Detalhe

Pride and Prejudice. Five Myths About Brazilian Private Higher Education

14/05/2018 | Por: Brazil Monitor | 313
Foto: Pexel

Mais um relevante artigo da ABMES foi publicado imprensa internacional. Na última segunda-feira (14/5) o jornal Brazil Monitor publicou o texto “Pride and Prejudice. Five Myths About Brazilian Private Higher Education” (Orgulho e Preconceito. Cinco Mitos sobre o Ensino Superior Privado Brasileiro), assinado pelo vice-presidente da Associação, Celso Niskier, e pela consultora de parceria internacional da ABMES, Lioudmila Batourina.

O veículo, que é razoavelmente novo, tem o objetivo de noticiar importantes informações sobre o Brasil nas áreas de negócios, política e educação para os leitores e investidores estrangeiros.

Essa publicação é essencial para a ABMES e para todas e todas as instituições superiores particulares do Brasil. O artigo fala sobre a importância de uma visão clara e objetiva ao falar sobre o setor educacional privado brasileiro. Os autores dão argumentos e dados que desmontam os clichês tradicionais sobre educação particular como: qualidade, custo, desistências e outros. O texto também ressalta os esforços da ABMES para proteger o acesso à educação a todos os níveis da sociedade.

Vivenciando o impacto direto da crise econômica, o setor de educação particular é o melhor e mais ativo parceiro do governo na busca de formas de proporcionar à sociedade oportunidades de acesso ao ensino superior e ao crescimento econômico sustentável - com orgulho e sem preconceitos.

Clique aqui para conferir o documento original.

Confira a seguir a íntegra do texto (em inglês):

Pride and Prejudice. Five Myths About Brazilian Private Higher Education

Prof Dr Celso Niskier, Rector of Centro Universitário Carioca and Vice-president of ABMES. He obtained his PhD degree in Artificial Intelligence from Federal University of Rio de Janeiro (UFRJ), Brazil. E-mail: cniskier@unicarioca.edu.br.

Prof Dr Lioudmila Batourina, International Partnership consultant at ABMES (Brazilian Association of Private Universities). She obtained her PhD degreee in Socio Psycholinguistics from Moscow Academy of Science, Institute of Linguistics, Russia. E-mail: lioudmila@abmes.org.br.

 

There is a common and sustainable cliché about low-quality education in private institutions due to their for-profit nature. Let´s be clear and honest: private education appears where public sector is not capable of answering the needs of society. This is the case of Brazil, where 87.7% of the country’s students are enrolled in private HEIs (data from MEC 2017). According to the National Education Plan (PNE), approved by the Congress, by 2024 Brazil must achieve 30 percent of total enrollments in HEIs. Today this number is only 15 percent. The actual needs of the society is much higher. Imagine the shutting down of all private institutions, leaving the country with very limited access to higher education – in a few years the Brazilian economy would shrink to banana republic. Therefor it is fair enough to say that private higher education sector in Brazil is factually a very important contributor to the national education plan and in solving the problems of social inclusion.

Public universities, fully maintained by taxpayers, are traditionally playing the role of a locomotive in Brazilian science and research. From their top, the importance of career education provided by the private sector is often underestimated, because private universities in Brazil mainly focus on teaching rather than research. However, with time, many private universities have grown into innovative, good-reputation institutions, capable enough to compete with the public sector in quality and destroying myths, such as:

MYTH 1: Knowledge obtained in private HEIs is worse than in public HEIs

The annual test of graduates for final skills and knowledge (ENADE – o Ciclo Avaliativo do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), taken on average, reveals a wide range of quality in both the private and the public sectors, with some individual for-profits outperforming the public sector. This test is conducted in three steps and calculated as a weighted average score.

In the year 2015 26 evaluation areas were represented, including 8,121 programs and 447,056 participants. The wide range of students’ performance in public institutions, according to ENADE test, varies from 19.1 to 79.9 with median 41.4, while in private institutions they range from 15.0 to 80.8, with the same median 41.4 rate.

MYTH 2: Programs offered in private HEIs are worse than in public HEIs

The General Index of offered Programs (O Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição – IGC), according to ENADE test, shows even more impressive results in terms of quality improvements. Measured each year the programs at public institutions have remained stable throughout the 4-year period (2012-2015) with an 87% ranking. Private institutions, on the other hand, demonstrate an increasing growth each year, caching up: 80% – 81% – 84% – 85%.

