Detalhe

Por que estudar na China?

05/07/2018 | Por: Brasileiras pelo Mundo | 356
Foto: Divulgação/Renmin University

“Na China? Que diferente!” – é a resposta padrão quando falo que faço mestrado aqui. Não é uma escolha óbvia, e não foi para mim também. A China é muito longe, é diferente, tem um idioma complicadíssimo, e não está nunca na ponta da língua quando a maioria das pessoas pensa em quais são os melhores lugares para estudar no exterior. Então, por que vir estudar na China?

Alguns dados sobre o Ensino Superior na China
Primeiramente, a China tem sim universidades nas listas de melhores do mundo: a Tsinghua University (em Pequim), a Fudan University (em Xangai) e a Peking University (em Pequim) são as três melhores do país nos rankings gerais. A Tsinghua é considerada a melhor universidade chinesa e é extremamente difícil o sistema de entrada. Em 2017, a universidade superou o MIT (nos EUA) como a melhor universidade para ciência da computação, além de altíssimas notas em engenharia e química. O gaokao (vestibular chinês) recebeu em 2018 cerca de 9,7 milhões de inscritos, mas a taxa de aprovação é menos da metade – e menos ainda para as principais universidades: 1% dos que fazem a prova. Contudo, estudantes estrangeiros que quiserem fazer graduação ou pós não precisam fazer a prova. O processo seletivo é separado e simplificado (o que gera críticas). As diferenças também não param aí: os prédios de residência universitária para estrangeiros são normalmente melhores e, em vez de dividir com cinco pessoas como os chineses, você pode ter um (a) colega de quarto ou até ficar sozinho (a).

O Ministério da Educação tem aumentado exponencialmente os gastos e financiamentos para atrair estudantes estrangeiros: faz parte de aumentar a influência chinesa e mostrar um lado amigável da nação. O plano, lançado em 2010, é atingir 500 mil estudantes em tempo integral por ano até 2020. Atualmente, o número está em torno de 490 mil (2017)[1], sendo mais da metade advindos de países asiáticos. Essa quantidade coloca a China apenas atrás dos EUA e do Reino Unido em número de estudantes estrangeiros no país. Contudo, esse número não é de alunos em busca de um diploma integral chinês: a maioria são intercambistas ou estão fazendo cursos de mandarim.

O governo também aumentou o número de bolsas oferecido pelo China Scholarship Council – que hoje cobre 10% da população estudantil estrangeira no país. Foram 58.600 bolsas em 2017, um aumento de 600% na última década. O processo seletivo vai até o final de março e é realizado, no Brasil, pela Embaixada da República Popular da China. Há um incentivo grande das universidades para receberem estudantes de países envolvidos na iniciativa econômica do One Belt, One Road, que cobre a Ásia, o Oriente Médio e a Europa. Além disso, as universidades dão preferência para oferecer bolsas a pessoas que vêm de países em desenvolvimento. Um resultado da política chinesa na África se reflete no aumento de alunos do continente: hoje são cerca de 50 mil, deixando o país apenas atrás da França como opção para estudantes africanos. Essa dinâmica oferece uma realidade muito interessante no campus, onde existe um sentimento de certa solidariedade entre os estudantes, pelo passado colonial e dificuldades com o processo de desenvolvimento

Algumas iniciativas incluem parcerias de universidades famosas da Europa ou dos Estados Unidos com universidades chinesas: NYU-Shanghai, Duke-Kunshan, dentre outras. O processo de internacionalização também inclui oferecer mais disciplinas em inglês, abertas a alunos estrangeiros e chineses, e tem aberto vagas para professores convidados de outros países. Nos meus dois anos na Renmin University of China, tive aula com um professor alemão formado pela Universidade Johns Hopkins, e um professor britânico (também foi meu orientador) que veio da Universidade de Sussex. Além disso, as escolas de verão das universidades também convidam professores (as) de fora para ministrarem cursos específicos, inclusive do Brasil.

