Detalhe

Empresas de ensino superior divulgam nova projeção sobre oferta de médicos formados

20/01/2023 | Por: Folha de S.Paulo | 238

Em meio ao debate sobre a regulamentação para a criação de cursos de medicina no país, que acontece em um cenário de disputas judiciais, retomada do programa Mais Médicos e pressão de empresas educacionais de olho em um segmento lucrativo, a Abmes (Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior) vai divulgar uma nova projeção sobre a oferta de formandos para o mercado.

Conforme os dados da entidade, baseado em estudo encomendado à empresa de pesquisa educacional Educa Insights, se mantiver o ritmo atual de egressos dos cursos de medicina, o Brasil só deve alcançar o patamar de 3,5 médicos a cada 1.000 habitantes em 2030.

Celso Niskier, presidente da Abmes, fala em risco de um apagão médico, que ele atribui a fatores como a trava na abertura de novos cursos de medicina. A medida, que vale até abril deste ano, foi implementada no final do governo Temer.

Niskier defende a aceleração na formação de novos médicos, por meio da retomada do programa Mais Médicos e pela criação de novos cursos, usando para as duas vias os mesmos critérios de qualidade.

"É urgente que se discuta a abertura para projetos de qualidade de instituições que queiram oferecer cursos médicos, tanto as públicas quanto as privadas. O crescimento deve se dar em todo sistema para que esses números não precisem esperar até 2030. A próxima pandemia não vai esperar para que os médicos que estão agora ingressando se formem", diz.


Conteúdo Relacionado

Notícias

Estudo mostra que Brasil deve atingir quantidade recomendada de médicos para população apenas em 2030

Ideal é de que sejam 3,5 profissionais para cada mil habitantes; número atual é de 2,8. Pesquisa, divulgada nesta terça (24), mostra que falta de vagas e envelhecimento de profissionais impacta mercado.

Pesquisa mostra que Brasil só atingirá quantidade de médicos recomendados pela OCDE em 2030

Estudo foi divulgado durante seminário virtual da ABMES nesta quarta-feira (24/01)

MEC mantém trava a novos cursos de medicina em meio a pressão de empresas

Governo Lula revogou portaria do fim do governo Bolsonaro que previa chamamentos que poderiam favorecer grandes grupos