The result showed that there was greater development in the private sector, keeping in mind that the proportion of HIEs and excellence in programs are still in the public sector. According to the 2015 data of the Brazilian Ministry of Education – MEC, among the existing 2,364 HEIs in Brazil, 2,069 are private. A larger number of students (85%) is taking the excellence programs offered by private HEIs, which indicates that the potential of excellence programs is still better spent in the private sector, even with a smaller percentage of excellence programs in general. Indeed, the probability of a chance of getting the best program in public institutions is still higher. Which indicates that it is healthy competition that leads to improvements. It is a very optimistic trend which demonstrates that private HEIs are becoming competitive at the level of academic and institutional quality, helping to increase access to higher education with good quality.

MYTH 3: Scholarships for students in private HEIs are too heavy a load on society’s taxes

The argument that scholarships have taken a heavy toll on society turned out to be no more than a polemic cliché: the cost of students’ federal higher education institution is 89% higher than that of students maintained by the Student Financing Fund (Fies), the loan from the government that needs to be paid back at the end of the studies. This data is the result of the survey, analyzing enrollment and costs, conducted by research consultancy Educa Insights. [1]

In 2015, the average cost of a student at a federal institution was R$ 20,000. In the same period, Fies spending on a student was approximately R$ 10,000 annually. Considering the number of students holding Fies loans and the number of students in public universities, it makes a difference of 89 percent. Thus, in addition to expanding access to education for the poor and having an immediate massive impact on the national economy in Brazil, Fies is also a cheaper alternative.

And so, the Brazilian Association of Owners of Private Institutions of Higher Education – ABMES (Associação Brasileira de Mantenedoreas de Ensino Superior) strategically focuses on pushing the government to keep investing in the students’ funds and to find alternative funding mechanisms for financing prospective students.

MYTH 4: Students with scholarships are not capable enough to study in HEI

Besides Fies, Brazil has the ProUni Fund (scholarships given to the excellent students in private HEIs), and also social and racial quotas that allow young people from underprivileged communities to get higher education for free. In 2016 a research group of Prof. Wainer (State University of Campinas) and Prof. Melguizo (University of Southern California) analyzed data of more than one million Brazilian university students who participated in the ENADE exams between 2012 and 2014. The study revealed the fact that ProUni holders are ranked higher at ENADE than their classmates. As for the social and racial quotas and students with Fies contracts, they had the same grades as students from federal universities. [2]

One possible explanation for the high performance of ProUni scholarship holders, according to the researchers, is the high requirement that the Ministry of Education program imposes on students, both at the time of selection and during the entire education program.

The study also made a cut considering only the programs of excellence and public institutions with the highest averages in ENADE. Performance of quota and non-quota students was found to be equivalent, the study says.

MYTH 5: Quota students have higher dropout rate

Federal University of Paraná’s (UFPR) research in dropout rates found that, in the first two years of the quota program, the school dropout rate of racial quota students is almost three times lower than the dropout rate of non-quota students. [3] According to the survey, 11.6% of non-quota holders quit college in the first two years of school, while in the same period only 6% of social quota holders and 4% of racial quota holders quit college.

Most of these quota students were only able to enter a public university because of the quota system. They do not give up so easy because before the program they had no prospect of studying at all.

Conclusions

With regards to whatever country we chose to talk about, complaints about education in general, including quality, grants and quotas, will certainly continue and will not stop. But the work on public awareness as well as on access to education should be continued, especially by the associations responsible for the educational sector, at any level. For the private sector in Brazil, this work is done by ABMES. Experiencing the direct impact of the economic crisis, the private education sector is the best and most active partner of the government in searching ways to provide society with access opportunities to higher education, and to sustainable economic growth – with pride and without prejudice.

[1] https://abmes.org.br/noticias/detalhe/2081

[2] http://g1.globo.com/educacao/noticia/bolsistas-do-prouni-tem-nota-mais-alta-no-enade-que-seus-colegas-de-classe-diz-estudo.ghtml

[3] http://g1.globo.com/Noticias/Vestibular/0,,MUL27514-5604,00-EVASAO+ESCOLAR+DE+COTISTA+E+VEZES+MENOR+DO+QUE+A+DE+NAOCOTISTA+NA+UFPR.htm


Conteúdo Relacionado

Legislação

LEI Nº 13.005, DE 25 DE JUNHO DE 2014

Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências.


EDITAL SESU/MEC Nº 42, DE 21 DE MAIO DE 2018

Torna público o cronograma e demais procedimentos relativos ao processo de ocupação de vagas remanescentes do Fundo de Financiamento Estudantil - Fies referente ao primeiro semestre de 2018.