Motivos para estudar na China
Poxa, realmente, muito incentivo e ótimos sinais de que a China leva o Ensino Superior a sério. A cada ano o número de estudantes internacionais aumenta, as universidades chinesas estão se preparando para receber esse pessoal todo, estão investindo em pesquisa de alta qualidade, o número de possibilidade de bolsas aumentou (e o custo de estudar na China não é tão alto). Se você já gosta da China, não é você que eu tenho que convencer. Então, se ainda está em dúvida:

A China é o principal parceiro comercial do Brasil. Isso importa muito e dificilmente vai mudar nos próximos anos! É muito importante que o Brasil tenha profissionais capacitados e conhecedores da China, nas mais diversas áreas. Como criar melhores resultados de uma parceria se um dos lados sabe muito pouco sobre o outro? Além disso, abre oportunidades para a sua carreira, com a cada vez maior inserção de empresas chinesas no Brasil e na América Latina, tal como a recente compra da 99 pela DiDi, ou a crescente presença da State Grid no setor energético brasileiro.

Anota aí: a China é o novo horizonte de tecnologia. O governo lançou o projeto Made In China, que pretende incentivar a inovação tecnológica e apoiar o desenvolvimento de conhecimento em pesquisa dentro do país. Já é um líder em Inteligência Artificial, já tem nove das principais empresas de tecnologia do mundo na lista de 20 maiores do mundo, como a Alibaba, Tencent (do app WeChat, mas também de jogos, filmes), Baidu, Xiaomi (celulares). E vivendo aqui, especialmente em cidades como Pequim e Shenzhen, fica extremamente visível que é um ambiente muito fértil para isso. Não importa a sua área de estudo, você vai acabar uma hora ou outra caindo nessa rede.

É inegável: a China surpreendeu o mundo com o seu desenvolvimento acelerado nos últimos trinta anos. Tirou cerca de 800 milhões de pessoas da miséria, atingiu os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (2015), é a segunda maior economia do mundo (com previsões de em breve ser a primeira), e – surpreendentemente – liderando a busca por energia renovável. Ainda não é um país desenvolvido: diversos desafios, principalmente em relação à desigualdade de renda e urbanização, estão pairando sobre as discussões no país.

De todo modo, é algo impressionante e uma das principais histórias de sucesso de desenvolvimento recente. Como isso aconteceu? O que o Brasil pode descobrir disso, seja para não repetir ou para se inspirar? São perguntas-chave num momento de renovação das discussões de um projeto de país e é um desperdício de fonte de informação concreta não termos mais brasileiros e brasileiras estudando essas mudanças, sob os mais diversos pontos de vista, e vivenciando o que a China tem a oferecer.

O número aumentou 10% em relação a 2016, que por sua vez tinha aumentado 11% em relação a 2015. Um aumento de 299% desde 2004, segundo o Ministério da Educação.


Conteúdo Relacionado

Vídeos

Em 2019, conheça a China com a ABMES!

Rússia, Israel e agora China: as delegações internacionais da ABMES conectam atores educacionais brasileiros com importantes instituições de educação mundiais e propiciam troca de experiências únicas entre os países!

Em 2019 conheceremos a China, que é o maior produtor de doutores universitários do mundo, tem 95% de sua população alfabetizada e lidera o ranking mundial de valorização dos professores.

