Detalhe

Ensino a distância supera o presencial, e faculdades privadas adaptam negócios

01/01/2020 | Por: O Globo | 5646
Foto: Divulgação/ O Globo

O número de calouros em cursos superiores à distância, o EAD, superou o de presenciais no Brasil em 2019. Foram mais de 1,4 milhão de alunos no EAD, 52% do total, segundo projeção da consultoria educacional Atmã Educar. Em 2013, essa parcela era de 22%. A expansão desse tipo de ensino tem mudado as estratégias de grandes universidades privadas.

A aposta é na mescla de aulas on-line e presenciais — o chamado modelo híbrido. Em paralelo, o avanço do EAD e dos sites de comparação de preços de cursos superiores aumentou os descontos nas mensalidades e a concorrência.

Por trás do crescimento no ensino à distância estão mudanças na economia brasileira, como a alta no desemprego após 2014, que reduziu a renda de universitários para custear a mensalidade do curso presencial, e o endurecimento das regras do Fies, programa do governo federal de financiamento estudantil para o ensino superior.

Além do dinheiro mais curto do Fies, o Ministério da Educação (MEC) ampliou o acesso ao EAD. Há dois anos, a simplificação das regras para abertura dos polos de ensino à distância dobrou o número dessas unidades — hoje são mais de 12 mil. Em dezembro de 2019, o ministério deu mais um impulso ao dobrar o limite de aulas on-line para 40% da grade de cursos presenciais, com algumas exceções

 — Em até três anos, a maioria dos universitários, em todas as fases da graduação, vai estar aprendendo via EAD — diz o consultor Romário Davel, fundador da Atmã Educar.

As principais universidades privadas adotam estratégias diferentes para lidar com o avanço do ensino à distância. Na Cogna, dona da Kroton, maior rede privada do país, a tendência deu margem a novos negócios. A Platos, um braço da empresa para tecnologias educacionais que até agora vinha atendendo apenas a unidades educacionais da Cogna, vai vender conteúdos de EAD a terceiros.

— Muitas universidades pequenas querem oferecer 40% dos conteúdos à distância, mas não têm tecnologia. Vamos atender à demanda — diz Rodrigo Galindo, presidente da Cogna, que projeta alta de 30% na receita da Platos em 2020.

Modelo híbrido
O futuro é a mistura de aulas presenciais e on-line, o chamado modelo híbrido, diz Fábio Figueiredo, diretor de planejamento da Cruzeiro do Sul Educacional, faculdade paulistana com mais de 130 mil alunos, dos quais 70% no ensino à distância.

— O ensino presencial não vai desaparecer, porque não dá para tirar do aluno o convívio com colegas, mas uma parte das aulas pode ser on-line — diz Figueiredo.

De 2017 para cá, a Cruzeiro do Sul multiplicou por dez o número de polos para as teleaulas (hoje são mais de mil, espalhados em 600 cidades), e tornou-se a quarta maior universidade privada do país em alunos.

Os cursos híbridos também são o foco na Laureate Brasil, sexta maior rede privada do país e dona de marcas como FMU e Anhembi Morumbi. Apesar disso, o diretor acadêmico da empresa, Filipe Ramos Barroso, vê com cautela a permissão do MEC para uma carga horária de até 40% on-line.

O avanço da teleaula
Em 2019, o ensino superior a distância (EAD) deve ultrapassar o presencial em matrículas atraindo alunos com praticidade e descontos.

— Há vários movimentos pelo Brasil demonstrando resistência a essas mudanças. O assunto ainda vai gerar discussões — diz ele.

Por via das dúvidas, a estratégia na Anima Educação, dona da marca São Judas, é apostar na liberdade de escolha do aluno.

— Nossa plataforma on-line replica todos os cursos presenciais, e o estudante decide — diz Cristovam Ferrara, diretor nacional de vendas da Anima, que é a décima maior universidade privada do país em participação de mercado.

Na Ser Educacional, oitava maior do país e líder nas regiões Norte e Nordeste, a expectativa é que o ensino à distância cresça para além dos cursos em que essa plataforma já é a preferida dos alunos, como Pedagogia e Administração.

— Mesmo na área da saúde, onde há uma forte carga horária presencial, é possível colocar carga teórica na internet — diz Enzo Moreira, diretor de EAD da Ser.

Para além da maior adoção dos estudantes ao ensino à distância, as principais universidades privadas preveem uma expansão do EAD por causa da proliferação de sites para descontos de até 80% nas mensalidades. Hoje, há pelo menos dez deles em funcionamento no país. A expansão do Quero Bolsa, um dos principais, demonstra a força desses sites para a tomada de decisão do futuro universitário. A audiência anual do site gira em torno de 75 milhões de visitantes. Há cinco anos, esse número era de um milhão.

