Detalhe

Capes anuncia dois programas de apoio e incentivo a instituições

26/10/2021 | Por: ABMES | 4779

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) anunciou dois programas de apoio e incentivo a programas de pós-graduação (PPGs) stricto sensu de instituições de ensino superior privadas e públicas. A divulgação em primeira mão foi feita durante o seminário "Bate-papo com a Capes: reflexos da pandemia e desafios para os programas de pós-graduação" realizado pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) nesta terça-feira (26). 

A partir de 1ª março de 2022, as instituições de ensino com PPGs avaliados com notas 3 e 4 terão acesso a bolsa de estudos para mestrado e doutorado com valores de R$ 1.100 e R$ 1.400, respectivamente. Para isso, receberão apoio financeiro de R$ 48 mil divididos em até três anos. Em contrapartida, as faculdades, centros acadêmicos e universidades deverão se comprometer com projetos que contribuam com a educação básica. 

Atualmente, os programas de pós-graduação stricto sensu com avaliação notas 3 e 4 representam 64% do total de cursos. O anúncio foi feito pela presidente da Capes, Cláudia Mansani Queda de Toledo. Outro programa de incentivo é voltado para verticalização da pesquisa como projeto estratégico com abertura de 1.418 bolsas de pós-doutoramento de R$ 4,1 mil cada. 

Na oportunidade, Cláudia também divulgou o cronograma de Apresentação de Propostas de Cursos Novos (APCN). Segundo a presidente da Capes, o edital será publicado em 30 de novembro e, ao contrário de edições anteriores, o prazo de investidura permanecerá aberto por mais de 30 dias. A intenção das propostas apresentadas é de aperfeiçoar o sistema dos programas de pós-graduação brasileiros e aumentar a capilaridade, expandindo a oferta por todas as regiões do País.

Durante o debate, Luiz Cláudio Costa, reitor do Centro Universitário Iesb, comentou sobre a evolução dos processos de aprendizagem durante a pandemia e a necessidade de adequação da regulamentação dos cursos de pós-graduação para realidade digital. “Temos que acabar com o preconceito da educação a distância para os programas de mestrado e doutorado, usar os exemplos bem-sucedidos de manutenção da qualidade da graduação”, comentou.

O presidente do Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior do Estado do Rio de Janeiro (Semerj), Rui Otávio Bernardes Andrade, considerou que as iniciativas anunciadas pela Capes no evento da ABMES são muito benéficas para ampliar a oferta de pós-graduação stricto sensu nas instituições particulares. “Chegou a hora de inverter a proporção de 20% dos mestrados e doutorados nas IES e 80% nas instituições públicas. As IES estão preparadas para contribuir com a formação acadêmica”, avaliou

O seminário "Bate-papo com a Capes: reflexos da pandemia e desafios para os programas de pós-graduação" foi coordenado pelo diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, e faz parte das ações contínuas da ABMES em prol da educação superior brasileira. O evento foi realizado em formato híbrido, presencialmente na sede da Associação, em Brasília, e virtualmente pelo YouTube.

A íntegra do evento por ser acessada NESTE LINK


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Bate-papo com a Capes: reflexos da pandemia e desafios para os programas de pós-graduação

Confira a íntegra do bate-papo com a Capes, realizado pela ABMES, para falar sobre os reflexos da pandemia e desafios para os programas de pós-graduação. 
Participaram do debate, Celso Niskier, diretor presidente da ABMES; Cláudia Mansani Queda de Toledo, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes); Rui Otávio Bernardes Andrade, presidente do Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior do Estado do Rio de Janeiro (Semerj) e Luiz Cláudio Costa, reitor do Centro Universitário IESB