EDITAL SESU/MEC Nº 50, DE 14 DE JUNHO DE 2018

Altera o Edital nº 42, de 21 de maio de 2018, da Secretaria de Educação Superior, publicado na página 65 da Seção 3 do Diário Oficial da União, de 24 de maio de 2018, que tornou público, que tornou público o cronograma e demais procedimentos relativos ao processo de ocupação de vagas remanescentes do Fundo de Financiamento Estudantil – Fies referente ao primeiro semestre de 2018


Notícias

Novo Fies não emplaca e MEC tenta atrair bancos

Brasil Escola: Modalidade recém-criada teve apenas 800 contratos firmados no primeiro semestre. ABMES aponta falhas no Fies

MEC publica novas regras para o Fies do segundo semestre

O dispositivo legal define todas as etapas necessárias para que instituições de ensino superior participem do programa

ABMES participa de debate internacional sobre recrutamento de estudantes

O convite para participar do webinar foi resultado do artigo “Student Loans in Brazil: Investment or Expenditure?”. O evento acontecerá na terça-feira (12/6) às 15h (horário brasileiro)

Desmistificando os Rankings Acadêmicos

Jornal da PUC - Campinas: Entrevista com o Prof. Dr. Adolfo Ignácio Calderón fala sobre o tema Rankings Acadêmicos que, embora sejam cada vez mais utilizados como referência em termos de projeção e divulgação das instituições de ensino, é cercado de controvérsias

Inscrições abertas para vagas remanescentes do Fies

As novas oportunidades preencherão as vagas do processo anterior, em que, por diversos motivos não tiveram o empréstimo total ou parcial contratado junto ao agente financeiro

Fies: candidatos que fizeram Enem a partir de 2010 podem buscar vagas remanescentes

Também é necessário ter tirado média acima de 450 pontos e pertencer a uma família com renda per capita de até 3 salários mínimos. Edital sairá na sexta-feira (25)

ABMES participa de webinar internacional

A Associação falou sobre as IES brasileiras e o cenário da educação superior particular no Brasil

Número de contratos do Fies cai para o menor patamar em seis anos

Bom Dia Brasil: Sólon Caldas, diretor executivo da ABMES, fala sobre as alterações no Fies que dificultaram o acesso dos estudantes ao financiamento estudantil

Student Loans in Brazil: Investment or Expenditure?

Artigo assinado pelo vice-presidente da ABMES, Celso Niskier, juntamente com o diretor executivo, Sólon Caldas, e com a consulta internacional da Associação, Lioudmila Batourina, publicado em 13 de maio no site internacional "Inside Higher ED"

Fies: prazo para aditamento de contratos é adiado novamente e terminará em 25 de maio

A mudança de data foi publicada no Diário Oficial da União e vale para contratos simplificados e não-simplificados

Os reflexos da crise nas faculdades particulares

Correio Braziliense: "Os alunos são um público cada vez mais exigente que não aceitará pagar para não ter algo satisfatório", observa Solon Caldas.

Internacionalização em casa - experiência das ABMES no IV Congresso Internacional do Unis

Durante cinco dias, de 22 a 27 de abril, a iniciativa reuniu 600 participantes. A ABMES foi um dos palestrantes do evento

IAU convida associados ABMES para participar de pesquisa global

A ABMES incentiva seus associados a participarem e contribuírem com a pesquisa para, principalmente, tornar a educação particular brasileira cada vez mais visível no mundo

Resultados e impressões sobre a Faubai 2018

Artigo da consultora de parceria internacional da ABMES, Lioudmila Batourina, contando sua experiência durante a 30ª edição da conferência da Associação Brasileira de Educação Internacional (Faubai), ocorrida de 14 a 18 de maior, no Rio de Janeiro/RJ

ABMES divulga oportunidades internacionais na área de educação

Cronogramas e instruções sobre os programas na área de educação internacional são atualizados rotineiramente pela ABMES

Sobre a internacionalização das universidades

Artigo publicado no jornal Correio Braziliense no dia 5 de abril de 2018 fala sobre a importância das instituições de educação superior se moldarem ao novo cenário mundial para que o Brasil se equipare, num futuro próximo, aos países desenvolvidos

Novo Fies em vigor

Com o novo formato, universidades e faculdades terão participação maior no comprometimento com garantias para o pagamento de dívidas dos estudantes

Universidades particulares apelam para bolsas e parcerias para encher salas de aula

Bom Dia Brasil: Sólon Caldas, diretor executivo da ABMES, explica que a oferta de bolsas depende da estratégia de captação de alunos de cada IES

Regulamentação do Sistema Nacional de Educação está pronta para análise da Comissão de Educação

Sistema prevê ações coordenadas da União, estados e municípios a fim de cumprir metas e estratégias da educação de qualidade

Janguiê Diniz: Educação brasileira e o contexto global: por que não avançamos?

