Detalhe

Estudo mostra que Brasil deve atingir quantidade recomendada de médicos para população apenas em 2030

25/01/2023 | Por: G1 | 2070

Um estudo inédito mostra que ainda faltam 7 anos para que o Brasil atinja a quantidade de médicos recomendada para atender a população. A pesquisa, divulgada nesta terça-feira (24), foi realizada pela Educa Insights a pedido da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES).

Segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o ideal é que haja 3,5 médicos para cada mil habitantes. No Brasil, conforme o estudo, são 2,8 médicos por mil habitantes.

Em países considerados mais desenvolvidos economicamente, a média é de 4,5 médicos por mil habitantes.

De acordo com o estudo, a quantidade limitada de profissionais no Brasil ocorre pelo número limitado de graduados e pelo "alto envelhecimento dos profissionais". A pesquisa detalha que pelo menos 36% dos médicos brasileiros atuantes têm 50 anos ou mais. Além disso, 21,6% são idosos.

Desigualdades regionais
O estudo também mostra que a distribuição dos profissionais é bastante desigual no Brasil. Segundo o levantamento, há um excesso de profissionais na região Sudeste e faltam médicos no Norte e no Nordeste.

Ao todo, 48 municípios com mais de 500 mil habitantes concentram 62,42% dos médicos brasileiros. Por outro lado, 94,18% das cidades com até 100 mil habitantes têm acesso a apenas 14% dos profissionais.

No entanto, há um aumento contínuo na quantidade de profissionais no país. Em 2020, o Brasil tinha 521,4 mil médicos e, segundo a pesquisa, o número de profissionais deve passar para 594,9 mil em 2023.

Desejo X valor da mensalidade
Segundo a ABMES, a demanda para os cursos de medicina é "alta" no Brasil. O estudo revela que cerca de 1 milhão de candidatos tentam, anualmente, estudar medicina. Mas nem todos conseguem.

Em 2020, por exemplo, 1.067.303 pessoas se inscreveram. Dessas, 1.016.279 não conseguiram ingressar em uma faculdade, ou seja, apenas 5% começaram, de fato, a estudar medicina.

De acordo com a ABMES, os números englobam instituições públicas e privadas, e um mesmo aluno pode se candidatar a mais de uma vaga, sendo contabilizado mais de uma vez. No entanto, os principais motivos para os candidatos desistirem da medicina são:

  • O número de vagas
  • A exigência das provas
  • O nível dos concorrentes
  • A falta de financiamento

A pesquisa diz ainda que dos jovens entre 18 e 24 anos (21,4 milhões), apenas 19,30% (17,2 milhões) estão matriculados ou graduados no ensino superior. Desses, apenas 2% têm "capacidade de arcar com mais de R$ 2 mil mensais para a formação".


Conteúdo Relacionado

Notícias

Pesquisa mostra que Brasil só atingirá quantidade de médicos recomendados pela OCDE em 2030

Estudo foi divulgado durante seminário virtual da ABMES nesta quarta-feira (24/01)

Empresas de ensino superior divulgam nova projeção sobre oferta de médicos formados

Associação do setor, que defende maior abertura de cursos, diz que proporção recomendável fica para 2030

MEC mantém trava a novos cursos de medicina em meio a pressão de empresas

Governo Lula revogou portaria do fim do governo Bolsonaro que previa chamamentos que poderiam favorecer grandes grupos