescimento fez com que a participação desta modalidade no percentual de novos alunos saltasse de 10,8% em 2006 para 28,2% em 2016.

Os dados mostram que a maioria das pessoas que escolhem a educação à distância têm em média de 31 a 40 anos, trabalham e são casadas. Essa modalidade também é mais popular entre as mulheres, que representam 62% dos que escolhem a EAD.

MOTIVOS PARA NÃO ADERIR À EAD

O estudo da ABMES analisou ainda outros aspectos sobre a educação superior à distância, como a disponibilidade das pessoas para se inscreverem em um curso como esse e o que leva à rejeição à EAD. Nesse sentido, foram ouvidas 1.012 pessoas de 18 a 50 anos de idade das classes A, B, C, D e E.

As entrevistas foram feitas nas cinco regiões do país, a maior parte delas com pessoas que já concluíram o ensino médio e têm interesse em cursar uma universidade nos próximos anos. No total, foram 756 pessoas nesse perfil e outras 256 que já estão na universidade.

A pesquisa identificou, por exemplo, que quando os entrevistados são informados de que o curso oferece toda a parte prática presencialmente, a resistência a fazer educação à distância se torna muito pequena. Segundo o estudo, 93% dos participantes ingressariam nessa modalidade se a parte prática fosse ministrada presencialmente.

Aqueles que ainda assim não fariam o curso à distância apontam como motivos principais a ideia de que essa modalidade não é bem avaliada no mercado e o receio de que a universidade não ofereça suporte para tirar dúvidas de imediato.


Conteúdo Relacionado

Legislação

DECRETO Nº 9.057, DE 25 DE MAIO DE 2017

Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.


REPUBLICADO DECRETO Nº 9.057, DE 25 DE MAIO DE 2017

Republicação do art. 9º do Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017, por ter constado incorreção, quanto ao original, na Edição do Diário Oficial da União de 26 de maio de 2017, Seção 1.


Notícias

Educação a distância cresce mais que presencial, mas não é a opção preferida

Rede Piauí de Notícias: 44% dos entrevistados optariam pela modalidade do ensino a distância, já 56% disseram preferir o ensino presencial

Cursos a distância crescem 127% em um ano

Jornal da Band: o vice-presidente da ABMES, Celso Niskier, fala sobre o resultado da pesquisa "Um ano do Decreto EAD - O impacto da educação a distância na expansão do ensino superior brasileiro"

EAD passará o ensino presencial em 5 anos

DCI: Previsão é que em 2023, 2,2 milhões de matrículas sejam para aulas à distância, somando 51% do total de alunos

Ensino a distância cresce mais que presencial, mas gera desconfiança

Rondôniaovivo: A pesar de crescer em ritmo mais acelerado que o ensino presencial, a educação a distância (EaD) não é a primeira opção para a maioria das pessoas que buscam uma graduação

Educação a distância cresce mais que presencial, mas não é 1ª opção

Administradores: A pesquisa inédita Um ano do Decreto EAD - O impacto da educação a distância foi feita pela ABMES em conjunto com a empresa de pesquisas educacionais Educa Insights

Ensino a distância cresce mais que presencial, mas gera desconfiança

TNH1: Dos entrevistados, 27% disseram que escolheriam preferencialmente um curso EaD e 17% disseram que preferem ambos, EaD e presencial

Ensino à Distância deve superar o presencial em cinco anos

Rádio EBC: De acordo com Celso Niskier, vice-presidente da associação, os estudantes querem essa flexibilidade, seja no curso presencial ou à distância

Ensino a distância cresce mais que presencial, aponta ABMES

Jornal Cruzeiro do Sul: A pesquisa inédita Um ano do Decreto EAD - O impacto da educação a distância foi feita pela ABMES em conjunto com a empresa de pesquisas educacionais Educa Insights

Ensino a distância cresce mais que presencial, mas gera desconfiança

Terra: Segundo Niskier, a educação vem se transformando como um todo e não é possível fugir das ferramentas digitais nem mesmo no ensino presencial

Ensino a distância cresce mais que presencial, mas gera desconfiança

IstoÉ: Ao todo, foram entrevistados 1.012 homens e mulheres de 18 a 50 anos, sendo 256 alunos e 756 potenciais candidatos a educação superior em março deste ano

Educação a distância cresce mais que presencial, mas não é 1ª opção

Cenário MT: Dos entrevistados, 27% disseram que escolheriam preferencialmente um curso EaD e 17% disseram que preferem ambos, EaD e presencial

Ensino a distância não é a primeira opção no Brasil

Convergência Digital: O estudo projeta que, se mantido o crescimento da EaD atual, em 2023, mais estudantes ingressarão na modalidade a distância que no presencial

Em 2023, instituições privadas terão mais alunos à distância

Gazeta Online: Pesquisa mostra que modalidade concentrará 51% das novas matrículas na rede particular

Educação a distância cresce mais que presencial, mas não é 1ª opção

Agência Brasil: Pesquisa divulgada nesta terça-feira (22/5) pela ABMES mostra que 44% dos entrevistados optariam pela modalidade EAD, enquanto 56% dizem que preferem o ensino presencial