— A meta é chegar a cem milhões em 2020 — diz Pedro Balerine, diretor do Quero Bolsa.

A relevância dos comparadores de preço e a disputa acirrada das empresas por alunos vêm aumentando a presença de alunos bolsistas na rede privada. Atualmente, sete em dez estudantes pagam mensalidades com desconto. Em 2016, só metade tinha o benefício. Nos últimos cinco anos, dobrou a renúncia de receitas por causa das bolsas — hoje, em média, as universidades deixam de ganhar 35% do que poderiam diante dos alunos que têm. Nesse cenário de concorrência acirradíssima, os cursos de EAD, mais baratos que os presenciais, devem ganhar ainda mais espaço, diz Davel, da Atmã Educar.

Na visão da ABMES, Associação das Mantenedoras de Ensino Superior Privado, a concorrência aberta pelo avanço doEAD é uma realidade não só no Brasil como no mundo inteiro.

— Sem o auxílio dessas ferramentas digitais, milhares de pessoas não conseguiriam realizar o sonho de ingressar no ensino superior, ou mesmo de fazer uma nova graduação — diz Celso Niskier, diretor presidente da ABMES.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Cordel da EAD

Utilizando a linguagem de cordel, a ABMES explica um pouco mais sobre a educação a distância (EAD) e a importância dela para o ensino superior brasileiro

EAD para pós-graduação e ampliação da modalidade em cursos presenciais

No fim de 2018 algumas notícias importantes movimentaram a educação superior brasileira: a regulamentação de programas de pós-graduação stricto sensu na modalidade EAD e a ampliação de aulas nessa modalidade que podem ser ofertadas nos cursos de graduação presenciais, o limite passou de 20% para 40%. Confira neste vídeo alguns pontos importantes dessas medidas e tire suas dúvidas

Mudanças no Fies geram mais dificuldades aos alunos e inadimplências aos bancos

Jovem Pan: Em entrevista, o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, comenta sobre as mudanças apresentadas pelo novo Fies

Legislação

LEI N° 10.260, DE 12 DE JULHO DE 2001

Dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao estudante do Ensino Superior e dá outras providências.


INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 14 DE JANEIRO DE 2013

Disciplina os procedimentos para os processos de mudança de local de oferta de cursos superiores, na modalidade presencial, oferecidos por Instituições de Educação Superior (IES) sem autonomia universitária do Sistema Federal de Ensino.


INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 15 DE JULHO DE 2013

Estabelece procedimentos para apresentação, recebimento, análise, aprovação, execução e supervisão de celebração de termo de compromisso a ser firmado entre o Ministério da Educação e as entidades beneficentes de assistência social da área de educação que tiverem seus pedidos de renovação e ou concessão de certificados indeferidos unicamente por não terem cumprido o percentual de gratuidade estabelecido no caput do art. 13 da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009, conforme art.24 da Lei 12.688/2012, que alterou o art. 17 da Lei 12.101/2009.


LEI Nº 13.530, DE 07 DE DEZEMBRO DE 2017

Altera a Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001, a Lei Complementar nº 129, de 8 de janeiro de 2009, a Medida Provisória nº 2.156-5, de 24 de agosto de 2001, a Medida Provisória nº 2.157-5, de 24 de agosto de 2001, a Lei nº 7.827, de 27 de setembro de 1989, a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, entre outras.


PORTARIA CAPES Nº 275, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2018

Dispõe sobre os programas de pós-graduação stricto sensu na modalidade a distância.


EDITAL SESU Nº 72, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2019

Torna público o cronograma e demais procedimentos relativos ao processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil - Fies e do Programa de Financiamento Estudantil - P-Fies referente ao primeiro semestre de 2020.


RESOLUÇÃO FNDE Nº 34, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2019

Dispõe sobre a exigência de obtenção de notas mínimas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para participação nos processos seletivos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), a partir do primeiro semestre de 2021.


RESOLUÇÃO FNDE Nº 35, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2019

Altera a Resolução nº 2, de 13 de dezembro de 2017, que dispõe sobre a regulamentação dos aditamentos de renovação, transferência de curso ou de instituição de ensino, de suspensão temporária, de encerramento antecipado e de dilatação do período de utilização do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).


RESOLUÇÃO FNDE Nº 36, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2019

Dispõe sobre a cobrança judicial dos débitos referentes aos financiamentos e encargos concedidos até o 2º semestre de 2017, no âmbito do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).


RESOLUÇÃO FNDE Nº 37, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2019

Dispõe sobre o Plano Trienal e o quantitativo de vagas dos contratos de financiamento no âmbito do Fundo de financiamento Estudantil (Fies).