Vem aí a 3ª Delegação ABMES Internacional - China Experience

Em 2019 a ABMES realizará sua 3ª missão internacional. Os participantes terão a oportunidade de conhecer a China, maior país da Ásia Oriental e o mais populoso do mundo. Interessados em participar da viagem podem entrar em contato pelo e-mail relacionamento@abmes.org.br. Mais informações em breve

Notícias

#Vamos Conhecer: Beijing International Technology Trade Association (BITTA)

Integrantes da delegação ABMES visitarão cinco empresas que fazem parte do Vale do Silício Chinês, em Pequim

#VamosConhecer: National Institute of Cultural Development

Localizado em Pequim, o local foi criado com o objetivo de desenvolver o comércio cultural e exportar a cultura chinesa

#VamosConhecer: Zhejiang University of Finance and Economics (ZUFEF)

Em outubro de 2019, participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional quatro escolas da instituição

Os fatores que transformaram a China em uma potência da inovação

Empresários compartilham aprendizados após expedição ao gigante oriental

#VamosConhecer: Beijing Language and Culture University (BLCU)

Delegação ABMES conhecerá a Faculdade de Línguas Estrangeiras, bem como os departamentos de Língua Chinesa e Artes da instituição

12 universidades chinesas entram em ranking das melhores do mundo

A Universidade de Tsinghua, a melhor classificada, ficou na 16ª posição e a maioria das universidades apresentou melhora no indicador Citations per Faculty da QS

#VamosConhecer: The Chinese University of Hong Kong

Integrantes da 3ª Delegação ABMES visitarão a Business School da universidade em outro de 2019

China quer ampliar acesso ao Gaokao, o Enem do país

Mais de 10 milhões estão inscritos para realizar a prova, maior número da década

#VamosConhecer: City University of Macau

Participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional conhecerão dois centros da instituição

#VamosConhecer: Fudan University

Instituição receberá os participantes da 3ª Delegação ABMES Internacional - China Experience

China, fábrica de startups

Temos muito a aprender com o país asiático, um dos nossos principais parceiros comerciais e que vem demonstrando estar muito à frente em diversos setores

Ásia retoma seu lugar como centro do mundo

Economistas, cientistas políticos e especialistas em países emergentes vêm há décadas especulando sobre a chegada da Era Asiática, o ponto de inflexão quando o continente se tornará o centro do mundo

O crescimento exponencial e a China

A sociedade chinesa é sem duvida alguma a mais antiga e maior nação organizada em vigor nos dias de hoje

A extraordinária Xangai

A parceria que a China mantem com aproximadamente 70 países, garante o reconhecimento de suas qualificações acadêmicas e traz importantes campi de instituições de ensino renomadas

Revista internacional publica dados sobre educação superior na China

Edição da International Higher Education traz informações baseadas em dados do Ministério da Educação chinês

Embaixador da China no Brasil é apresentado à 3ª Delegação ABMES Internacional

Encontro aconteceu na residência oficial do embaixador, em Brasília/DF, e resultou no comprometimento da representação para a colaborar no diálogo com as instituições chinesas

Pequim volta a ter céu azul depois de 20 anos de intensa poluição

A guerra contra a poluição começou em Pequim em 1998

China cria estrela artificial mais quente que o Sol que pode ser futuro da energia

Experimento faz com que átomos se movam rapidamente para aumentar a probabilidade de eles colidirem e gerar pressão para a fusão nuclear

ONU Meio Ambiente destaca avanços da China na restauração ecológica de larga escala

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), cerca de 21,9%, ou 206.861.000 hectares da China, foram reflorestados em 2010

O que podemos aprender com a China?

Essa atitude de se colocar como aprendiz é algo que a China executa com excelência

Reformas econômicas: 9 gráficos que mostram a transformação da China em 40 anos

Ao fazer mudanças nas regras que regem sua economia e uma gradual abertura para o resto do mundo, o país conseguiu tirar centenas de milhões da pobreza e aumentar o seu PIB em mais de nove vezes.

Sonda chinesa pousa no lado oculto da Lua pela primeira vez na história

Com a missão, país se coloca em destaque na corrida espacial. Objetivo é estudar a composição dessa parte do satélite, que não pode ser vista da Terra

Contato


Lioudmila Batourina
Consultora de parceria internacional

E-mail

lioudmila@abmes.org.br

Telefone

+55 (81) 9 9998-7258

// DQh7BGCfnn0