Correio Braziliense | Em artigo, o diretor presidente da ABMES, Janguiê Diniz, fala sobre o quanto a transformação de uma política social em política econômica pode comprometer o progresso do país

Mapa do Ensino Superior no Brasil mostra queda nas matrículas em licenciaturas

Especialista alerta para risco de "apagão" de professores e sugere medidas para incentivar bacharéis a lecionar. Graduação tecnológica voltada para o mercado também tem pouca procura, segundo o estudo

Estudante de universidade pública custa 89% a mais que aluno Fies

A conclusão é resultado de levantamento realizado pela ABMES em parceria com a Educa Insights

Aluno na universidade pública custa 90% mais do que no Fies

Notícia veiculada pela revista Veja aborda o levantamento feito pela ABMES que traça um paralelo dos gastos por aluno na educação pública superior com os investidos per capita no Fundo de Financiamento Estudantil

Conferência Nacional de Educação cobrará cumprimento do PNE

Em entrevista à Agência Brasil, a vice-presidente da ABMES, Carmen Silva destacou que existem metas no PNE a serem atingidas e que, sem a presença maciça do ensino superior particular, não poderão ser cumpridas

Presidente Dilma sanciona Plano Nacional de Educação sem vetos

A Lei 13.005/2014, publicada no Diário Oficial da União no último dia 26, estabelece metas e estratégias para o segmento educacional até o ano de 2020. As metas vão desde a educação infantil até o ensino superior, passam pela gestão e pelo financiamento do setor e pela formação dos profissionais

Coluna

Educação Superior Comentada | O Plano Nacional de Educação

Ano 2 • Nº 28 • De 21 a 27 de outubro de 2014

A Coluna Educação Superior Comentada desta semana analisa o Plano Nacional de Educação – PNE, aprovado pela Lei nº 13.005/2014

Educação Superior Comentada | A nova face do Fies

Ano 5 - Nº 27 - 23 de agosto de 2017

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, faz uma avaliação das modificações ocorridas na nova regulamentação do Fies e que impactarão diretamente as instituições de ensino. Entre os destaques, ele menciona o crescimento de encargos tanto para as IES quanto para os estudantes

Educação Superior Comentada | As principais mudanças trazidas pelos instrumentos de avaliação de cursos de graduação relativamente ao corpo docente

Na edição desta semana, o consultor jurídico da ABMES, Gustavo Fagundes, analisa as principais mudanças trazidas pelos instrumentos de avaliação de cursos de graduação relativamente ao corpo docente. Segundo o especialista, a principal mudança verificada nos instrumentos de avaliação de cursos de graduação, notadamente para fins de autorização de cursos, foi a adoção de critérios avaliativos que objetivam assegurar o respeito à individualidade das instituições de educação superior

Educação Superior Comentada | O alcance do conceito de sede das instituições de educação superior

A Coluna Educação Superior Comentada desta semana esclarece o alcance do conceito de sede das IES. De acordo com o especialista, seja em sede de manifestações de interpretação do contexto normativo, seja em sede do marco regulatório da educação superior propriamente dito, resta adotado um conceito claro e inequívoco de sede de uma instituição de educação superior, sendo este entendido como o limite territorial do município indicado em seu ato válido de credenciamento ou recredenciamento

Educação Superior Comentada | A concessão das bolsas acadêmicas e outros benefícios de caráter financeiro

A Coluna Educação Superior Comentada desta semana explica que havia um entendimento de que uma vez concedida determinada bolsa ou desconto específico ao aluno, não importando a modalidade ou o fundamento para sua concessão, este benefício permaneceria assegurado até a conclusão do curso. Porém, segundo Gustavo Fagundes, consultor jurídico da ABMES, esta compreensão estaria correta nas situações em que se não houvesse a clara regulamentação de cada programa de concessão de bolsa ou desconto. Sendo assim, a concessão é ato de mera liberalidade da mantenedora

Contato


Lioudmila Batourina
Consultora de parceria internacional

E-mail

lioudmila@abmes.org.br

Telefone

+55 (81) 9 9998-7258