EDITAL SESU Nº 9, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2020

Prorroga para o dia 14 de fevereiro as inscrições dos candidatos no Fies.


Notícias

Justiça nega pedido de liminar da OAB para barrar cursos de direito a distância

Segundo a decisão, cabe ao Ministério da Educação fiscalizar a modalidade

Justiça nega pedido da OAB para suspender cursos de Direito à distância

Na decisão, a juíza observou que não há perigo de dano ou risco ao resultado útil, requisitos para antecipação dos efeitos da tutela

Fies: candidatos já podem acessar resultados

O programa oferece 70 mil vagas para financiamento universitário

MEC anuncia prorrogação do Fies e P-Fies até esta sexta-feira

O Ministério da Educação informou nas suas redes sociais a prorrogação da inscrição. São 70 mil contratos a juro zero

Inscrições para o Fies terminam hoje

O programa vai ofertar 70 mil vagas em instituições privadas de ensino superior

Abertas, inscrições para o Fies devem ser feitas por conta única de acesso do governo

Período para concorrer a uma das 70 mil vagas vai até 12 de fevereiro

Fies e P-Fies do primeiro semestre de 2020 abrem inscrições nesta quarta-feira

As inscrições para o Fies e para o P-Fies do primeiro semestre de 2020 começam nesta quarta-feira (5)

Ações judiciais e registro profissional: as armas dos conselhos contra o aumento do EAD

Gazeta do Povo: Celso Niskier comenta sobre Portaria do MEC que permite que cursos presenciais das universidades federais possam ter até 40% da sua carga horária na modalidade EAD

Inep registra aumento de mestres e doutores no ensino superior

Mais de 80% dos 384 mil docentes têm mestrado e/ou doutorado

Inscrições para Fies e P-Fies iniciam no dia 5 de fevereiro; confira calendário

Cronograma foi divulgado pelo MEC nesta terça-feira,24 de dezembro, no Diário Oficial da União

Entenda as mudanças aprovadas para o Fies

Fundo de Financiamento Estudantil passará a exigir nota mínima de 400 pontos na redação do Enem

MEC muda regra do Fies e pode cobrar na Justiça 584 mil alunos em atraso

Com expectativa de atingir no ano que vem o auge da inadimplência, programa vai oferecer menos financiamentos a partir de 2021; haverá exigência de nota mínima de 400 na Redação do Enem para firmar contratos

MEC libera 40% de ensino a distância para cursos da área da saúde e engenharias

A maior flexibilização para o uso da modalidade nos cursos presenciais atende a uma demanda de donos de faculdades privadas

Ronaldo Mota: 'Qualquer profissão que dispensar a educação digital está fadada ao fracasso'

Ex-secretário nacional de educação a distância afirma que é 'um crime' formar médicos, professores ou advogados sem habilidades da educação digital

A importância da educação a distância

Estadão: Em artigo, Celso Niskier explica que, em um país como o Brasil, é fundamental a existência de um sistema educacional hibrido, combinando atividades e cursos presenciais e à distância

Caráter social do Fies precisa ser resgatado, defende Fórum

Sólon Caldas representou o Fórum em audiência pública na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados para debater o programa

Somente 2% dos estudantes conseguiram renegociar dívidas do Fies

O Globo: De acordo com Sólon Caldas, diretor executivo da ABMES, os critérios colocados pelo governo para renegociação dificultaram a vida dos estudantes

Isenção de taxas para alunos do Fies e ProUni pode aumentar mensalidades, defende ABMES

Projeto de lei que trata sobre o tema foi debatido nesta segunda-feira (01/10), na Comissão de Educação da Câmara

Estudante: a moeda mais fraca do mercado

Artigo do diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, publicado no Jornal O Estado de São Paulo fala sobre a importância de encontrar soluções para o financiamento estudantil

Coluna

Educação Superior Comentada| A ampliação do prazo para renegociação das dívidas de estudantes com o Fies

Na edição desta semana, Gustavo Fagundes explica em detalhes os termos e condições para estudantes que desejam renegociar suas dívidas com o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). O prazo para o processo termina em 10 de outubro de 2019. O especialista reforça a importância de que as IES também atuem para esclarecer dúvidas dos egressos que estejam em situação de dívida perante o Fies, não deixando a tarefa exclusivamente a cargo do agente financeiro

Educação Superior Comentada | As modificações para o Fies

Na Coluna Educação Superior desta semana, o consultor jurídico Gustavo Fagundes aborda as mudanças aprovadas no Fies e no P-Fies pelo Conselho Gestor do Fies. As modificações ocorreram principalmente nas exigências para entrada nas modalidades, alteração de sigla do P-Fies e maior autonomia entre os dois mecanismos