Detalhe

Entenda o debate sobre as mudanças nos cursos de medicina

31/07/2013 | Por: G1 | 1270

O Ministério da Educação anunciou, nesta quarta-feira (31), que mudou de ideia em relação à proposta de aumentar o contato dos estudantes de medicina com os serviços de atenção primária e de urgência e emergência do Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com o ministro Aloizio Mercadante, em vez de defender o aumento da duração do curso de graduação para incluir esse estágio, conforme proposta feita no dia 8 de julho, agora, o governo defende a ideia de exigir dos médicos que começarem a residência (ou especialização) a atuação nesses serviços durante pelo menos um ano. A nova proposta ainda precisa ser aprovada no Congresso Nacional.

Entenda a cronologia das propostas de mudança nos cursos de medicina:

1- COMO É HOJE

GRADUAÇÃO:
- Curso de medicina dura seis anos.
- Há disciplinas práticas no chamado internato médico.
- Com o diploma em mãos, formado faz o registro profissional e já é considerado médico.

RESIDÊNCIA:
- Oferecida na modalidade de pós-graduação
- É quando o médico estuda para se tornar um especialista em uma área (por exemplo: cardiologia, neurologia, psiquiatria).
- Duração varia de acordo com a especialidade escolhida, mas tem pelo menos dois anos.

2- A PRIMEIRA PROPOSTA DO GOVERNO

COMO FOI FEITA:
- Anunciada dia 8 de julho.
- Feita por meio de medida provisória.

MUDANÇAS:
- Alterar a duração do curso de graduação em medicina de seis para oito anos.
- Dois anos extras teriam estágio nos serviços de atenção primária e urgência do SUS.
- Supervisão seria feita por um preceptor ligado à instituição de ensino.
- Durante o estágio, estudantes teriam um "registro profissional provisório".

3- REAÇÃO DA CLASSE MÉDICA

CRÍTICA:
- Para diretores das faculdades, oito anos seria um período longo demais para a graduação.
- Necessidade não é aumentar o curso, mas ter infraestrutura e currículo adequados, disseram.

PROTESTOS:
- Médicos tomaram as ruas e divulgaram manifestos contra a proposta.
- Em 16 de julho, MEC criou comissão com diretores de faculdades para “amadurecer” MP.

4 - NOVA PROPOSTA DO GOVERNO

COMO FOI FEITA:
Anunciada em 31 de julho.
- Elaborada por grupos de trabalho com especialistas.
- Divulgada após aprovação pelas faculdades federais.

MUDANÇAS:
- Retirada da proposta de aumento da graduação.
- Fazer com que o 1º ano da residência seja feito na atenção básica e urgência do SUS.


Conteúdo Relacionado

Notícias

Capitais têm 4 vezes mais médicos do que cidades do interior

Análise realizada pela ABMES em parceria com a Educa Insights também mostra que, apesar do crescimento no número de cursos, a qualidade foi mantida

MEC quer proibir novos cursos de medicina. Mas o Brasil tem mais médicos do que precisa?

Órgão justifica decisão a partir da necessidade de diagnosticar e melhorar a qualidade dos cursos existentes; país ainda diploma menos profissionais do que europeus

MEC seleciona mantenedoras de instituições para implantação de curso de medicina

O documento é voltado para as mantenedoras de instituições de educação superior do sistema federal de ensino

MEC assegura compromisso com reforço à formação de médicos

Ministro Mendonça Filho informou que será divulgada em setembro lista dos municípios selecionados para receber cursos de medicina

Propostas de autorização de cursos de Medicina terão resultados divulgados em julho e agosto

A prorrogação do prazo foi necessária para que a comissão de especialistas responsável por avaliar as propostas tenha mais tempo para a análise dos documentos

Novo edital muda as regras para a seleção dos municípios que podem receber os cursos de Medicina

Para a nova chamada, foram pré-selecionadas 22 cidades de oito estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Nesses estados, a relação de vagas em cursos de medicina por 10 mil habitantes é inferior a 1,34; o índice de médicos a cada mil habitantes, menor que 2,7